Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Formação

Como é o céu segundo os sonhos de Dom Bosco?

Como é o céu é uma pergunta que provavelmente você já fez. Dom Bosco teve em seus sonhos algumas revelações sobre isso. Confira neste artigo!

Como é o céu segundo os sonhos de Dom Bosco?
Formação

Como é o céu segundo os sonhos de Dom Bosco?

Como é o céu é uma pergunta que provavelmente você já fez. Dom Bosco teve em seus sonhos algumas revelações sobre isso. Confira neste artigo!

Data da Publicação: 02/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 02/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Desde os tempos do Antigo Testamento, Deus se serviu de sonhos para comunicar mensagens a homens privilegiados. Um desses homens foi São João Bosco, para quem os sonhos de caráter sobrenatural foram de grande importância — inclusive revelando características de como é o céu. 

Os sonhos de Dom Bosco

De modo geral, pode-se dizer que as grandes obras da sua vida, desde a infância até a maturidade — como a fundação da Ordem Salesiana, por exemplo — lhe foram inspiradas por este meio.

Mas, inicialmente, o santo não dava importância aos seus sonhos. Ele julgava-os como frutos da sua imaginação ou, ainda, como ilusões demoníacas. 

Até que, um dia, decidiu falar sobre eles com seu diretor espiritual. Este examinou com cuidado os relatos que recebeu e chegou à conclusão de que eram, sim, comunicados de Deus — e que Ele tinha um propósito ao lhe permitir ver tais coisas. 

Nem sempre, porém, Dom Bosco recebia essas mensagens durante o sono. Por vezes, elas chegavam até ele como visões sobrenaturais, verdadeiras experiências místicas. 

E, dentre as visões que Deus lhe permitiu ter, estão as realidades últimas do homem: Céu, Inferno e Purgatório. 

Neste artigo, vamos nos ater aos relatos dele sobre o destino eterno que todos os católicos almejam alcançar: o Céu. 

5 características de como é o céu segundo os sonhos de Dom Bosco

Veja, a seguir, 5 características do Paraíso segundo a narrativa do santo: 

“Logo me pareceu estar sobre uma elevação de terreno, ou colina, à beira de uma imensa planície cujos fins a vista não alcançava, pois se perdiam na imensidão; era toda azulada como mar calmo, embora o que visse não fosse água; parecia um cristal límpido e luminoso.”

Essa planície era divida por enormes jardins de extraordinária beleza, com plantas que, embora tivessem alguma semelhança com as que conhecemos, não eram equiparáveis por qualquer coisa já vista.

Dom Bosco descreve essas plantas:

“As folhas eram de ouro; os troncos e ramos, de diamante; correspondendo todo o resto a essa riqueza. […] Seria impossível contar as diferentes espécies; e cada uma delas resplandecia com uma luz própria.”

Ainda sobre as maravilhas que admirava naquela planície, o santo acrescenta:

“[…] eu contemplava incontáveis edifícios de ordem, beleza, harmonia, magnificência e proporções tão extraordinárias que, para a construção de um só deles, me parecia que não seriam suficientes todos os tesouros da terra. […] Isto pensava eu quando só podia ver externamente os palácios. Qual não devia ser uma magnificência interior!”

Continuando seu relato, Dom Bosco diz, a respeito de uma música dulcíssima que chegou aos seus ouvidos:

“Eram cem mil instrumentos, produzindo cada qual um som diverso do outro. […] A estes, somavam-se coros de cantores. Vi então uma multidão de pessoas que se encontrava naqueles jardins e se regozijava alegre e contente. 

Ouviam-se os diversos graus da escala harmônica, desde os mais baixos até os mais agudos que se possam imaginar, mas todos em perfeita harmonia. Ah! Para descrever-vos tal harmonia não bastam comparações humanas.”

E, enquanto ouvia atentamente aquela harmonia de sons, o santo avistou à frente daquela multidão, um rosto muito familiar: era Domingos Sávio, um dos primeiros frutos da Ordem Salesiana. 

como é o céu dom bosco são domingos

Não deixe de rezar a Novena a Dom Bosco.

Ao reconhecê-lo, Dom Bosco estendeu a mão para tocar seu filho espiritual. Mas, quando o fez, viu que suas mãos pareciam aéreas e era impossível tocá-las. 

O jovem Sávio lhe disse, então

— Que loucura! Que estás fazendo?

— Temo que te vás — exclamei — Mas, não estás aqui com o teu corpo?

— Com o corpo, não. Recuperá-lo-ei no último dia.

— Mas, o que são, então, estes traços que me fazem ver em ti a figura de Domingos Sávio?

— Quando, por permissão divina, uma alma separada do corpo aparece diante de um mortal, apresenta-se com a forma exterior do corpo que em vida animou, com todas as suas feições exteriores, embora muito embelezadas, e assim as conserva até que volte a unir-se a ele, no dia do Juízo Final.”

Esse diálogo esclarece mais uma importante característica sobre o Céu: lá, não teremos um corpo físico até o dia do Juízo Universal, quando os corpos serão ressuscitados — no seu melhor estado — e se unirão novamente à sua alma. 

Ao permitir que São João Bosco contemplasse tais realidades do Céu (como também do Purgatório e do Inferno), Deus tinha um propósito. 

Esses relatos ficaram registrados e, além de serem um grande meio de formação, nos enchem de esperança e temor pelo nosso destino eterno. 

Aproveitemos bem o tempo que nos é dado neste mundo e façamos bom uso dos ensinamentos daqueles que souberam bem viver para bem morrer. 

Veja também: O que significa “Assim na terra como no céu”?

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Desde os tempos do Antigo Testamento, Deus se serviu de sonhos para comunicar mensagens a homens privilegiados. Um desses homens foi São João Bosco, para quem os sonhos de caráter sobrenatural foram de grande importância — inclusive revelando características de como é o céu. 

    Os sonhos de Dom Bosco

    De modo geral, pode-se dizer que as grandes obras da sua vida, desde a infância até a maturidade — como a fundação da Ordem Salesiana, por exemplo — lhe foram inspiradas por este meio.

    Mas, inicialmente, o santo não dava importância aos seus sonhos. Ele julgava-os como frutos da sua imaginação ou, ainda, como ilusões demoníacas. 

    Até que, um dia, decidiu falar sobre eles com seu diretor espiritual. Este examinou com cuidado os relatos que recebeu e chegou à conclusão de que eram, sim, comunicados de Deus — e que Ele tinha um propósito ao lhe permitir ver tais coisas. 

    Nem sempre, porém, Dom Bosco recebia essas mensagens durante o sono. Por vezes, elas chegavam até ele como visões sobrenaturais, verdadeiras experiências místicas. 

    E, dentre as visões que Deus lhe permitiu ter, estão as realidades últimas do homem: Céu, Inferno e Purgatório. 

    Neste artigo, vamos nos ater aos relatos dele sobre o destino eterno que todos os católicos almejam alcançar: o Céu. 

    5 características de como é o céu segundo os sonhos de Dom Bosco

    Veja, a seguir, 5 características do Paraíso segundo a narrativa do santo: 

    “Logo me pareceu estar sobre uma elevação de terreno, ou colina, à beira de uma imensa planície cujos fins a vista não alcançava, pois se perdiam na imensidão; era toda azulada como mar calmo, embora o que visse não fosse água; parecia um cristal límpido e luminoso.”

    Essa planície era divida por enormes jardins de extraordinária beleza, com plantas que, embora tivessem alguma semelhança com as que conhecemos, não eram equiparáveis por qualquer coisa já vista.

    Dom Bosco descreve essas plantas:

    “As folhas eram de ouro; os troncos e ramos, de diamante; correspondendo todo o resto a essa riqueza. […] Seria impossível contar as diferentes espécies; e cada uma delas resplandecia com uma luz própria.”

    Ainda sobre as maravilhas que admirava naquela planície, o santo acrescenta:

    “[…] eu contemplava incontáveis edifícios de ordem, beleza, harmonia, magnificência e proporções tão extraordinárias que, para a construção de um só deles, me parecia que não seriam suficientes todos os tesouros da terra. […] Isto pensava eu quando só podia ver externamente os palácios. Qual não devia ser uma magnificência interior!”

    Continuando seu relato, Dom Bosco diz, a respeito de uma música dulcíssima que chegou aos seus ouvidos:

    “Eram cem mil instrumentos, produzindo cada qual um som diverso do outro. […] A estes, somavam-se coros de cantores. Vi então uma multidão de pessoas que se encontrava naqueles jardins e se regozijava alegre e contente. 

    Ouviam-se os diversos graus da escala harmônica, desde os mais baixos até os mais agudos que se possam imaginar, mas todos em perfeita harmonia. Ah! Para descrever-vos tal harmonia não bastam comparações humanas.”

    E, enquanto ouvia atentamente aquela harmonia de sons, o santo avistou à frente daquela multidão, um rosto muito familiar: era Domingos Sávio, um dos primeiros frutos da Ordem Salesiana. 

    como é o céu dom bosco são domingos

    Não deixe de rezar a Novena a Dom Bosco.

    Ao reconhecê-lo, Dom Bosco estendeu a mão para tocar seu filho espiritual. Mas, quando o fez, viu que suas mãos pareciam aéreas e era impossível tocá-las. 

    O jovem Sávio lhe disse, então

    — Que loucura! Que estás fazendo?

    — Temo que te vás — exclamei — Mas, não estás aqui com o teu corpo?

    — Com o corpo, não. Recuperá-lo-ei no último dia.

    — Mas, o que são, então, estes traços que me fazem ver em ti a figura de Domingos Sávio?

    — Quando, por permissão divina, uma alma separada do corpo aparece diante de um mortal, apresenta-se com a forma exterior do corpo que em vida animou, com todas as suas feições exteriores, embora muito embelezadas, e assim as conserva até que volte a unir-se a ele, no dia do Juízo Final.”

    Esse diálogo esclarece mais uma importante característica sobre o Céu: lá, não teremos um corpo físico até o dia do Juízo Universal, quando os corpos serão ressuscitados — no seu melhor estado — e se unirão novamente à sua alma. 

    Ao permitir que São João Bosco contemplasse tais realidades do Céu (como também do Purgatório e do Inferno), Deus tinha um propósito. 

    Esses relatos ficaram registrados e, além de serem um grande meio de formação, nos enchem de esperança e temor pelo nosso destino eterno. 

    Aproveitemos bem o tempo que nos é dado neste mundo e façamos bom uso dos ensinamentos daqueles que souberam bem viver para bem morrer. 

    Veja também: O que significa “Assim na terra como no céu”?

    Avatar

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.