Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Santidade

Carta de uma irmã santa

Carta de uma irmã santa
Santidade

Carta de uma irmã santa

Data da Publicação: 30/09/2021
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 30/09/2021
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Por muitas vezes os relatos das vidas dos santos, cheios de coisas extraordinárias como milagres e virtudes heroicas, nos fazem esquecer de um detalhe fundamental: todos os santos tiveram família! Eram como todos nós, gente como a gente, que tinham pais, irmãos, primos e tios. Não foi diferente com a grande Santa Clara.

Sua família recebeu muito mal a notícia de sua conversão total ao modo de vida de São Francisco. Não foram poucas as ameaças, e até mesmo tentativas de sabotagem, que os familiares, pensando estar louca a filha, fizeram para que ela retornasse à sua vida pregressa. 

No entanto, passados todos os mal entendidos daquela decisão vocacional tão intensa e por vezes difícil de entender, a santa manteve ainda uma correspondência com uma irmã mais velha. Seu nome era Ermentrudes (nome exótico para nosso tempo, mas típico da Idade Média), a quem Santa Clara muito amava. 

Em seus poucos escritos que restaram sobreviveu uma carinhosa carta de Santa Clara para a irmã, que começava assim:

“A Ermentrudes, irmã caríssima, eu, Clara de Assis, humilde serva de Jesus Cristo, saúde e paz. Soube que tu, caríssima irmã, com a ajuda da graça de Deus, fugiste da lama do mundo; e muito me alegro e congratulo contigo; e de novo me alegro, porque tu com tuas filhas caminhas valorosamente pelos caminhos da virtude”.

A irmã santa comemora a decisão da irmã mais velha em se converter verdadeiramente. Nada poderia ser mais tocante para nós, que temos família, pensar na caridade daquelas irmãs. Não deveria ser assim o modo com que deveríamos nos dirigir também aos nossos? A carta, depois de muitas exortações de fidelidade ao Senhor, termina com um lembrete valioso:

“Rezemos uma pela outra (cf. Tg 5,16), pois, assim, carregando os fardos da caridade uma da outra, cumpriremos com facilidade a lei de Cristo (cf. Gl 6,2). Amém”.

Imitemos nossa Santa Clara em tudo, e também nisto!

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Por muitas vezes os relatos das vidas dos santos, cheios de coisas extraordinárias como milagres e virtudes heroicas, nos fazem esquecer de um detalhe fundamental: todos os santos tiveram família! Eram como todos nós, gente como a gente, que tinham pais, irmãos, primos e tios. Não foi diferente com a grande Santa Clara.

    Sua família recebeu muito mal a notícia de sua conversão total ao modo de vida de São Francisco. Não foram poucas as ameaças, e até mesmo tentativas de sabotagem, que os familiares, pensando estar louca a filha, fizeram para que ela retornasse à sua vida pregressa. 

    No entanto, passados todos os mal entendidos daquela decisão vocacional tão intensa e por vezes difícil de entender, a santa manteve ainda uma correspondência com uma irmã mais velha. Seu nome era Ermentrudes (nome exótico para nosso tempo, mas típico da Idade Média), a quem Santa Clara muito amava. 

    Em seus poucos escritos que restaram sobreviveu uma carinhosa carta de Santa Clara para a irmã, que começava assim:

    “A Ermentrudes, irmã caríssima, eu, Clara de Assis, humilde serva de Jesus Cristo, saúde e paz. Soube que tu, caríssima irmã, com a ajuda da graça de Deus, fugiste da lama do mundo; e muito me alegro e congratulo contigo; e de novo me alegro, porque tu com tuas filhas caminhas valorosamente pelos caminhos da virtude”.

    A irmã santa comemora a decisão da irmã mais velha em se converter verdadeiramente. Nada poderia ser mais tocante para nós, que temos família, pensar na caridade daquelas irmãs. Não deveria ser assim o modo com que deveríamos nos dirigir também aos nossos? A carta, depois de muitas exortações de fidelidade ao Senhor, termina com um lembrete valioso:

    “Rezemos uma pela outra (cf. Tg 5,16), pois, assim, carregando os fardos da caridade uma da outra, cumpriremos com facilidade a lei de Cristo (cf. Gl 6,2). Amém”.

    Imitemos nossa Santa Clara em tudo, e também nisto!

    Avatar

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.