Espiritualidade, Formação

O sentido do sofrimento

Qual o sentido do sofrimento? Por que pessoas boas sofrem? Por que tem gente passando fome, adoecendo, morrendo…?

O sentido do sofrimento
Espiritualidade, Formação

O sentido do sofrimento

Qual o sentido do sofrimento? Por que pessoas boas sofrem? Por que tem gente passando fome, adoecendo, morrendo…?

Data da Publicação: 28/02/2023
Tempo de leitura:
Autor: admin
Data da Publicação: 28/02/2023
Tempo de leitura:
Autor: admin

Se você chegou até este artigo, provavelmente está passando por um momento de sofrimento e tentando encontrar um sentido pra ele.

Por isso, queremos começar dizendo que o Bom Deus não somente se deixa tocar pelos que sofrem, como também toma sobre si as suas dores – “Ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos” 1 –.

O fato é que, apesar de toda dor, nós não sofremos sozinhos! Nosso Senhor Jesus Cristo está sempre conosco, ainda que não consigamos entender o sentido do sofrimento.

Caro leitor, esperamos que você encontre esperança nas palavras aqui dispostas. Por isso, te convidamos a continuar esta leitura em espírito de oração, sabendo que o Senhor está contigo, te vendo e te ouvindo.

Por que nós sofremos?


O sentido do sofrimento – ou melhor: o motivo pelo qual Deus permite o sofrimento de seus filhos nesta vida – ainda é um mistério, mas o Senhor nos deixa algumas pistas. 

Veja o que nos diz São Paulo em sua carta aos romanos:

“Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada.”


O que o Pai tem reservado para nós não tem proporção com qualquer sofrimento que possamos passar aqui. Além disso, de alguma forma, o sofrimento presente é um ponto chave para alcançarmos o tão sonhado prêmio que Nosso Senhor reservou para os seus amados filhos: a vida eterna!

O homem sofre


“O homem sofre de diversas maneiras, que nem sempre são consideradas
pela medicina, nem se quer pelos seus ramos mais avançados.”
2


O sofrimento é algo amplo e profundo, que faz parte da vida de todas as pessoas. Ele não é apenas uma dor causada por doença física ou psíquica, já que não afeta somente a condição bioquímica do homem. De forma integral, o sofrimento se parece mais como uma “dor da alma”. 

Essa “dor da alma”, portanto, deve aparecer na vida de todas as pessoas, em maior ou menor grau, por mais ou menos tempo. É algo que está profundamente enraizado na existência humana. 

E pergunta o porquê


Qual o sentido do sofrimento? Por que pessoas boas sofrem? Por que tem gente passando fome, adoecendo, morrendo…?

Essas são perguntas muito comuns e constantes na história da humanidade. Porém, o sentido do sofrimento ainda não é plenamente entendido por nós. Provavelmente só iremos compreendê-lo após a nossa morte e encontro total com a Verdade.

Fato é que Nosso Senhor Jesus Cristo quis se entregar na Cruz pela nossa salvação e, se queremos imitá-Lo, podemos e devemos, nós também, oferecer de bom grado os sofrimentos que passamos, por Ele e por nossos irmãos.

“O Amor é ainda a fonte mais plena para a resposta à pergunta acerca do sentido do sofrimento.
Esta resposta foi dada por Deus ao homem na Cruz de Jesus Cristo.”
3


O sentido do sofrimento e a Paixão de Cristo


O Senhor não quis eliminar o sofrimento do mundo, mas sim, transformar o seu sentido. O Pai entregou Seu Filho por um motivo muito maior e mais belo do que simplesmente nos livrar dos sofrimentos passageiros. Ele nos deu Seu Filho – assim como o próprio Filho se deu – para sermos salvos por Ele, ou seja: para alcançarmos a vida eterna! Aí sim, se com a Graça de Deus chegarmos lá, Ele mesmo enxugará toda lágrima e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor. 4

“Deus amou tanto o mundo que deu o Seu Filho unigênito, para que
todo aquele que crê n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna.”
5


Mas por que seria necessário tanto sofrimento? Não bastaria uma simples oração vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, pedindo ao Pai Eterno que nos perdoasse? São João Crisóstomo nos responde que uma prece de Jesus bastava para nos salvar, mas não bastava para demonstrar o Amor que este Deus nos tinha. O que bastava à redenção não bastava ao Amor.

Com quanto Amor nos amou nosso Deus! Que tão admirável mistério! Nosso Senhor Jesus Cristo tanto nos amou e tanto desejava ser amado por nós que elevou este amor até o extremo, ao ser elevado na Santa Cruz, para que, dessa forma, fosse impossível conhecê-Lo e não amá-Lo. Para que, contemplando-O ferido, não restasse dúvida alguma do quanto fomos e somos amados por Ele.

Cruz e Redenção


A nossa redenção veio pelo Amor, que foi manifestado de maneira extrema na Paixão e Cruz de Nosso Senhor. Pare um momento e, antes de retomar a leitura, reze um pouco com este trecho do livro Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, de Santo Afonso:

“Ah, meu Jesus, que esperança poderia ter eu, que tantas vezes vos voltei as costas e mereci o Inferno, de entrar na companhia de tantas virgens inocentes, de tantos mártires, de tantos apóstolos e dos serafins do Céu, para contemplar a vossa bela face na pátria feliz, se Vós não tivésseis morrido por mim, divino Salvador?


A vossa Paixão, pois, é que, não obstante os meus pecados, me dá a esperança de entrar um dia na companhia dos santos e de vossa Mãe bendita, para cantar as vossas misericórdias e agradecer-vos e amar-vos para sempre no Paraíso. Assim eu o espero, ó meu Jesus. Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor 6. Maria, Mãe de Deus, rogai a Jesus por mim.” 7

São João Paulo II abraçando a cruz, que dá um sentido sobrenatural a todo sofrimento humano.


Unir-se a Cristo e dar sentido ao sofrimento


Se Cristo tomou sobre si os nossos sofrimentos, por que ainda precisamos sofrer?

Bom, primeiramente precisamos entender que Nosso Senhor não é um Deus cruel e vingativo, que se alegra com nosso sofrimento. Pelo contrário, é um Deus de infinita bondade e misericórdia, que escuta e atende a todos que a Ele recorrem, se assim for útil para a salvação de sua alma.

“Porque tu, Senhor, és suave e doce, e de muita misericórdia para todos os que te invocam.” 8


Em consequência do pecado nós sofremos, no entanto, Deus não se alegra com nossas dores. Este mesmo sofrimento, porém, pode ser muito útil se o suportarmos com paciência, seguindo o exemplo e a orientação que Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou: “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, irá salvá-la.” 9

Eis o chamado para aqueles que querem seguir Jesus Cristo: abraçar a cruz de cada dia e segui-Lo. Segui-Lo com a certeza de que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória que o Senhor reservou para nós. Suportemos tudo por amor e com os corações ancorados no céu!

Referências

  1. Is 53,4[]
  2.  Salvifici Doloris – Capítulo II[]
  3. São João Paulo II[]
  4. Ap 21, 4[]
  5. Jo 3, 16[]
  6. Sl 88,2[]
  7. A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, Santo Afonso de Ligório[]
  8. Sl 85, 5[]
  9. Lc 9, 23-24[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    admin

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Se você chegou até este artigo, provavelmente está passando por um momento de sofrimento e tentando encontrar um sentido pra ele.

    Por isso, queremos começar dizendo que o Bom Deus não somente se deixa tocar pelos que sofrem, como também toma sobre si as suas dores – “Ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos” 1 –.

    O fato é que, apesar de toda dor, nós não sofremos sozinhos! Nosso Senhor Jesus Cristo está sempre conosco, ainda que não consigamos entender o sentido do sofrimento.

    Caro leitor, esperamos que você encontre esperança nas palavras aqui dispostas. Por isso, te convidamos a continuar esta leitura em espírito de oração, sabendo que o Senhor está contigo, te vendo e te ouvindo.

    Por que nós sofremos?


    O sentido do sofrimento – ou melhor: o motivo pelo qual Deus permite o sofrimento de seus filhos nesta vida – ainda é um mistério, mas o Senhor nos deixa algumas pistas. 

    Veja o que nos diz São Paulo em sua carta aos romanos:

    “Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada.”


    O que o Pai tem reservado para nós não tem proporção com qualquer sofrimento que possamos passar aqui. Além disso, de alguma forma, o sofrimento presente é um ponto chave para alcançarmos o tão sonhado prêmio que Nosso Senhor reservou para os seus amados filhos: a vida eterna!

    O homem sofre


    “O homem sofre de diversas maneiras, que nem sempre são consideradas
    pela medicina, nem se quer pelos seus ramos mais avançados.”
    2


    O sofrimento é algo amplo e profundo, que faz parte da vida de todas as pessoas. Ele não é apenas uma dor causada por doença física ou psíquica, já que não afeta somente a condição bioquímica do homem. De forma integral, o sofrimento se parece mais como uma “dor da alma”. 

    Essa “dor da alma”, portanto, deve aparecer na vida de todas as pessoas, em maior ou menor grau, por mais ou menos tempo. É algo que está profundamente enraizado na existência humana. 

    E pergunta o porquê


    Qual o sentido do sofrimento? Por que pessoas boas sofrem? Por que tem gente passando fome, adoecendo, morrendo…?

    Essas são perguntas muito comuns e constantes na história da humanidade. Porém, o sentido do sofrimento ainda não é plenamente entendido por nós. Provavelmente só iremos compreendê-lo após a nossa morte e encontro total com a Verdade.

    Fato é que Nosso Senhor Jesus Cristo quis se entregar na Cruz pela nossa salvação e, se queremos imitá-Lo, podemos e devemos, nós também, oferecer de bom grado os sofrimentos que passamos, por Ele e por nossos irmãos.

    “O Amor é ainda a fonte mais plena para a resposta à pergunta acerca do sentido do sofrimento.
    Esta resposta foi dada por Deus ao homem na Cruz de Jesus Cristo.”
    3


    O sentido do sofrimento e a Paixão de Cristo


    O Senhor não quis eliminar o sofrimento do mundo, mas sim, transformar o seu sentido. O Pai entregou Seu Filho por um motivo muito maior e mais belo do que simplesmente nos livrar dos sofrimentos passageiros. Ele nos deu Seu Filho – assim como o próprio Filho se deu – para sermos salvos por Ele, ou seja: para alcançarmos a vida eterna! Aí sim, se com a Graça de Deus chegarmos lá, Ele mesmo enxugará toda lágrima e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor. 4

    “Deus amou tanto o mundo que deu o Seu Filho unigênito, para que
    todo aquele que crê n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna.”
    5


    Mas por que seria necessário tanto sofrimento? Não bastaria uma simples oração vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, pedindo ao Pai Eterno que nos perdoasse? São João Crisóstomo nos responde que uma prece de Jesus bastava para nos salvar, mas não bastava para demonstrar o Amor que este Deus nos tinha. O que bastava à redenção não bastava ao Amor.

    Com quanto Amor nos amou nosso Deus! Que tão admirável mistério! Nosso Senhor Jesus Cristo tanto nos amou e tanto desejava ser amado por nós que elevou este amor até o extremo, ao ser elevado na Santa Cruz, para que, dessa forma, fosse impossível conhecê-Lo e não amá-Lo. Para que, contemplando-O ferido, não restasse dúvida alguma do quanto fomos e somos amados por Ele.

    Cruz e Redenção


    A nossa redenção veio pelo Amor, que foi manifestado de maneira extrema na Paixão e Cruz de Nosso Senhor. Pare um momento e, antes de retomar a leitura, reze um pouco com este trecho do livro Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, de Santo Afonso:

    “Ah, meu Jesus, que esperança poderia ter eu, que tantas vezes vos voltei as costas e mereci o Inferno, de entrar na companhia de tantas virgens inocentes, de tantos mártires, de tantos apóstolos e dos serafins do Céu, para contemplar a vossa bela face na pátria feliz, se Vós não tivésseis morrido por mim, divino Salvador?


    A vossa Paixão, pois, é que, não obstante os meus pecados, me dá a esperança de entrar um dia na companhia dos santos e de vossa Mãe bendita, para cantar as vossas misericórdias e agradecer-vos e amar-vos para sempre no Paraíso. Assim eu o espero, ó meu Jesus. Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor 6. Maria, Mãe de Deus, rogai a Jesus por mim.” 7

    São João Paulo II abraçando a cruz, que dá um sentido sobrenatural a todo sofrimento humano.


    Unir-se a Cristo e dar sentido ao sofrimento


    Se Cristo tomou sobre si os nossos sofrimentos, por que ainda precisamos sofrer?

    Bom, primeiramente precisamos entender que Nosso Senhor não é um Deus cruel e vingativo, que se alegra com nosso sofrimento. Pelo contrário, é um Deus de infinita bondade e misericórdia, que escuta e atende a todos que a Ele recorrem, se assim for útil para a salvação de sua alma.

    “Porque tu, Senhor, és suave e doce, e de muita misericórdia para todos os que te invocam.” 8


    Em consequência do pecado nós sofremos, no entanto, Deus não se alegra com nossas dores. Este mesmo sofrimento, porém, pode ser muito útil se o suportarmos com paciência, seguindo o exemplo e a orientação que Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou: “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, irá salvá-la.” 9

    Eis o chamado para aqueles que querem seguir Jesus Cristo: abraçar a cruz de cada dia e segui-Lo. Segui-Lo com a certeza de que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória que o Senhor reservou para nós. Suportemos tudo por amor e com os corações ancorados no céu!

    Referências

    1. Is 53,4[]
    2.  Salvifici Doloris – Capítulo II[]
    3. São João Paulo II[]
    4. Ap 21, 4[]
    5. Jo 3, 16[]
    6. Sl 88,2[]
    7. A Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, Santo Afonso de Ligório[]
    8. Sl 85, 5[]
    9. Lc 9, 23-24[]

    admin

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.