Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Devoção, Notícias

Guido Schäffer: médico, surfista e agora venerável 

Conheça a história do surfista e médico Guido Schäffer e saiba por que a Igreja concedeu a ele o título de Venerável.

Guido Schäffer: médico, surfista e agora venerável 
Devoção, Notícias

Guido Schäffer: médico, surfista e agora venerável 

Conheça a história do surfista e médico Guido Schäffer e saiba por que a Igreja concedeu a ele o título de Venerável.

Data da Publicação: 23/05/2023
Tempo de leitura:
Autor: MBC
Data da Publicação: 23/05/2023
Tempo de leitura:
Autor: MBC

Conheça a história do surfista e médico Guido Schäffer e saiba por que a Igreja concedeu a ele o título de Venerável.

Guido Schäffer foi um jovem que dedicou a sua vida a Cristo — especialmente servindo ao próximo — e, por isso, soube aproveitá-la da melhor forma. Surfista, médico e depois seminarista, o jovem carioca não media esforços quando se tratava de prestar serviços médicos, sobretudo aos pobres. No entanto, seu desejo ia além de cuidar do corpo, Guido queria zelar também pela alma dos que por ele passavam.

Neste artigo, você vai conhecer a história do jovem surfista que atraía para Cristo muitos ao seu redor e hoje caminha rumo aos altares.

Quem foi Guido Schäffer?


Infância e Juventude


Guido Vidal França Schäffer nasceu em Volta Redonda, Rio de Janeiro, a 22 de maio de 1974. Ele viveu com seus pais, Guido Manoel Vidal Schäffer e Maria Nazareth França Schaffer, no bairro de Copacabana. Algumas características marcantes de sua personalidade eram a simpatia e a facilidade que tinha para fazer amigos. Além disso, nota-se desde cedo o seu gosto pela praia, pelo mar e pelos esportes. 

Os pais, verdadeiros católicos, levavam Guido e seus dois irmãos, Ângela e Mauricio Schäffer, à missa todos os domingos. E  a mãe os ensinava a rezar todas as noites. O pai de Guido era médico; e a mãe, dona de casa. Para ficar mais perto dos filhos, ela os colocava para dormir e — nesse momento, especialmente — eles aprendiam a importância da oração. Uma das lembranças de Ângela, irmã de Guido, é que a mãe contava histórias e depois rezava, e Guido gostava muito de ouvi-la — sem dúvida, isso foi criando nele um amor pelas coisas de Deus. 1.

Sua infância foi a de uma criança aventureira e obediente. Frequentava a praia desde pequeno e gostava muito de exercícios e de brincadeiras ao ar livre. Quando passava as férias na casa dos avós, em Volta Redonda, aproveitava o imenso quintal para brincar de pique, subir em árvores e jogar bola. 2 Conforme foi crescendo, Guido demonstrava ainda mais interesse pelos ensinamentos e pelo exemplo de sua mãe, que não só falava muito de Deus, mas também se dedicava a Igreja em trabalhos voluntários e de evangelização. 

Dessa forma, desde a juventude, ele convidava os amigos para estar perto de Cristo — incentivando-os a fazer o Crisma, a ir à Missa e a participar do Cenáculo (Movimento Sacerdotal Mariano) que a mãe passou a realizar em casa uma vez por mês. 3

Medicina e o cuidado dos doentes


Em 1991, Guido concluiu o Ensino Médio e, em 1993, começou a cursar Medicina na Faculdade Técnica Educacional Souza Marques, do Rio de Janeiro. Seu desejo de ajudar as pessoas fez com que ele se aproximasse ainda mais da medicina. Durante a sua formação acadêmica dedicou-se também a atender pacientes com HIV, sempre buscando conhecer cada vez mais as causas da doença, a fim de reconhecê-la o quanto antes e levar os pacientes a obter maior sucesso no tratamento.

Além disso, fez residência em Clínica Médica na Santa Casa de Misericórdia, de 1991 a 2001. Movido pela ânsia de avaliar o paciente de forma completa, ele opta por ser um clínico geral. 3 O que era para Guido um desafio, sobretudo pela necessidade de ter um bom conhecimento a respeito de todas as áreas da medicina. E não bastasse isso, desejava levar também consolo para doenças da alma, de tal forma que o médico não perdia uma oportunidade de proclamar o Cristo — com palavras, cuidados ou exemplo.

Depois de rezar pedindo a Deus que o ajudasse a cuidar dos pobres, Guido conhece as irmãs da ordem fundada por Madre Teresa de Calcutá — Missionárias da Caridade — e oferece seu trabalho, a fim de atender os pobres da rua. 3 Nessa obra, torna-se mais concreto o seu desejo de zelar não só pela saúde do corpo, mas sobretudo pela da alma. Além de mais médicos da Santa Casa terem se juntado a essa missão, há relatos de curas e conversões dos moradores de rua que foram atendidos.

O seminário e um chamado maior


“Na medicina Guido testemunhava a sua fé. Vivia conforme os valores cristãos da cordialidade, temperança, caridade e justiça […]” 1 No ano em que se formaria, sentiu-se impelido por Deus a iniciar um grupo de oração da Renovação Carismática Católica (RCC). Mesmo em meio aos estudos finais, ele confia na graça de Deus e, assim, nasce o Grupo Fogo do Espírito Santo, na Paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. 

O jovem continua seu trabalho e seu apostolado junto às irmãs da caridade. E, depois de oito anos exercendo a Medicina, ao meditar o Evangelho do jovem rico, Guido tem a convicção de que Deus lhe pede algo mais: o seu diploma — “não somente a realização de um serviço, mas a sua própria vida como sacerdote.” 4 Ele ainda estava noivo, mas reconhece o chamado ao sacerdócio, passa por um tempo de discernimento e entra, enfim, para o seminário. 

Guido não era um jovem alheio ao mundo, pelo contrário, estudava, surfava e tinha o dom de cativar amigos. No Seminário, “quando alguém perguntava por ele, todos sabiam que estava junto do sacrário. Ali passava horas, no doce e íntimo diálogo com Jesus.” Além disso, ele prestava serviços médicos aos seminaristas que precisavam e se destacava nas cadeiras filosóficas e teológicas. 4 

Leia também: Isabel Cristina: quem é a mais nova Beata brasileira?

Venerável Guido Schäffer: o que isso quer dizer?


Guido deixou sua vida terrena fazendo uma das coisas de que mais gostava: surfar. Inclusive, já havia comentado com amigos e família o seu desejo de morrer no mar, se Deus lhe permitisse. O fato ocorreu no dia primeiro de maio de 2009, quando ele tinha 34 anos. Enquanto surfava, o jovem foi vítima de uma contusão na nuca, o que o fez desmaiar e morrer afogado.

bispo reza diante dos restos mortais de Guido Schäffer

Em 17 de janeiro de 2015 houve a abertura oficial do Processo de Beatificação e Canonização de Guido Schäffer e em outubro de 2017 a documentação foi enviada para o Vaticano. Depois, em novembro do mesmo ano, dá-se a abertura oficial do processo de beatificação pela Congregação da Causa dos Santos no Vaticano. Assim que se inicia o processo, o candidato recebe o título de Servo de Deus. E, para cada causa, há um postulador, isto é, alguém que irá examinar de forma minuciosa a vida do Servo de Deus.

Depois dessa etapa de investigação do processo de Guido Schäffer, o jovem surfista — e Servo de Deus — recebe então, no dia 20 de maio de 2023, o título de Venerável. Isso quer dizer que foi reconhecida a prática de virtudes heroicas no seu processo formal de canonização. Depois de ter a vida detalhadamente analisada, o Papa reconheceu — por meio de uma proclamação — que, sem dúvida, Guido viveu uma vida de virtude heróica, ou seja, praticou em grau heróico as virtudes cristãs (fé, esperança, caridade, prudência, justiça, fortaleza, temperança, pobreza, castidade, obediência, etc.) 5

Esta é uma etapa muito importante rumo a beatificação, pois, a partir de agora, não mais se investigará a vida e os atos de Guido, ele já é considerado um exemplo de cristão para os fiéis.

Como buscar a santidade na prática? Confira o que diz o Padre Lucas Folego segundo São Josemaria:

Como é o processo até alguém se tornar santo?


O reconhecimento da santidade de alguém é geralmente um processo que leva tempo. Ainda que seja um desejo da Igreja que o número de santos cresça, ela é sábia e prudente. Atualmente, não só o Papa, mas bispos podem promover uma causa de canonização. E para cada uma é atribuído um bispo postulador, ou seja, alguém destinado a investigar de forma minuciosa a vida do candidato. Tal bispo atua como um advogado, ele deverá conhecer e analisar a fama de santidade do então Servo de Deus

Essa etapa é demorada e exigente, pois verifica-se as virtudes ou o martírio do candidato. No primeiro caso, é analisada a vida do Servo de Deus, a fim de reconhecer a prática das virtudes heróicas. Já quando se trata de um mártir, analisa-se as condições que envolveram a sua morte, para comprovar se o martírio realmente aconteceu. Depois de reconhecidas pelo Papa as virtudes ou o martírio, passa-se de Servo de Deus para Venerável, isto é, a vida dele já é vista pela Igreja como um exemplo para os cristãos.

Em seguida, o processo segue para o estágio da beatificação. Nessa fase, é necessário comprovar um milagre ocorrido pela intercessão do venerável — exceto em caso de martírio. Se for um mártir, já se espera a cerimônia de beatificação, pois nesse caso o milagre é dispensado. Por fim, a última etapa é a canonização. É preciso que haja um milagre comprovado pela intercessão do beato após a beatificação. Depois disso, ele é canonizado e pode ser cultuado como Santo em todo o mundo.

Proclamar Venerável um jovem surfista é para a Igreja fonte de esperança. Que a vida e a fé do Venerável Guido Schäffer sejam para nós um modelo e desperte em nosso coração o desejo de ajudar o próximo com aquilo que podemos oferecer — nosso serviço, nosso tempo, nossa oração.

Confira o artigo completo: Como uma pessoa se torna santa?

Referências

  1. VATICAN NEWS, Guido Schäffer: um jovem que viveu o amor a Deus[][]
  2. VATICAN NEWS, Guido Schaffer: um jovem que viveu o amor a Deus[]
  3. Guido Schäffer, Sua Vida[][][]
  4. VATICAN NEWS, Guido Shäffer: testemunho de fé para a juventude[][]
  5. VATICAN NEWS, Dicastério para a Causa dos Santos[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Avatar

    MBC

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Conheça a história do surfista e médico Guido Schäffer e saiba por que a Igreja concedeu a ele o título de Venerável.

    Guido Schäffer foi um jovem que dedicou a sua vida a Cristo — especialmente servindo ao próximo — e, por isso, soube aproveitá-la da melhor forma. Surfista, médico e depois seminarista, o jovem carioca não media esforços quando se tratava de prestar serviços médicos, sobretudo aos pobres. No entanto, seu desejo ia além de cuidar do corpo, Guido queria zelar também pela alma dos que por ele passavam.

    Neste artigo, você vai conhecer a história do jovem surfista que atraía para Cristo muitos ao seu redor e hoje caminha rumo aos altares.

    Quem foi Guido Schäffer?


    Infância e Juventude


    Guido Vidal França Schäffer nasceu em Volta Redonda, Rio de Janeiro, a 22 de maio de 1974. Ele viveu com seus pais, Guido Manoel Vidal Schäffer e Maria Nazareth França Schaffer, no bairro de Copacabana. Algumas características marcantes de sua personalidade eram a simpatia e a facilidade que tinha para fazer amigos. Além disso, nota-se desde cedo o seu gosto pela praia, pelo mar e pelos esportes. 

    Os pais, verdadeiros católicos, levavam Guido e seus dois irmãos, Ângela e Mauricio Schäffer, à missa todos os domingos. E  a mãe os ensinava a rezar todas as noites. O pai de Guido era médico; e a mãe, dona de casa. Para ficar mais perto dos filhos, ela os colocava para dormir e — nesse momento, especialmente — eles aprendiam a importância da oração. Uma das lembranças de Ângela, irmã de Guido, é que a mãe contava histórias e depois rezava, e Guido gostava muito de ouvi-la — sem dúvida, isso foi criando nele um amor pelas coisas de Deus. 1.

    Sua infância foi a de uma criança aventureira e obediente. Frequentava a praia desde pequeno e gostava muito de exercícios e de brincadeiras ao ar livre. Quando passava as férias na casa dos avós, em Volta Redonda, aproveitava o imenso quintal para brincar de pique, subir em árvores e jogar bola. 2 Conforme foi crescendo, Guido demonstrava ainda mais interesse pelos ensinamentos e pelo exemplo de sua mãe, que não só falava muito de Deus, mas também se dedicava a Igreja em trabalhos voluntários e de evangelização. 

    Dessa forma, desde a juventude, ele convidava os amigos para estar perto de Cristo — incentivando-os a fazer o Crisma, a ir à Missa e a participar do Cenáculo (Movimento Sacerdotal Mariano) que a mãe passou a realizar em casa uma vez por mês. 3

    Medicina e o cuidado dos doentes


    Em 1991, Guido concluiu o Ensino Médio e, em 1993, começou a cursar Medicina na Faculdade Técnica Educacional Souza Marques, do Rio de Janeiro. Seu desejo de ajudar as pessoas fez com que ele se aproximasse ainda mais da medicina. Durante a sua formação acadêmica dedicou-se também a atender pacientes com HIV, sempre buscando conhecer cada vez mais as causas da doença, a fim de reconhecê-la o quanto antes e levar os pacientes a obter maior sucesso no tratamento.

    Além disso, fez residência em Clínica Médica na Santa Casa de Misericórdia, de 1991 a 2001. Movido pela ânsia de avaliar o paciente de forma completa, ele opta por ser um clínico geral. 3 O que era para Guido um desafio, sobretudo pela necessidade de ter um bom conhecimento a respeito de todas as áreas da medicina. E não bastasse isso, desejava levar também consolo para doenças da alma, de tal forma que o médico não perdia uma oportunidade de proclamar o Cristo — com palavras, cuidados ou exemplo.

    Depois de rezar pedindo a Deus que o ajudasse a cuidar dos pobres, Guido conhece as irmãs da ordem fundada por Madre Teresa de Calcutá — Missionárias da Caridade — e oferece seu trabalho, a fim de atender os pobres da rua. 3 Nessa obra, torna-se mais concreto o seu desejo de zelar não só pela saúde do corpo, mas sobretudo pela da alma. Além de mais médicos da Santa Casa terem se juntado a essa missão, há relatos de curas e conversões dos moradores de rua que foram atendidos.

    O seminário e um chamado maior


    “Na medicina Guido testemunhava a sua fé. Vivia conforme os valores cristãos da cordialidade, temperança, caridade e justiça […]” 1 No ano em que se formaria, sentiu-se impelido por Deus a iniciar um grupo de oração da Renovação Carismática Católica (RCC). Mesmo em meio aos estudos finais, ele confia na graça de Deus e, assim, nasce o Grupo Fogo do Espírito Santo, na Paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Ipanema. 

    O jovem continua seu trabalho e seu apostolado junto às irmãs da caridade. E, depois de oito anos exercendo a Medicina, ao meditar o Evangelho do jovem rico, Guido tem a convicção de que Deus lhe pede algo mais: o seu diploma — “não somente a realização de um serviço, mas a sua própria vida como sacerdote.” 4 Ele ainda estava noivo, mas reconhece o chamado ao sacerdócio, passa por um tempo de discernimento e entra, enfim, para o seminário. 

    Guido não era um jovem alheio ao mundo, pelo contrário, estudava, surfava e tinha o dom de cativar amigos. No Seminário, “quando alguém perguntava por ele, todos sabiam que estava junto do sacrário. Ali passava horas, no doce e íntimo diálogo com Jesus.” Além disso, ele prestava serviços médicos aos seminaristas que precisavam e se destacava nas cadeiras filosóficas e teológicas. 4 

    Leia também: Isabel Cristina: quem é a mais nova Beata brasileira?

    Venerável Guido Schäffer: o que isso quer dizer?


    Guido deixou sua vida terrena fazendo uma das coisas de que mais gostava: surfar. Inclusive, já havia comentado com amigos e família o seu desejo de morrer no mar, se Deus lhe permitisse. O fato ocorreu no dia primeiro de maio de 2009, quando ele tinha 34 anos. Enquanto surfava, o jovem foi vítima de uma contusão na nuca, o que o fez desmaiar e morrer afogado.

    bispo reza diante dos restos mortais de Guido Schäffer

    Em 17 de janeiro de 2015 houve a abertura oficial do Processo de Beatificação e Canonização de Guido Schäffer e em outubro de 2017 a documentação foi enviada para o Vaticano. Depois, em novembro do mesmo ano, dá-se a abertura oficial do processo de beatificação pela Congregação da Causa dos Santos no Vaticano. Assim que se inicia o processo, o candidato recebe o título de Servo de Deus. E, para cada causa, há um postulador, isto é, alguém que irá examinar de forma minuciosa a vida do Servo de Deus.

    Depois dessa etapa de investigação do processo de Guido Schäffer, o jovem surfista — e Servo de Deus — recebe então, no dia 20 de maio de 2023, o título de Venerável. Isso quer dizer que foi reconhecida a prática de virtudes heroicas no seu processo formal de canonização. Depois de ter a vida detalhadamente analisada, o Papa reconheceu — por meio de uma proclamação — que, sem dúvida, Guido viveu uma vida de virtude heróica, ou seja, praticou em grau heróico as virtudes cristãs (fé, esperança, caridade, prudência, justiça, fortaleza, temperança, pobreza, castidade, obediência, etc.) 5

    Esta é uma etapa muito importante rumo a beatificação, pois, a partir de agora, não mais se investigará a vida e os atos de Guido, ele já é considerado um exemplo de cristão para os fiéis.

    Como buscar a santidade na prática? Confira o que diz o Padre Lucas Folego segundo São Josemaria:

    Como é o processo até alguém se tornar santo?


    O reconhecimento da santidade de alguém é geralmente um processo que leva tempo. Ainda que seja um desejo da Igreja que o número de santos cresça, ela é sábia e prudente. Atualmente, não só o Papa, mas bispos podem promover uma causa de canonização. E para cada uma é atribuído um bispo postulador, ou seja, alguém destinado a investigar de forma minuciosa a vida do candidato. Tal bispo atua como um advogado, ele deverá conhecer e analisar a fama de santidade do então Servo de Deus

    Essa etapa é demorada e exigente, pois verifica-se as virtudes ou o martírio do candidato. No primeiro caso, é analisada a vida do Servo de Deus, a fim de reconhecer a prática das virtudes heróicas. Já quando se trata de um mártir, analisa-se as condições que envolveram a sua morte, para comprovar se o martírio realmente aconteceu. Depois de reconhecidas pelo Papa as virtudes ou o martírio, passa-se de Servo de Deus para Venerável, isto é, a vida dele já é vista pela Igreja como um exemplo para os cristãos.

    Em seguida, o processo segue para o estágio da beatificação. Nessa fase, é necessário comprovar um milagre ocorrido pela intercessão do venerável — exceto em caso de martírio. Se for um mártir, já se espera a cerimônia de beatificação, pois nesse caso o milagre é dispensado. Por fim, a última etapa é a canonização. É preciso que haja um milagre comprovado pela intercessão do beato após a beatificação. Depois disso, ele é canonizado e pode ser cultuado como Santo em todo o mundo.

    Proclamar Venerável um jovem surfista é para a Igreja fonte de esperança. Que a vida e a fé do Venerável Guido Schäffer sejam para nós um modelo e desperte em nosso coração o desejo de ajudar o próximo com aquilo que podemos oferecer — nosso serviço, nosso tempo, nossa oração.

    Confira o artigo completo: Como uma pessoa se torna santa?

    Referências

    1. VATICAN NEWS, Guido Schäffer: um jovem que viveu o amor a Deus[][]
    2. VATICAN NEWS, Guido Schaffer: um jovem que viveu o amor a Deus[]
    3. Guido Schäffer, Sua Vida[][][]
    4. VATICAN NEWS, Guido Shäffer: testemunho de fé para a juventude[][]
    5. VATICAN NEWS, Dicastério para a Causa dos Santos[]
    Avatar

    MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.