Formação

Festa de Cristo Rei

Conheça a festa de Cristo Rei, a solenidade que encerra o ano litúrgico e nos convida a meditar sobre a realiza de Cristo.

Festa de Cristo Rei
Formação

Festa de Cristo Rei

Conheça a festa de Cristo Rei, a solenidade que encerra o ano litúrgico e nos convida a meditar sobre a realiza de Cristo.

Data da Publicação: 24/11/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 24/11/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

Jesus é Deus, é o Salvador, é o Verbo Encarnado… Podemos dizer tanto sobre Nosso Senhor que não haveria tempo nem palavras suficientes. Mas hoje vamos ressaltar uma grande homenagem: Jesus Cristo, Rei do Universo. Em um primeiro momento pode parecer “demais” para Jesus, manso e humilde de coração. Mas a realeza por si só não é sinal de soberba. Jesus reina nos corações, reina sobre todas as criaturas e reina sobre as inteligências humanas. 

Vamos aqui refletir um pouco sobre a realeza de Jesus, aprendendo mais sobre a magnífica Festa de Cristo Rei. 

cristo rei

O que é a Festa de Cristo Rei?

O Papa Pio XI teve uma percepção magnífica sobre instituir uma festa, ao dizer que “as festas têm maior eficácia do que qualquer documento do magistério eclesiástico, por captar a atenção de todos, não só uma vez, mas o ano inteiro, atingem não só o espírito, mas também os corações”. Por isso, a Festa de Cristo Rei nada mais é que um dia definido no calendário litúrgico para que recordemos especificamente da realeza de Jesus sobre todo o Universo.  

Quando a Festa de Cristo Rei é celebrada?

A Festa de Cristo Rei é celebrada no último domingo do ano. Mas não estamos falando do final do mês de dezembro! Estamos falando do último domingo do ano litúrgico. O ano litúrgico se inicia com o tempo do advento e termina com a Festa de Cristo Rei. Isso significa que a celebração dessa festa cai no final de novembro, logo antes do início do Advento do ano seguinte. 

Leia mais em: Calendários litúrgico e civil: por que são diferentes?

A Festa de Cristo Rei na Bíblia

Nossa fé é centrada no Cristo! Então, quando pensamos na Bíblia e suas divisões do Antigo e do Novo Testamento, o que vemos é que ela está repleta de referências à realeza de Jesus. E isso ocorre de maneira profética no Antigo e confirmada pela vinda de Nosso Senhor no Novo Testamento. 

No Antigo Testamento, as profecias proclamam a vinda do Rei, o Messias, que governará com justiça e paz. As Escrituras pintam um retrato majestoso do reinado futuro de Cristo. As promessas incluem um reino sem fronteiras, estendendo-se desde o rio até os confins da Terra, com justiça e paz em abundância.

No Novo Testamento, estas profecias encontram sua realização em Jesus Cristo, proclamado como Rei pelos anjos e confirmado por Ele mesmo. São Gabriel Arcanjo anuncia a Maria que seu Filho receberá “o trono de Davi” e reinará eternamente. Jesus, durante Sua vida e após Sua ressurreição, afirma repetidamente Sua realeza e poder, declarando que “todo poder Lhe foi dado no Céu e sobre a Terra.” São João confirma isso, chamando Jesus de “Príncipe dos reis da terra” e “Rei dos reis e Senhor dos senhores.” 

Fundamento teológico

O Papa Pio XI, na Encíclica Quas Primas1, destaca que Nosso Senhor nos governa em virtude de Sua essência e natureza. Esse poder emana da união hipostática (que é a ideia de que suas naturezas divina e humana são completas e unidas). Além disso, Cristo é nosso Rei não apenas por direito natural, mas também como Redentor. Afinal, Jesus nos resgatou da perdição por um preço inestimável: sua própria vida. Dessa maneira, trazemos luz ao termo rei, ao entender que é uma graça imensa ser súdito de um rei que se entregou por cada um de nós. 

Em resumo: Jesus é Rei tanto por sua natureza divina quanto por seu papel redentor da humanidade. Para sempre seja louvado! 

Universalidade da realeza de Cristo

O Juízo Final, Hans Memling, símbolo de cristo rei da história.
O Juízo Final, Hans Memling

A realeza de nosso Redentor abrange a totalidade dos seres humanos, como destacado pelo Papa Leão XIII, não se limitando às nações católicas ou aos cristãos batizados. O império de Cristo se estende a todos, incluindo aqueles alheios à fé cristã. Essa autoridade de Cristo não faz distinção entre indivíduos, famílias ou estados, sendo aplicável tanto na vida coletiva quanto na individual. Cristo é a única fonte de salvação para nações e indivíduos, e negar Sua soberania é recusar homenagens públicas de respeito e submissão. É de grande exemplo o que a Polônia fez em 2016, reconhecendo o reinado de Cristo sobre todo o mundo ao entronizá-Lo como rei do país. 

Devemos estimular essas ações por todo o mundo. É uma forma de retribuir tamanha bondade de Jesus conosco, súditos tão falhos.  

O que a Festa de Cristo Rei nos ensina?

Afinal, o que a Festa de Cristo Rei nos ensina? 

  1. Primeiramente, nos faz reconhecer que a Jesus foi dado todo poder no Céu e na Terra. E isso é uma lição de obediência, submissão e humildade. 
  2. Segundo, essa solenidade é importante para que recordemos que Jesus é rei, tanto quando olha por nós acima de todas as criaturas e acima de todo universo, quanto é o rei cujo trono é a cruz. E refletir sobre realidades tão extremas é refletir sobre a grandiosidade da Salvação.
  3. Por fim, ao meditar essa realidade, temos a oportunidade de começar o ano litúrgico com Jesus reinando em nossos corações. 

Viva Cristo Rei!

Referências

  1. ENCÍCLICA QUAS PRIMAS, Papa Pio XI, 11 de Dezembro de 1925[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação MBC

    Garanta seu box

    Jesus é Deus, é o Salvador, é o Verbo Encarnado… Podemos dizer tanto sobre Nosso Senhor que não haveria tempo nem palavras suficientes. Mas hoje vamos ressaltar uma grande homenagem: Jesus Cristo, Rei do Universo. Em um primeiro momento pode parecer “demais” para Jesus, manso e humilde de coração. Mas a realeza por si só não é sinal de soberba. Jesus reina nos corações, reina sobre todas as criaturas e reina sobre as inteligências humanas. 

    Vamos aqui refletir um pouco sobre a realeza de Jesus, aprendendo mais sobre a magnífica Festa de Cristo Rei. 

    cristo rei

    O que é a Festa de Cristo Rei?

    O Papa Pio XI teve uma percepção magnífica sobre instituir uma festa, ao dizer que “as festas têm maior eficácia do que qualquer documento do magistério eclesiástico, por captar a atenção de todos, não só uma vez, mas o ano inteiro, atingem não só o espírito, mas também os corações”. Por isso, a Festa de Cristo Rei nada mais é que um dia definido no calendário litúrgico para que recordemos especificamente da realeza de Jesus sobre todo o Universo.  

    Quando a Festa de Cristo Rei é celebrada?

    A Festa de Cristo Rei é celebrada no último domingo do ano. Mas não estamos falando do final do mês de dezembro! Estamos falando do último domingo do ano litúrgico. O ano litúrgico se inicia com o tempo do advento e termina com a Festa de Cristo Rei. Isso significa que a celebração dessa festa cai no final de novembro, logo antes do início do Advento do ano seguinte. 

    Leia mais em: Calendários litúrgico e civil: por que são diferentes?

    A Festa de Cristo Rei na Bíblia

    Nossa fé é centrada no Cristo! Então, quando pensamos na Bíblia e suas divisões do Antigo e do Novo Testamento, o que vemos é que ela está repleta de referências à realeza de Jesus. E isso ocorre de maneira profética no Antigo e confirmada pela vinda de Nosso Senhor no Novo Testamento. 

    No Antigo Testamento, as profecias proclamam a vinda do Rei, o Messias, que governará com justiça e paz. As Escrituras pintam um retrato majestoso do reinado futuro de Cristo. As promessas incluem um reino sem fronteiras, estendendo-se desde o rio até os confins da Terra, com justiça e paz em abundância.

    No Novo Testamento, estas profecias encontram sua realização em Jesus Cristo, proclamado como Rei pelos anjos e confirmado por Ele mesmo. São Gabriel Arcanjo anuncia a Maria que seu Filho receberá “o trono de Davi” e reinará eternamente. Jesus, durante Sua vida e após Sua ressurreição, afirma repetidamente Sua realeza e poder, declarando que “todo poder Lhe foi dado no Céu e sobre a Terra.” São João confirma isso, chamando Jesus de “Príncipe dos reis da terra” e “Rei dos reis e Senhor dos senhores.” 

    Fundamento teológico

    O Papa Pio XI, na Encíclica Quas Primas1, destaca que Nosso Senhor nos governa em virtude de Sua essência e natureza. Esse poder emana da união hipostática (que é a ideia de que suas naturezas divina e humana são completas e unidas). Além disso, Cristo é nosso Rei não apenas por direito natural, mas também como Redentor. Afinal, Jesus nos resgatou da perdição por um preço inestimável: sua própria vida. Dessa maneira, trazemos luz ao termo rei, ao entender que é uma graça imensa ser súdito de um rei que se entregou por cada um de nós. 

    Em resumo: Jesus é Rei tanto por sua natureza divina quanto por seu papel redentor da humanidade. Para sempre seja louvado! 

    Universalidade da realeza de Cristo

    O Juízo Final, Hans Memling, símbolo de cristo rei da história.
    O Juízo Final, Hans Memling

    A realeza de nosso Redentor abrange a totalidade dos seres humanos, como destacado pelo Papa Leão XIII, não se limitando às nações católicas ou aos cristãos batizados. O império de Cristo se estende a todos, incluindo aqueles alheios à fé cristã. Essa autoridade de Cristo não faz distinção entre indivíduos, famílias ou estados, sendo aplicável tanto na vida coletiva quanto na individual. Cristo é a única fonte de salvação para nações e indivíduos, e negar Sua soberania é recusar homenagens públicas de respeito e submissão. É de grande exemplo o que a Polônia fez em 2016, reconhecendo o reinado de Cristo sobre todo o mundo ao entronizá-Lo como rei do país. 

    Devemos estimular essas ações por todo o mundo. É uma forma de retribuir tamanha bondade de Jesus conosco, súditos tão falhos.  

    O que a Festa de Cristo Rei nos ensina?

    Afinal, o que a Festa de Cristo Rei nos ensina? 

    1. Primeiramente, nos faz reconhecer que a Jesus foi dado todo poder no Céu e na Terra. E isso é uma lição de obediência, submissão e humildade. 
    2. Segundo, essa solenidade é importante para que recordemos que Jesus é rei, tanto quando olha por nós acima de todas as criaturas e acima de todo universo, quanto é o rei cujo trono é a cruz. E refletir sobre realidades tão extremas é refletir sobre a grandiosidade da Salvação.
    3. Por fim, ao meditar essa realidade, temos a oportunidade de começar o ano litúrgico com Jesus reinando em nossos corações. 

    Viva Cristo Rei!

    Referências

    1. ENCÍCLICA QUAS PRIMAS, Papa Pio XI, 11 de Dezembro de 1925[]

    Redação MBC

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.