Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Liturgia diária

Liturgia Diária | 14/05/24

Acompanhe a liturgia do dia 14 de maio de 2024, com texto e comentários patrísticos da Bíblia da Minha Biblioteca Católica.

Liturgia Diária | 14/05/24
Liturgia diária

Liturgia Diária | 14/05/24

Acompanhe a liturgia do dia 14 de maio de 2024, com texto e comentários patrísticos da Bíblia da Minha Biblioteca Católica.

Data da Publicação: 13/05/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica
Data da Publicação: 13/05/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica

Terça-feira da Semana VII da Páscoa. Festa de São Matias, Apóstolo.

Oração da manhã

“Inspirai, Senhor, as nossas ações e ajudai-nos a realizá-las, para que em Vós comece e termine tudo aquilo que fizermos. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.” 1

Primeira leitura

Leitura dos Atos dos Apóstolos 1,15-17.20-26

15 Naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos irmãos (o número das pessoas ali reunidas era cerca de cento e vinte), disse: 

16 “Meus irmãos, é necessário que se cumpra o que o Espírito Santo predisse na Escritura pela boca de Davi acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus, 

17 ele, que estava alistado entre nós, e que teve parte neste ministério

20 Porque está escrito no livro dos Salmos: Fique deserta a sua habitação, e não haja quem habite nela, e receba outro o seu ministério.

21 É necessário, pois, que destes varões que têm estado juntos conosco durante todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu entre nós, 

22 começando desde o batismo de João até o dia em que foi arrebatado dentre nós, um destes seja constituído testemunha conosco da sua ressurreição”.

23 E apresentaram dois: José, que era chamado Barsabás, o qual tinha por sobrenome o Justo, e Matias.

24 Depois, orando, disseram: “Tu, Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos destes dois o que escolheste 

25 para ocupar o lugar deste ministério e apostolado do qual se transviou Judas para ir ao seu lugar”.

26 Então tiraram os seus nomes à sorte, e caiu a sorte em Matias, o qual foi associado aos onze Apóstolos.

Salmo

112(113),1-2.3-4.5-6.7-8 (R. cf. 8)

R: O Senhor o coloca com os príncipes, com os príncipes do seu povo.

1 Aleluia. Louvai o Senhor, vós, ó meninos;louvai o nome do Senhor.
2 Seja bendito o nome do Senhor, desde agora e para sempre. R.

3 Desde o nascer do sol até o seu ocaso, é digno de louvor o nome do Senhor.
4 Excelso é o Senhor sobre todas as nações, e a sua glória está acima dos céus. R.

5 Quem há como o Senhor nosso Deus, que habita nas alturas,
6 e volta-se às criaturas humildes no céu e na terra? R.

7 Levanta da terra o desvalido e tira da imundície o pobre,
8 para o colocar com os príncipes, com os príncipes do seu povo. R.

Evangelho

João 15,9-27

9 Como o Pai me amou, assim eu vos amei. Permanecei no meu amor.

10 Se observardes os meus preceitos, permanecereis no meu amor, como eu observei os preceitos de meu Pai, e permaneço no seu amor.

11 Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria seja em vós, e para que a vossa alegria seja completa.

12 O meu preceito é este: que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei. 

13 Ninguém tem maior amor que o daquele que dá a sua vida pelos seus amigos. 

14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 

15 Não mais vos chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor. Mas tenho-vos chamado amigos, porque vos dei a conhecer tudo aquilo que ouvi de meu Pai.

16 Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi a vós, e que vos destinei para que vades e deis fruto, e para que o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo o que pedirdes a meu Pai em meu nome ele vos conceda.

17 Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros.

18 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. 

19 Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque vós não sois do mundo – antes eu vos escolhi do meio do mundo por isso o mundo vos odeia. 

20 Lembrai-vos daquela palavra que eu vos disse: ‘O servo não é maior do que seu senhor’. Se eles me perseguiram a mim, também vos hão de perseguir a vós; se eles guardaram a minha palavra, também hão de guardar a vossa. 

21 Mas tudo isto vos farão por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou. 

22 Se eu não tivesse vindo e não lhes tivesse falado, não teriam culpa, mas agora não têm desculpa do seu pecado. 

23 Aquele que me odeia, odeia também meu Pai. 

24 Se eu não tivesse feito entre eles tais obras, quais nenhum outro fez, não teriam culpa, mas agora viram-nas, e, contudo, detestaram-me a mim e a meu Pai.

25 Mas isto para se cumprir a palavra que está escrita na sua Lei: Odiaram-me sem motivo.

26 Quando, porém, vier o Paráclito, que eu vos enviarei do Pai – o Espírito de verdade, que procede do Pai – ele dará testemunho de mim, 

27 e vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio.”

Comentário Patrístico

15,22–25. Agostinho: Entre os homens, admito, pode acontecer de odiarmos ou amarmos alguém que nunca vimos, bastando que a fama o pinte como bom ou mau. Mas como podemos chamar de desconhecido alguém cuja índole nos é dada a conhecer? Não é, afinal, a visão do rosto corpóreo que nos faz conhecer alguém; só conhecemos francamente a pessoa quando sua vida e conduta já não se esquivam ao nosso conhecimento; do contrário, ninguém poderia conhecer nem a si mesmo, já que não pode ver o próprio rosto. Mas a maior parte das vezes nos enganamos nesses casos por nossa credulidade, porque com frequência a história mente, e com ainda maior frequência a fama. Compete-nos, porém, que, se não podemos revirar a consciência de um homem, ao menos dos atos mesmos tenhamos uma ideia certa e verdadeira, e que, uma vez já não errando com respeito aos atos, saibamos com reto juízo desaprovar os vícios e aprovar as virtudes; e caso nos enganemos quanto aos homens mesmos, é um erro humano e perdoável.2

Santo do dia

São Cártaco
14 de maio

Dizem que São Cártaco chegou a ter sob sua direção mais de 860 monges, que se confinavam para alimentar-se de vegetais, cultivados com as próprias mãos. Em 631 (ou 636), foi retirado de Raithin, que governara por 40 anos, pelo Rei Blathmac, e exilado para o território de Nandesi (ou Desies) em Munster. Lá, às margens de um rio, estabeleceu a fundação de um grande mosteiro e escola, que floresceu pujantemente por muitas eras. Antes da sua chegada, o local era conhecido como Magh-Sgiath, e então recebeu o nome de Dunsginne, e finalmente de Lismore, o qual permanece até hoje. S. Cártaco fundou aí a sé episcopal de Lismore, unida à de Waterford pelo Papa Urbano V em 1363, a pedido do Rei Eduardo III. A cidade de Lismore, pela reputação da santidade e dos milagres de S. Cártaco, seu primeiro bispo, foi por muito tempo considerada cidade santa, um valor que sua grande escola e mosteiro ainda ajudaram a preservar.3

Outros santos do dia: Santa Madalena de Canossa, Santa Petronila de Moncel, Os três mártires da Sardenha e São Pôncio de Roma.

Referências

  1. Devocionário a São José, página 33.[]
  2. Bíblia / tradução do Pe. Matos Soares a partir da Vulgata Clementina (1927-1932). — corr. e atual. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2023.[]
  3. Butler, Alban. Vida dos Santos, 2021, p. 214-215.[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Terça-feira da Semana VII da Páscoa. Festa de São Matias, Apóstolo.

    Oração da manhã

    “Inspirai, Senhor, as nossas ações e ajudai-nos a realizá-las, para que em Vós comece e termine tudo aquilo que fizermos. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.” 1

    Primeira leitura

    Leitura dos Atos dos Apóstolos 1,15-17.20-26

    15 Naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos irmãos (o número das pessoas ali reunidas era cerca de cento e vinte), disse: 

    16 “Meus irmãos, é necessário que se cumpra o que o Espírito Santo predisse na Escritura pela boca de Davi acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus, 

    17 ele, que estava alistado entre nós, e que teve parte neste ministério

    20 Porque está escrito no livro dos Salmos: Fique deserta a sua habitação, e não haja quem habite nela, e receba outro o seu ministério.

    21 É necessário, pois, que destes varões que têm estado juntos conosco durante todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu entre nós, 

    22 começando desde o batismo de João até o dia em que foi arrebatado dentre nós, um destes seja constituído testemunha conosco da sua ressurreição”.

    23 E apresentaram dois: José, que era chamado Barsabás, o qual tinha por sobrenome o Justo, e Matias.

    24 Depois, orando, disseram: “Tu, Senhor, que conheces os corações de todos, mostra-nos destes dois o que escolheste 

    25 para ocupar o lugar deste ministério e apostolado do qual se transviou Judas para ir ao seu lugar”.

    26 Então tiraram os seus nomes à sorte, e caiu a sorte em Matias, o qual foi associado aos onze Apóstolos.

    Salmo

    112(113),1-2.3-4.5-6.7-8 (R. cf. 8)

    R: O Senhor o coloca com os príncipes, com os príncipes do seu povo.

    1 Aleluia. Louvai o Senhor, vós, ó meninos;louvai o nome do Senhor.
    2 Seja bendito o nome do Senhor, desde agora e para sempre. R.

    3 Desde o nascer do sol até o seu ocaso, é digno de louvor o nome do Senhor.
    4 Excelso é o Senhor sobre todas as nações, e a sua glória está acima dos céus. R.

    5 Quem há como o Senhor nosso Deus, que habita nas alturas,
    6 e volta-se às criaturas humildes no céu e na terra? R.

    7 Levanta da terra o desvalido e tira da imundície o pobre,
    8 para o colocar com os príncipes, com os príncipes do seu povo. R.

    Evangelho

    João 15,9-27

    9 Como o Pai me amou, assim eu vos amei. Permanecei no meu amor.

    10 Se observardes os meus preceitos, permanecereis no meu amor, como eu observei os preceitos de meu Pai, e permaneço no seu amor.

    11 Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria seja em vós, e para que a vossa alegria seja completa.

    12 O meu preceito é este: que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei. 

    13 Ninguém tem maior amor que o daquele que dá a sua vida pelos seus amigos. 

    14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 

    15 Não mais vos chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor. Mas tenho-vos chamado amigos, porque vos dei a conhecer tudo aquilo que ouvi de meu Pai.

    16 Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi a vós, e que vos destinei para que vades e deis fruto, e para que o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo o que pedirdes a meu Pai em meu nome ele vos conceda.

    17 Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros.

    18 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. 

    19 Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque vós não sois do mundo – antes eu vos escolhi do meio do mundo por isso o mundo vos odeia. 

    20 Lembrai-vos daquela palavra que eu vos disse: ‘O servo não é maior do que seu senhor’. Se eles me perseguiram a mim, também vos hão de perseguir a vós; se eles guardaram a minha palavra, também hão de guardar a vossa. 

    21 Mas tudo isto vos farão por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou. 

    22 Se eu não tivesse vindo e não lhes tivesse falado, não teriam culpa, mas agora não têm desculpa do seu pecado. 

    23 Aquele que me odeia, odeia também meu Pai. 

    24 Se eu não tivesse feito entre eles tais obras, quais nenhum outro fez, não teriam culpa, mas agora viram-nas, e, contudo, detestaram-me a mim e a meu Pai.

    25 Mas isto para se cumprir a palavra que está escrita na sua Lei: Odiaram-me sem motivo.

    26 Quando, porém, vier o Paráclito, que eu vos enviarei do Pai – o Espírito de verdade, que procede do Pai – ele dará testemunho de mim, 

    27 e vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio.”

    Comentário Patrístico

    15,22–25. Agostinho: Entre os homens, admito, pode acontecer de odiarmos ou amarmos alguém que nunca vimos, bastando que a fama o pinte como bom ou mau. Mas como podemos chamar de desconhecido alguém cuja índole nos é dada a conhecer? Não é, afinal, a visão do rosto corpóreo que nos faz conhecer alguém; só conhecemos francamente a pessoa quando sua vida e conduta já não se esquivam ao nosso conhecimento; do contrário, ninguém poderia conhecer nem a si mesmo, já que não pode ver o próprio rosto. Mas a maior parte das vezes nos enganamos nesses casos por nossa credulidade, porque com frequência a história mente, e com ainda maior frequência a fama. Compete-nos, porém, que, se não podemos revirar a consciência de um homem, ao menos dos atos mesmos tenhamos uma ideia certa e verdadeira, e que, uma vez já não errando com respeito aos atos, saibamos com reto juízo desaprovar os vícios e aprovar as virtudes; e caso nos enganemos quanto aos homens mesmos, é um erro humano e perdoável.2

    Santo do dia

    São Cártaco
    14 de maio

    Dizem que São Cártaco chegou a ter sob sua direção mais de 860 monges, que se confinavam para alimentar-se de vegetais, cultivados com as próprias mãos. Em 631 (ou 636), foi retirado de Raithin, que governara por 40 anos, pelo Rei Blathmac, e exilado para o território de Nandesi (ou Desies) em Munster. Lá, às margens de um rio, estabeleceu a fundação de um grande mosteiro e escola, que floresceu pujantemente por muitas eras. Antes da sua chegada, o local era conhecido como Magh-Sgiath, e então recebeu o nome de Dunsginne, e finalmente de Lismore, o qual permanece até hoje. S. Cártaco fundou aí a sé episcopal de Lismore, unida à de Waterford pelo Papa Urbano V em 1363, a pedido do Rei Eduardo III. A cidade de Lismore, pela reputação da santidade e dos milagres de S. Cártaco, seu primeiro bispo, foi por muito tempo considerada cidade santa, um valor que sua grande escola e mosteiro ainda ajudaram a preservar.3

    Outros santos do dia: Santa Madalena de Canossa, Santa Petronila de Moncel, Os três mártires da Sardenha e São Pôncio de Roma.

    Referências

    1. Devocionário a São José, página 33.[]
    2. Bíblia / tradução do Pe. Matos Soares a partir da Vulgata Clementina (1927-1932). — corr. e atual. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2023.[]
    3. Butler, Alban. Vida dos Santos, 2021, p. 214-215.[]

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.