Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Formação

Quem foi São Maximiliano Maria Kolbe?

Quem foi São Maximiliano Maria Kolbe?
Formação

Quem foi São Maximiliano Maria Kolbe?

Data da Publicação: 04/03/2022
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 04/03/2022
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Raimundo Kolbe nasceu no dia 8 de janeiro de 1894, numa cidade polonesa chamada Zdunska Wola. Sua família era muito devota, e foi nesse lar que, desde cedo, o santo sacerdote aprendeu a amar a Nosso Senhor Jesus Cristo, a Virgem Maria e a Santa Igreja.

Ainda na sua infância, São Maximiliano Kolbe recebeu a visita de Nossa Senhora, que lhe ofereceu duas coroas — uma branca, simbolizando a pureza e uma vermelha, remetendo ao martírio —,  e pediu ao menino que escolhesse uma delas.

Sem hesitar nem por um instante, ele disse: “eu quero as duas!”. E, a partir daí, sua história foi marcada por episódios que comprovam este profundo desejo de viver em conformidade com a vontade de Deus. 

Aos 13 anos de idade, o pequeno Raimundo Kolbe ingressou no seminário franciscano, onde sua devoção à Mãe de Deus o levou a criar o apostolado mariano chamado “Milícia da Imaculada”. 

Anos mais tarde, após concluir os estudos em Roma, recebeu a ordem sacerdotal e passou a ser chamado pelo seu nome religioso: Maximiliano Maria Kolbe.

Possuidor de grande amor por Maria Imaculada, o santo acreditava que o mundo precisava ser evangelizado através da melhor tecnologia à disposição na época. Por isso, criou um jornal intitulado “O Cavaleiro da Imaculada”, projeto que se concretizou graças a um árduo trabalho e profunda confiança na Providência Divina.

Além disso, como sacerdote, ele assumiu o ofício de professor, sempre com o objetivo maior de levar almas para Deus. Dessa forma, serviu a Nosso Senhor não somente em sua terra natal, mas também no Japão. 

No início da Segunda Guerra Mundial, São Maximiliano Kolbe regressou à Polônia para formar novos franciscanos. Porém, com a perseguição nazista, acabou sendo preso duas vezes e, ao final, foi levado a Auschwitz.

Neste campo de extermínio, Pe. Kolbe foi sal e luz. Seu testemunho de vida, oração, esperança e caridade, amenizou a dor de muitos corações dilacerados pelos horrores que a maldade humana é capaz de causar.

Em 1941, um prisioneiro fugiu do campo de concentração e, sempre que isso acontecia, os soldados da SS — o exército nazista —  escolhiam outros 10 presos para a terrível morte por inanição. 

Nesta ocasião, dentre eles, estava Franciszek Gajowniczek que implorou desesperadamente para que lhe poupassem a vida, pois era esposo e pai. 

São Maximiliano, movido por profunda caridade e por uma ousadia própria dos santos, se ofereceu para morrer em seu lugar. Diante deste pedido, a surpresa dos nazistas foi tamanha que acabaram aceitando a troca. 

Todas as vezes que prisioneiros eram levados a esta cela para morrer de fome e sede, a situação era desesperadora: gritos, gemidos e canibalismo. Porém, quando o grupo que estava acompanhado de São Maximiliano estava neste local, o cenário era outro: ouviam-se louvores a Deus e cantos à Imaculada.

Enquanto esteve preso, Pe. Kolbe consolou seus demais companheiros e os preparou para a morte. Com o passar do tempo, os homens foram falecendo, mas o santo permanecia firme. Por conta disso, os nazistas — impacientes com a espera — o matam com uma injeção letal.

Assim, em 14 de agosto de 1941, aos 47 anos de idade, São Maximiliano Kolbe ingressou na Pátria Celeste portando as coroas da pureza e do martírio.

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Raimundo Kolbe nasceu no dia 8 de janeiro de 1894, numa cidade polonesa chamada Zdunska Wola. Sua família era muito devota, e foi nesse lar que, desde cedo, o santo sacerdote aprendeu a amar a Nosso Senhor Jesus Cristo, a Virgem Maria e a Santa Igreja.

    Ainda na sua infância, São Maximiliano Kolbe recebeu a visita de Nossa Senhora, que lhe ofereceu duas coroas — uma branca, simbolizando a pureza e uma vermelha, remetendo ao martírio —,  e pediu ao menino que escolhesse uma delas.

    Sem hesitar nem por um instante, ele disse: “eu quero as duas!”. E, a partir daí, sua história foi marcada por episódios que comprovam este profundo desejo de viver em conformidade com a vontade de Deus. 

    Aos 13 anos de idade, o pequeno Raimundo Kolbe ingressou no seminário franciscano, onde sua devoção à Mãe de Deus o levou a criar o apostolado mariano chamado “Milícia da Imaculada”. 

    Anos mais tarde, após concluir os estudos em Roma, recebeu a ordem sacerdotal e passou a ser chamado pelo seu nome religioso: Maximiliano Maria Kolbe.

    Possuidor de grande amor por Maria Imaculada, o santo acreditava que o mundo precisava ser evangelizado através da melhor tecnologia à disposição na época. Por isso, criou um jornal intitulado “O Cavaleiro da Imaculada”, projeto que se concretizou graças a um árduo trabalho e profunda confiança na Providência Divina.

    Além disso, como sacerdote, ele assumiu o ofício de professor, sempre com o objetivo maior de levar almas para Deus. Dessa forma, serviu a Nosso Senhor não somente em sua terra natal, mas também no Japão. 

    No início da Segunda Guerra Mundial, São Maximiliano Kolbe regressou à Polônia para formar novos franciscanos. Porém, com a perseguição nazista, acabou sendo preso duas vezes e, ao final, foi levado a Auschwitz.

    Neste campo de extermínio, Pe. Kolbe foi sal e luz. Seu testemunho de vida, oração, esperança e caridade, amenizou a dor de muitos corações dilacerados pelos horrores que a maldade humana é capaz de causar.

    Em 1941, um prisioneiro fugiu do campo de concentração e, sempre que isso acontecia, os soldados da SS — o exército nazista —  escolhiam outros 10 presos para a terrível morte por inanição. 

    Nesta ocasião, dentre eles, estava Franciszek Gajowniczek que implorou desesperadamente para que lhe poupassem a vida, pois era esposo e pai. 

    São Maximiliano, movido por profunda caridade e por uma ousadia própria dos santos, se ofereceu para morrer em seu lugar. Diante deste pedido, a surpresa dos nazistas foi tamanha que acabaram aceitando a troca. 

    Todas as vezes que prisioneiros eram levados a esta cela para morrer de fome e sede, a situação era desesperadora: gritos, gemidos e canibalismo. Porém, quando o grupo que estava acompanhado de São Maximiliano estava neste local, o cenário era outro: ouviam-se louvores a Deus e cantos à Imaculada.

    Enquanto esteve preso, Pe. Kolbe consolou seus demais companheiros e os preparou para a morte. Com o passar do tempo, os homens foram falecendo, mas o santo permanecia firme. Por conta disso, os nazistas — impacientes com a espera — o matam com uma injeção letal.

    Assim, em 14 de agosto de 1941, aos 47 anos de idade, São Maximiliano Kolbe ingressou na Pátria Celeste portando as coroas da pureza e do martírio.

    Avatar

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.