Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Devoção

A origem da devoção à Divina Misericórdia

Conheça a origem da devoção à divina Misericórdia, fortemente incentivada por São João Paulo II, e como Deus a revelou a Santa Faustina.

A origem da devoção à Divina Misericórdia
Devoção

A origem da devoção à Divina Misericórdia

Conheça a origem da devoção à divina Misericórdia, fortemente incentivada por São João Paulo II, e como Deus a revelou a Santa Faustina.

Data da Publicação: 30/10/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 30/10/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

A devoção à Divina Misericórdia tem sido cada vez mais propagada. As festas da Divina Misericórdia, incentivadas por São João Paulo II, são cada vez mais celebradas no domingo que se segue à Páscoa.

Santa Faustina e a origem Devoção à Divina Misericórdia

A história da devoção à Divina Misericórdia tem início em agosto de 1905. Na Polônia, nasce Faustina Kowalska (cujo nome de batismo é Helena), a terceira filha de uma família numerosa. 

Sua vida espiritual começou muito cedo. Segundo ela conta em seu diário, tinha 7 anos quando ouviu a voz de Deus pela primeira vez. Desde então, em várias ocasiões, sentia-se chamada à uma entrega mais profunda. 

Quando completou 18 anos, pediu aos pais que a deixassem ingressar no convento. Eles, porém, não permitiram. A recusa da família causou na jovem uma grande revolta, que passou a viver uma vida de prazeres, deixando de prestar atenção à voz da graça.

Dentre tantos momentos, um deles marcou Faustina de forma muito intensa. Durante um baile, viu o Cristo flagelado, que a questionou: “Até quando hei de ter paciência contigo e até quando tu Me desiludirás?” (Diário, 9)

Confira também: Homilia da Canonização de Santa Faustina Kowalska

Um passo na fé

Faustina decide, então, dar um passo firme em direção ao chamado de Deus.

Entra para a Congregação Mãe de Deus da Misericórdia e, em 1926 recebe o hábito e o nome de Irmã Maria Faustina do Santíssimo Sacramento

As revelações que ocorriam desde a sua infância, se tornaram ainda mais profundas nessa etapa da vida. Santa Faustina passou por todos os tipos de provação: física, moral e espiritual. E foi justamente em um destes momentos de maior dificuldade em sua vida, que o próprio Cristo revelou a ela uma mensagem importante à humanidade. 

Em de fevereiro de 1931, Jesus deu-lhe a visão Dele de pé, com a túnica entreaberta na altura do coração. Deste, saíam grandes raios, um vermelho e o outro azul. Depois, Ele ordenou que ela pintasse uma imagem de acordo com o que tinha visto e adicionasse a inscrição “Jesus, eu confio em vós”.

Logo após, deu também uma outra orientação: que essa imagem fosse bendita com solenidade no primeiro domingo após a Páscoa da Ressurreição, como a celebração da Festa da Misericórdia. 

A santa escrevia tudo em seu diário, sabendo que sua verdadeira missão apenas começaria depois da própria morte.

Não deixe de conferir: Os 5 amores de São João Paulo II

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    Redação MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    A devoção à Divina Misericórdia tem sido cada vez mais propagada. As festas da Divina Misericórdia, incentivadas por São João Paulo II, são cada vez mais celebradas no domingo que se segue à Páscoa.

    Santa Faustina e a origem Devoção à Divina Misericórdia

    A história da devoção à Divina Misericórdia tem início em agosto de 1905. Na Polônia, nasce Faustina Kowalska (cujo nome de batismo é Helena), a terceira filha de uma família numerosa. 

    Sua vida espiritual começou muito cedo. Segundo ela conta em seu diário, tinha 7 anos quando ouviu a voz de Deus pela primeira vez. Desde então, em várias ocasiões, sentia-se chamada à uma entrega mais profunda. 

    Quando completou 18 anos, pediu aos pais que a deixassem ingressar no convento. Eles, porém, não permitiram. A recusa da família causou na jovem uma grande revolta, que passou a viver uma vida de prazeres, deixando de prestar atenção à voz da graça.

    Dentre tantos momentos, um deles marcou Faustina de forma muito intensa. Durante um baile, viu o Cristo flagelado, que a questionou: “Até quando hei de ter paciência contigo e até quando tu Me desiludirás?” (Diário, 9)

    Confira também: Homilia da Canonização de Santa Faustina Kowalska

    Um passo na fé

    Faustina decide, então, dar um passo firme em direção ao chamado de Deus.

    Entra para a Congregação Mãe de Deus da Misericórdia e, em 1926 recebe o hábito e o nome de Irmã Maria Faustina do Santíssimo Sacramento

    As revelações que ocorriam desde a sua infância, se tornaram ainda mais profundas nessa etapa da vida. Santa Faustina passou por todos os tipos de provação: física, moral e espiritual. E foi justamente em um destes momentos de maior dificuldade em sua vida, que o próprio Cristo revelou a ela uma mensagem importante à humanidade. 

    Em de fevereiro de 1931, Jesus deu-lhe a visão Dele de pé, com a túnica entreaberta na altura do coração. Deste, saíam grandes raios, um vermelho e o outro azul. Depois, Ele ordenou que ela pintasse uma imagem de acordo com o que tinha visto e adicionasse a inscrição “Jesus, eu confio em vós”.

    Logo após, deu também uma outra orientação: que essa imagem fosse bendita com solenidade no primeiro domingo após a Páscoa da Ressurreição, como a celebração da Festa da Misericórdia. 

    A santa escrevia tudo em seu diário, sabendo que sua verdadeira missão apenas começaria depois da própria morte.

    Não deixe de conferir: Os 5 amores de São João Paulo II

    Avatar

    Redação MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.