Formação

O “lençol” mais valioso do mundo!

O “lençol” mais valioso do mundo!
Formação

O “lençol” mais valioso do mundo!

Data da Publicação: 13/12/2021
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 13/12/2021
Tempo de leitura:
Autor: MBC


Provavelmente você já tenha ouvido alguém defender a ideia de que Jesus Cristo não existiu e que os fatos narrados nos Evangelhos não passam de fábulas ou estórias. 


Mas na verdade são mais conhecidas evidências da existência dEle do que de sábios da antiguidade — como Platão ou Aristóteles, por exemplo — sobre os  quais também se encontram muitos registros históricos.


E um dos elementos materiais que comprova a Encarnação do Verbo, ou seja, a vinda de Deus a este mundo por meio de seu Filho, é o Santo Sudário.

Esse objeto, também conhecido como mortalha, era uma espécie de lençol com o qual se envolviam os cadáveres no tempo antigo.


Essa prática, de envolver mortos em lençóis, fazia parte dos rituais judaicos e também foi aplicada ao precioso corpo de Nosso Senhor, como mencionado no Evangelho:


Desceu o corpo da cruz, enrolou-o num lençol e colocou-o num túmulo escavado na rocha, onde ninguém ainda tinha sido sepultado.” (Lc 23,53)


O que conhecemos hoje é um lençol grande, de linho grosso e cor sépia. Ele traz estampada em tamanho real, de frente e costas, a figura de um homem com barba e idade entre 30 e 35 anos.


Além disso, conforme perícias realizadas por especialistas do mundo inteiro, as marcas no tecido evidenciam que este homem foi torturado, flagelado e crucificado.


Também foram encontrados indícios de aromas e pomadas mortuárias, que provam que a imagem estampada no linho não foi simplesmente pintada por alguém.


E o mais impressionante é que, segundo análises, essa imagem teria se formado por conta de uma forte irradiação de luz ultravioleta vindo do interior do tecido.


Uma intensa fonte de luz!


Para nós, católicos, não é difícil entender o que aconteceu: Jesus, a verdadeira luz, ressuscitou!


Atualmente, o Santo Sudário se encontra na catedral de Turim, Itália — e já são muitos os milagres concedidos a quem se aproximou dele com fé.


E essa é apenas uma das evidências da passagem do Homem-Deus por este mundo que você terá a oportunidade de conhecer.


No nosso Guia de Leitura deste mês, O Redentor da História, você vai encontrar uma série de informações através de mapas, infográficos e textos inéditos, que te ajudarão a entender a genealogia de Jesus, o contexto histórico em que viveu e as marcas materiais que provam Sua existência. 


O guia acompanha a trilogia Jesus de Nazaré: do nascimento à ressurreição, escrita por Bento XVI, que reunimos em um único volume.


Uma edição belíssima e exclusiva em honra dAquele que é o centro de tudo o que fazemos.

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?


    Provavelmente você já tenha ouvido alguém defender a ideia de que Jesus Cristo não existiu e que os fatos narrados nos Evangelhos não passam de fábulas ou estórias. 


    Mas na verdade são mais conhecidas evidências da existência dEle do que de sábios da antiguidade — como Platão ou Aristóteles, por exemplo — sobre os  quais também se encontram muitos registros históricos.


    E um dos elementos materiais que comprova a Encarnação do Verbo, ou seja, a vinda de Deus a este mundo por meio de seu Filho, é o Santo Sudário.

    Esse objeto, também conhecido como mortalha, era uma espécie de lençol com o qual se envolviam os cadáveres no tempo antigo.


    Essa prática, de envolver mortos em lençóis, fazia parte dos rituais judaicos e também foi aplicada ao precioso corpo de Nosso Senhor, como mencionado no Evangelho:


    Desceu o corpo da cruz, enrolou-o num lençol e colocou-o num túmulo escavado na rocha, onde ninguém ainda tinha sido sepultado.” (Lc 23,53)


    O que conhecemos hoje é um lençol grande, de linho grosso e cor sépia. Ele traz estampada em tamanho real, de frente e costas, a figura de um homem com barba e idade entre 30 e 35 anos.


    Além disso, conforme perícias realizadas por especialistas do mundo inteiro, as marcas no tecido evidenciam que este homem foi torturado, flagelado e crucificado.


    Também foram encontrados indícios de aromas e pomadas mortuárias, que provam que a imagem estampada no linho não foi simplesmente pintada por alguém.


    E o mais impressionante é que, segundo análises, essa imagem teria se formado por conta de uma forte irradiação de luz ultravioleta vindo do interior do tecido.


    Uma intensa fonte de luz!


    Para nós, católicos, não é difícil entender o que aconteceu: Jesus, a verdadeira luz, ressuscitou!


    Atualmente, o Santo Sudário se encontra na catedral de Turim, Itália — e já são muitos os milagres concedidos a quem se aproximou dele com fé.


    E essa é apenas uma das evidências da passagem do Homem-Deus por este mundo que você terá a oportunidade de conhecer.


    No nosso Guia de Leitura deste mês, O Redentor da História, você vai encontrar uma série de informações através de mapas, infográficos e textos inéditos, que te ajudarão a entender a genealogia de Jesus, o contexto histórico em que viveu e as marcas materiais que provam Sua existência. 


    O guia acompanha a trilogia Jesus de Nazaré: do nascimento à ressurreição, escrita por Bento XVI, que reunimos em um único volume.


    Uma edição belíssima e exclusiva em honra dAquele que é o centro de tudo o que fazemos.

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.