Devoção, Espiritualidade, Formação

Solenidade de Corpus Christi: Cristo vive!

Conheça mais sobre a festa que para as cidades do Brasil e do mundo: a solenidade de Corpus Christi, sua liturgia e como aumentar sua devoção.

Solenidade de Corpus Christi: Cristo vive!
Devoção, Espiritualidade, Formação

Solenidade de Corpus Christi: Cristo vive!

Conheça mais sobre a festa que para as cidades do Brasil e do mundo: a solenidade de Corpus Christi, sua liturgia e como aumentar sua devoção.

Data da Publicação: 07/06/2023
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 07/06/2023
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Conheça mais sobre a festa que para as cidades do Brasil e do mundo: a solenidade de Corpus Christi, o que é, sua liturgia e como aumentar a devoção ao Santíssimo Corpo de Cristo.

Seja numa pequena capela no interior do Brasil ou na mais imponente Basílica Romana. Dentro de cada igreja há um trono reservado ao Rei dos Reis, sacramentado na Eucaristia. Eis o mistério da fé. O Deus Todo-Poderoso se deixa ser tocado num pedaço de pão e em um pouco de vinho. Aos olhos de quem não crê, isso é uma tremenda loucura. Mas para quem enxerga o mundo sob a ótica da fé católica, é algo mais que extraordinário.

Tanto é assim, que o Santíssimo Sacramento merece uma solenidade especial. E é aí que entra a Solenidade de Corpus Christi. Vamos refletir um pouco sobre esse dia tão importante cujo preceito deve ser cumprido na quinta-feira ou na quarta-feira a partir das vésperas.

O que é a Solenidade de Corpus Christi?


A Solenidade de Corpus Christi tem por objetivo exaltar o imensurável Amor divino ao nos dar por pura misericórdia a Eucaristia. Deveria ser inato a todo fiel católico uma reverência ímpar a Jesus sacramentado. Afinal, todos somos exortados a viver a Missa pelo menos todos os Domingos e dias santos de guarda. Dizemos viver porque, se muitos católicos nem vão à Igreja, um número ainda menor tem real dimensão do que acontece na Missa. 

Todas as vezes que estamos em uma celebração ou visitamos o sacrário, devemos sair do passivo e perigoso pensamento de que ali acontece algo ordinário. Rotina não é sinônimo de ordinário. Ou seja, quem tem a rotina de viver a Missa e visitar o Santíssimo Sacramento está criando uma rotina extraordinária. 

E aí está um ponto fundamental da Solenidade de Corpus Christi. Hinos, bençãos, procissão, leituras… Toda estrutura festiva pensada para que sempre tenhamos em mente que a Eucaristia é uma dádiva que jamais conseguiremos entender, por nossa própria razão, o tamanho. 

Origens da festa do Corpo de Cristo


O que o Papa Urbano IV, Liège e Bolsena/Orvieto têm em comum? Eles estão diretamente conectados à origem da Solenidade de Corpus Christi. 

1) Liège

Nessa cidade da Bélgica havia uma mulher chamada Juliana, que na época era Priora da Abadia de Cornillon. Seria canonizada em 1599 pelo Papa Clemente VIII. Santa Juliana tinha visões da Lua com uma faixa escura que a atravessava. A Lua representava a Igreja e a faixa a ausência de uma solenidade que exaltasse o Santíssimo Sacramento. 

Santa Juliana comunicou essa visão a várias figuras do alto clero, inclusive a Jaques Pantaleão, que viria a se tornar, em 1261, o Papa Urbano IV.

2) Bolsena/Orvieto

Passava por Bolsena um sacerdote chamado Pedro de Praga que carregava uma inquietação em seu coração: não conseguia crer firmemente na presença real de Cristo na Eucaristia. Enquanto celebrava a Missa, durante o ato de consagração, a hóstia em suas mãos começou a sangrar e manchou o corporal. O Papa Urbano IV, que estava em Orvieto, tomou conhecimento do ocorrido e, profundamente comovido, decidiu instituir a Solenidade de Corpus Christi. Até hoje o corporal é preservado e reverenciado na Catedral de Orvieto. 

Não bastasse essa história maravilhosa, há a cereja do bolo. O Papa Urbano IV pediu a um certo dominicano que fizesse hinos específicos para essa solenidade. Os hinos? Tantum Ergo e Lauda Sion Salvatorem. O dominicano? Santo Tomás de Aquino. 

A liturgia da Solenidade de Corpus Christi


Começamos com a leitura do livro do Deuteronômio, na passagem em que Moisés exorta o povo dizendo que o próprio Deus os alimentou com o maná. Isso é uma clara prefiguração da Sagrada Eucaristia, da qual quem se alimenta não tem mais fome. 

Na segunda leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios já vemos como a realidade do sacramento já era firme logo nos primeiros anos da Igreja. Pois como diz São Paulo “O cálice da bênção, o cálice que abençoamos, não é comunhão com o sangue de Cristo? E o pão que partimos, não é comunhão com o corpo de Cristo? Porque há um só pão, nós todos somos um só corpo, pois todos participamos desse único pão.” 1

No Evangelho de São João, ouvimos do próprio Cristo: ‘Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo’. Interessantíssima é a indignação dos judeus que se perguntavam como isso seria possível. Ou seja, essa é uma realidade de fé que intrigava até quem a ouvia diretamente de Jesus. Ela só se torna cristalina para quem enxerga o mundo com os olhos da fé. 

Mas a riqueza desta Solenidade não se encontra somente nas leituras. O Papa João XXII publicou, no ano de 1317, o dever de levar Nosso Senhor sacramentado pelas vias públicas. É um momento único do nosso ano litúrgico, que deve ser vivido com muita piedade, entoando os hinos eucarísticos, enquanto Nosso Senhor passa pelas ruas abençoando o mundo. 

No Brasil e em Portugal, há ainda um bonito costume de ornar as ruas por onde o Santíssimo passará, com tapetes feitos de serragem e outros materiais que formam imagens relacionadas à nossa fé. O sentido é fazer uma homenagem à entrada de Jesus em Jerusalém recebido com ramos.

tapetes da procissão da solenidade de corpus christi
Tapetes de Corpus Christi em Curitiba (PR). Foto: Pedro Ribas/SMCS

Como aumentar a devoção ao Corpo de Cristo?


Precisamos fazer com que todos os dias sejam uma espécie de “solenidade particular” de Corpus Christi. Afinal, mesmo naquela missa de meio de semana, sem música e pompas, somos agraciados com o mesmo mistério. Então vão aqui algumas dicas: 

1) A Missa começa em casa. Quando você sair de sua casa, prepare seu coração para o que irá acontecer. Reze por alguns momentos entregando a Missa da qual irá participar. 

2) Ativamente, pense: Jesus ESTÁ VERDADEIRAMENTE na Eucaristia. Não deixe que essa realidade se transforme em uma mera ideia. 

3) Visite mais vezes o sacrário. Enquanto estamos correndo com nossos afazeres diários, Cristo repousa no sacrário, esperando o momento em que uma alma se toque disso e vá até Ele. Com certeza, em algum momento da semana, temos a possibilidade de entrar em uma igreja, nos ajoelhar e, em poucos minutos, conversar com Nosso Senhor. 

4) Não se distraia após a comunhão. Por alguns minutos, você se torna um sacrário vivo. Jesus bate na porta da cela do seu coração, fazendo referência a Santa Catarina de Sena. Então, entre em profundo recolhimento nesse momento. 

5) Reze a oração “Alma de Cristo”. Uma oração simples, maravilhosa e que molda a alma.

6) Participe de adorações. Alguns santuários são de adoração perpétua, mas nem todos os lugares possuem essa graça. A primeira quinta-feira do mês costuma ser dedicada à exposição e bênção solene do Santíssimo. Caso isso não ocorra na sua paróquia, converse com o Padre para tentar encaixar esse momento tão importante na rotina! 

Você já ouviu falar dos Milagres Eucarísticos? Saiba mais sobre ele neste artigo.

Referências

  1. I Cor 10,16-17[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Conheça mais sobre a festa que para as cidades do Brasil e do mundo: a solenidade de Corpus Christi, o que é, sua liturgia e como aumentar a devoção ao Santíssimo Corpo de Cristo.

    Seja numa pequena capela no interior do Brasil ou na mais imponente Basílica Romana. Dentro de cada igreja há um trono reservado ao Rei dos Reis, sacramentado na Eucaristia. Eis o mistério da fé. O Deus Todo-Poderoso se deixa ser tocado num pedaço de pão e em um pouco de vinho. Aos olhos de quem não crê, isso é uma tremenda loucura. Mas para quem enxerga o mundo sob a ótica da fé católica, é algo mais que extraordinário.

    Tanto é assim, que o Santíssimo Sacramento merece uma solenidade especial. E é aí que entra a Solenidade de Corpus Christi. Vamos refletir um pouco sobre esse dia tão importante cujo preceito deve ser cumprido na quinta-feira ou na quarta-feira a partir das vésperas.

    O que é a Solenidade de Corpus Christi?


    A Solenidade de Corpus Christi tem por objetivo exaltar o imensurável Amor divino ao nos dar por pura misericórdia a Eucaristia. Deveria ser inato a todo fiel católico uma reverência ímpar a Jesus sacramentado. Afinal, todos somos exortados a viver a Missa pelo menos todos os Domingos e dias santos de guarda. Dizemos viver porque, se muitos católicos nem vão à Igreja, um número ainda menor tem real dimensão do que acontece na Missa. 

    Todas as vezes que estamos em uma celebração ou visitamos o sacrário, devemos sair do passivo e perigoso pensamento de que ali acontece algo ordinário. Rotina não é sinônimo de ordinário. Ou seja, quem tem a rotina de viver a Missa e visitar o Santíssimo Sacramento está criando uma rotina extraordinária. 

    E aí está um ponto fundamental da Solenidade de Corpus Christi. Hinos, bençãos, procissão, leituras… Toda estrutura festiva pensada para que sempre tenhamos em mente que a Eucaristia é uma dádiva que jamais conseguiremos entender, por nossa própria razão, o tamanho. 

    Origens da festa do Corpo de Cristo


    O que o Papa Urbano IV, Liège e Bolsena/Orvieto têm em comum? Eles estão diretamente conectados à origem da Solenidade de Corpus Christi. 

    1) Liège

    Nessa cidade da Bélgica havia uma mulher chamada Juliana, que na época era Priora da Abadia de Cornillon. Seria canonizada em 1599 pelo Papa Clemente VIII. Santa Juliana tinha visões da Lua com uma faixa escura que a atravessava. A Lua representava a Igreja e a faixa a ausência de uma solenidade que exaltasse o Santíssimo Sacramento. 

    Santa Juliana comunicou essa visão a várias figuras do alto clero, inclusive a Jaques Pantaleão, que viria a se tornar, em 1261, o Papa Urbano IV.

    2) Bolsena/Orvieto

    Passava por Bolsena um sacerdote chamado Pedro de Praga que carregava uma inquietação em seu coração: não conseguia crer firmemente na presença real de Cristo na Eucaristia. Enquanto celebrava a Missa, durante o ato de consagração, a hóstia em suas mãos começou a sangrar e manchou o corporal. O Papa Urbano IV, que estava em Orvieto, tomou conhecimento do ocorrido e, profundamente comovido, decidiu instituir a Solenidade de Corpus Christi. Até hoje o corporal é preservado e reverenciado na Catedral de Orvieto. 

    Não bastasse essa história maravilhosa, há a cereja do bolo. O Papa Urbano IV pediu a um certo dominicano que fizesse hinos específicos para essa solenidade. Os hinos? Tantum Ergo e Lauda Sion Salvatorem. O dominicano? Santo Tomás de Aquino. 

    A liturgia da Solenidade de Corpus Christi


    Começamos com a leitura do livro do Deuteronômio, na passagem em que Moisés exorta o povo dizendo que o próprio Deus os alimentou com o maná. Isso é uma clara prefiguração da Sagrada Eucaristia, da qual quem se alimenta não tem mais fome. 

    Na segunda leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios já vemos como a realidade do sacramento já era firme logo nos primeiros anos da Igreja. Pois como diz São Paulo “O cálice da bênção, o cálice que abençoamos, não é comunhão com o sangue de Cristo? E o pão que partimos, não é comunhão com o corpo de Cristo? Porque há um só pão, nós todos somos um só corpo, pois todos participamos desse único pão.” 1

    No Evangelho de São João, ouvimos do próprio Cristo: ‘Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo’. Interessantíssima é a indignação dos judeus que se perguntavam como isso seria possível. Ou seja, essa é uma realidade de fé que intrigava até quem a ouvia diretamente de Jesus. Ela só se torna cristalina para quem enxerga o mundo com os olhos da fé. 

    Mas a riqueza desta Solenidade não se encontra somente nas leituras. O Papa João XXII publicou, no ano de 1317, o dever de levar Nosso Senhor sacramentado pelas vias públicas. É um momento único do nosso ano litúrgico, que deve ser vivido com muita piedade, entoando os hinos eucarísticos, enquanto Nosso Senhor passa pelas ruas abençoando o mundo. 

    No Brasil e em Portugal, há ainda um bonito costume de ornar as ruas por onde o Santíssimo passará, com tapetes feitos de serragem e outros materiais que formam imagens relacionadas à nossa fé. O sentido é fazer uma homenagem à entrada de Jesus em Jerusalém recebido com ramos.

    tapetes da procissão da solenidade de corpus christi
    Tapetes de Corpus Christi em Curitiba (PR). Foto: Pedro Ribas/SMCS

    Como aumentar a devoção ao Corpo de Cristo?


    Precisamos fazer com que todos os dias sejam uma espécie de “solenidade particular” de Corpus Christi. Afinal, mesmo naquela missa de meio de semana, sem música e pompas, somos agraciados com o mesmo mistério. Então vão aqui algumas dicas: 

    1) A Missa começa em casa. Quando você sair de sua casa, prepare seu coração para o que irá acontecer. Reze por alguns momentos entregando a Missa da qual irá participar. 

    2) Ativamente, pense: Jesus ESTÁ VERDADEIRAMENTE na Eucaristia. Não deixe que essa realidade se transforme em uma mera ideia. 

    3) Visite mais vezes o sacrário. Enquanto estamos correndo com nossos afazeres diários, Cristo repousa no sacrário, esperando o momento em que uma alma se toque disso e vá até Ele. Com certeza, em algum momento da semana, temos a possibilidade de entrar em uma igreja, nos ajoelhar e, em poucos minutos, conversar com Nosso Senhor. 

    4) Não se distraia após a comunhão. Por alguns minutos, você se torna um sacrário vivo. Jesus bate na porta da cela do seu coração, fazendo referência a Santa Catarina de Sena. Então, entre em profundo recolhimento nesse momento. 

    5) Reze a oração “Alma de Cristo”. Uma oração simples, maravilhosa e que molda a alma.

    6) Participe de adorações. Alguns santuários são de adoração perpétua, mas nem todos os lugares possuem essa graça. A primeira quinta-feira do mês costuma ser dedicada à exposição e bênção solene do Santíssimo. Caso isso não ocorra na sua paróquia, converse com o Padre para tentar encaixar esse momento tão importante na rotina! 

    Você já ouviu falar dos Milagres Eucarísticos? Saiba mais sobre ele neste artigo.

    Referências

    1. I Cor 10,16-17[]

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.