Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Destaque, Formação

Como fazer uma boa confissão?

Como fazer uma boa confissão? Neste post, confira as 3 condições para receber o Sacramento que nos reconcilia com Deus.

Como fazer uma boa confissão?
Destaque, Formação

Como fazer uma boa confissão?

Como fazer uma boa confissão? Neste post, confira as 3 condições para receber o Sacramento que nos reconcilia com Deus.

Data da Publicação: 29/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 29/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC


Quando o assunto é confissão, que costuma vir à toda com a proximidade da Quaresma de 2024, ter uma postura passiva é mais comum do que imaginamos. 

Como você deve saber, é pelo Sacramento da Penitência que recebemos o perdão de Deus. Mas há algo que talvez você não tenha percebido: a Graça que nos é dada, é também consequência de um ato da nossa vontade. 

Ou seja, a “validade” da confissão depende mais do penitente do que do sacerdote, que age na pessoa de Cristo. 

Para entendermos melhor, vamos fazer uma comparação:

A Igreja diz que, para que uma Santa Missa aconteça, são necessários 3 requisitos — que chamamos de matéria: pão, vinho e um sacerdote que exerça o seu ministério de forma válida. Sem elas, não é possível celebrar o sacrifício do Corpo e Sangue de Cristo.

Já na confissão, nós somos os responsáveis por apresentar a matéria para que o Sacramento seja válido e gere os frutos esperados. E essa matéria são os nossos pecados!

Mas não é tão simples assim. Não basta chegar na frente do padre e sair despejando as nossas faltas de qualquer jeito. Existem algumas condições para realizarmos uma boa confissão, e é pelo cumprimento delas que podemos alcançar o estado de Graça. 

Veja quais são:

1ª condição para uma boa confissão: reconhecer os pecados 


Para isso, você precisa examinar sua consciência. E para saber quando os pensamentos, palavras, atos ou omissões são uma ofensa a Deus, basta ter os dez mandamentos como critério.

Uma boa dica para facilitar esse processo, é fazer um breve exame sempre antes de dormir —  e anotar os pecados. Assim, quando for procurar um sacerdote, você não precisará fazer um grande esforço de memória. 

Leia também: Como viver bem a Quaresma em 5 dicas práticas

2ª condição: arrepender-se verdadeiramente 


Esse é um ponto fundamental. Para que a confissão seja válida, é necessário que estejamos de coração contrito por ter ofendido a Deus — o que é bem diferente de sentir vergonha, culpa ou medo de condenar-se por conta das faltas cometidas.

Além disso, é preciso acusar todos os pecados graves ao sacerdote. Caso deixemos de mencionar algum deles em sã consciência, automaticamente a confissão será invalidada.

Também é importante, sempre que possível, informar o número de vezes que o pecado foi cometido e citar detalhes agravantes, caso eles existam.

Entenda os danos que o pecado causa à alma

3ª condição: fazer o firme propósito de emenda

Confessionários onde se faz uma boa confissão para quaresma


O terceiro passo complementa o segundo. De nada adianta estarmos arrependidos se não pretendemos, com toda a convicção, não voltar a cometer os mesmos pecados. É necessário criar uma verdadeira repulsa pelo que nos afasta da amizade com Deus.

Todas essas condições são matéria para uma boa confissão, e cabe a cada um de nós a responsabilidade de apresentá-las ao sacerdote que, na pessoa de Cristo, nos dará a absolvição. 

Não é à toa que Santo Afonso de Ligório diz que “se não nos salvarmos, a culpa será toda nossa”. 

Dessa forma, ele nos instala na realidade e nos adverte sobre a importância de aproveitarmos o tempo da misericórdia. 

Por isso, enquanto nos é permitido, procuremos cada confissão como se fosse a última. 

Afinal, não sabemos qual será a última oportunidade de salvar a nossa alma da condenação eterna. 

Veja também este vídeo, onde o Pe. Bruno explica, passo a passo, como fazer uma boa confissão:

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    Redação MBC


    Quando o assunto é confissão, que costuma vir à toda com a proximidade da Quaresma de 2024, ter uma postura passiva é mais comum do que imaginamos. 

    Como você deve saber, é pelo Sacramento da Penitência que recebemos o perdão de Deus. Mas há algo que talvez você não tenha percebido: a Graça que nos é dada, é também consequência de um ato da nossa vontade. 

    Ou seja, a “validade” da confissão depende mais do penitente do que do sacerdote, que age na pessoa de Cristo. 

    Para entendermos melhor, vamos fazer uma comparação:

    A Igreja diz que, para que uma Santa Missa aconteça, são necessários 3 requisitos — que chamamos de matéria: pão, vinho e um sacerdote que exerça o seu ministério de forma válida. Sem elas, não é possível celebrar o sacrifício do Corpo e Sangue de Cristo.

    Já na confissão, nós somos os responsáveis por apresentar a matéria para que o Sacramento seja válido e gere os frutos esperados. E essa matéria são os nossos pecados!

    Mas não é tão simples assim. Não basta chegar na frente do padre e sair despejando as nossas faltas de qualquer jeito. Existem algumas condições para realizarmos uma boa confissão, e é pelo cumprimento delas que podemos alcançar o estado de Graça. 

    Veja quais são:

    1ª condição para uma boa confissão: reconhecer os pecados 


    Para isso, você precisa examinar sua consciência. E para saber quando os pensamentos, palavras, atos ou omissões são uma ofensa a Deus, basta ter os dez mandamentos como critério.

    Uma boa dica para facilitar esse processo, é fazer um breve exame sempre antes de dormir —  e anotar os pecados. Assim, quando for procurar um sacerdote, você não precisará fazer um grande esforço de memória. 

    Leia também: Como viver bem a Quaresma em 5 dicas práticas

    2ª condição: arrepender-se verdadeiramente 


    Esse é um ponto fundamental. Para que a confissão seja válida, é necessário que estejamos de coração contrito por ter ofendido a Deus — o que é bem diferente de sentir vergonha, culpa ou medo de condenar-se por conta das faltas cometidas.

    Além disso, é preciso acusar todos os pecados graves ao sacerdote. Caso deixemos de mencionar algum deles em sã consciência, automaticamente a confissão será invalidada.

    Também é importante, sempre que possível, informar o número de vezes que o pecado foi cometido e citar detalhes agravantes, caso eles existam.

    Entenda os danos que o pecado causa à alma

    3ª condição: fazer o firme propósito de emenda

    Confessionários onde se faz uma boa confissão para quaresma


    O terceiro passo complementa o segundo. De nada adianta estarmos arrependidos se não pretendemos, com toda a convicção, não voltar a cometer os mesmos pecados. É necessário criar uma verdadeira repulsa pelo que nos afasta da amizade com Deus.

    Todas essas condições são matéria para uma boa confissão, e cabe a cada um de nós a responsabilidade de apresentá-las ao sacerdote que, na pessoa de Cristo, nos dará a absolvição. 

    Não é à toa que Santo Afonso de Ligório diz que “se não nos salvarmos, a culpa será toda nossa”. 

    Dessa forma, ele nos instala na realidade e nos adverte sobre a importância de aproveitarmos o tempo da misericórdia. 

    Por isso, enquanto nos é permitido, procuremos cada confissão como se fosse a última. 

    Afinal, não sabemos qual será a última oportunidade de salvar a nossa alma da condenação eterna. 

    Veja também este vídeo, onde o Pe. Bruno explica, passo a passo, como fazer uma boa confissão:

    Avatar

    Redação MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.