Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Espiritualidade

40 dias para mudar de vida

40 dias para mudar de vida
Espiritualidade

40 dias para mudar de vida

Data da Publicação: 02/03/2022
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 02/03/2022
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Na Igreja primitiva, a quaresma era o tempo de 40 dias preparatórios para o recebimento dos Sacramentos — o que acontecia sempre na noite da Vigília Pascal.

Esse período era encarado como um grande momento de conversão, cujos frutos não durariam somente até o final do Tempo Pascal, mas a vida toda.

E, basta olharmos para as Escrituras para percebermos que esse ciclo — 40 dias — é um ponto comum em diversos episódios: o dilúvio, o tempo em que Moisés permaneceu no Monte Sinai antes de receber a Lei de Deus, o período de Nosso Senhor Jesus Cristo no deserto…

Em todos esses casos, os 40 dias foram o estopim de uma grande mudança. E é exatamente isso que a quaresma deve ser para nós, católicos.

Não podemos sair dela da mesma forma que entramos. É por isso que a liturgia da Igreja nos propõe, na celebração de hoje, uma profunda meditação sobre a brevidade da vida.

Ao impor as cinzas sobre a nossa fronte, o sacerdote nos recorda: tu és pó e ao pó hás de voltar.

Não sabemos quando chegará o dia em que nos apresentaremos diante de Deus. Portanto, é agora o momento favorável para a nossa conversão.

É hora de ir ao deserto. Hora de ordenar as vontades da carne, lutar contra a nossa mediocridade e voltar o coração para Deus.

Que estes 40 dias sejam, de fato, o início de uma vida nova. A Páscoa se aproxima.

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Na Igreja primitiva, a quaresma era o tempo de 40 dias preparatórios para o recebimento dos Sacramentos — o que acontecia sempre na noite da Vigília Pascal.

    Esse período era encarado como um grande momento de conversão, cujos frutos não durariam somente até o final do Tempo Pascal, mas a vida toda.

    E, basta olharmos para as Escrituras para percebermos que esse ciclo — 40 dias — é um ponto comum em diversos episódios: o dilúvio, o tempo em que Moisés permaneceu no Monte Sinai antes de receber a Lei de Deus, o período de Nosso Senhor Jesus Cristo no deserto…

    Em todos esses casos, os 40 dias foram o estopim de uma grande mudança. E é exatamente isso que a quaresma deve ser para nós, católicos.

    Não podemos sair dela da mesma forma que entramos. É por isso que a liturgia da Igreja nos propõe, na celebração de hoje, uma profunda meditação sobre a brevidade da vida.

    Ao impor as cinzas sobre a nossa fronte, o sacerdote nos recorda: tu és pó e ao pó hás de voltar.

    Não sabemos quando chegará o dia em que nos apresentaremos diante de Deus. Portanto, é agora o momento favorável para a nossa conversão.

    É hora de ir ao deserto. Hora de ordenar as vontades da carne, lutar contra a nossa mediocridade e voltar o coração para Deus.

    Que estes 40 dias sejam, de fato, o início de uma vida nova. A Páscoa se aproxima.

    Avatar

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.