Devido à tragédia climática no RS, os prazos de entrega poderão ser afetados.
Formação

Não desejar a mulher do próximo: o 9º mandamento

Saiba o que a Igreja ensina sobre o nono mandamento, não desejar a mulher do próximo, e como ele aparece na Bíblia e na tradição.

Não desejar a mulher do próximo: o 9º mandamento
Formação

Não desejar a mulher do próximo: o 9º mandamento

Saiba o que a Igreja ensina sobre o nono mandamento, não desejar a mulher do próximo, e como ele aparece na Bíblia e na tradição.

Data da Publicação: 25/09/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 25/09/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

O nono mandamento vai além da proibição do ato de desejar os bens do próximo. Ele nos convida a refletir sobre a concupiscência, a forte inclinação do desejo humano e sua relação com a moralidade. “Não desejar a mulher do próximo” nos faz lembrar da luta entre o “espírito” e a “carne” que existe dentro de cada um de nós — uma tensão que faz parte da experiência humana.

Sendo assim, para compreender de forma mais ampla o nono mandamento e seu significado na tradição católica, convidamos você a ler este artigo completo. Por fim, abordaremos também a visão de Santo Tomás de Aquino sobre este tema nas suas catequeses.

Os 10 mandamentos

Os 10 mandamentos são princípios divinos que não apenas orientam o comportamento humano na terra, mas também apontam para o verdadeiro Bem na eternidade. O Decálogo está, na verdade, gravado em nossos corações, porém o pecado obscurece a nossa capacidade de acessá-los por meio da razão.

Sendo assim, Deus também os deixou registrados em tábuas de pedra, conhecidas como Tábuas da Aliança, conforme narrado nos livros do Êxodo e do Deuteronômio. Essa representação física nos oferece uma compreensão mais tangível da vontade de Deus, ajudando-nos a discernir as ações necessárias para vivermos uma vida livre do domínio do pecado.

Conheça os 10 mandamentos desde a sua origem.

Não desejar a mulher do próximo nas Escrituras

O mandamento “Não desejar a mulher do próximo” é uma instrução moral fundamental deixada por Deus nas Tábuas da Lei. Por isso, podemos encontrá-la nos livros do Êxodo e do Deuteronômio.

Na versão do Êxodo, lemos “Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo […]” 1 Esta é parte dos Dez Mandamentos dados a Moisés no Monte Sinai.

No Deuteronômio, encontramos uma formulação semelhante: “Não cobiçarás a mulher do teu próximo […]” 2 Nesta versão, o mandamento é reiterado como parte da reafirmação da Lei, mas agora no contexto que antecede a entrada na Terra Prometida.

Quanto ao Novo Testamento, o ensinamento de Jesus expande a compreensão desse mandamento. No Evangelho de Mateus, Jesus diz: “Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério.’ Mas eu vos digo que qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no seu coração, já cometeu adultério com ela.” 3 Aqui, Jesus enfatiza que o desejo impuro também é uma transgressão do mandamento, mostrando a importância de cuidar não apenas das ações externas, mas também das intenções do coração.

Desse modo, Cristo dá sentido pleno à Lei. Ele enfatiza a importância da pureza de coração e do respeito com relacionamentos alheios — valores que ecoam ao longo das Escrituras

O que a Igreja ensina sobre Não desejar a mulher do próximo

A purificação do coração

A Igreja ensina que o mandamento “Não desejar a mulher do próximo” vai além da mera proibição de um ato físico. Ele também exige a purificação do coração e a prática da temperança. 4 O coração é reconhecido como a sede da personalidade moral e é dele que procedem as más intenções e desejos impuros. 4

A sexta bem-aventurança, proclamada por Jesus, afirma que os “puros de coração” serão abençoados por ver a Deus. 5 Ser puro de coração significa alinhar nossa inteligência e vontade com as exigências da santidade de Deus, sobretudo no que diz respeito à caridade, castidade e fé. 5 A pureza do coração está intrinsecamente ligada à castidade ou retidão sexual, bem como à caridade e à conformidade da fé. 5

Crer nos artigos do Credo é fundamental, pois a fé leva à obediência a Deus, que, por sua vez, conduz a uma vida purificada. 5 A pureza do coração capacita os fiéis a compreenderem mais profundamente aquilo em que creem. 5 Desse modo, percebemos que há uma conexão entre a pureza do coração, do corpo e da fé.

Aos “puros de coração,” é prometido o privilégio de ver a Deus face a face e tornarem-se semelhantes a Ele. 6. A pureza do coração é, portanto, uma condição prévia para essa visão. 6 Além disso, tal pureza nos permite ver os outros como próximos, além aceitar e respeitar o corpo humano como um templo do Espírito Santo e uma manifestação da beleza divina. 6

O combate pela pureza

A Igreja ensina que o mandamento “Não desejar a mulher do próximo” requer um contínuo combate pela pureza, mesmo após o Batismo, que concede a graça da purificação dos pecados. 7 Este combate inclui a virtude da castidade, que possibilita amar com um coração íntegro e sem divisões. Além disso, exige a pureza de intenção, que nos orienta a buscar a vontade de Deus em todas as coisas. 7

A pureza do olhar, tanto externa quanto internamente, é fundamental. Ela envolve a disciplina dos sentidos e da imaginação, bem como a rejeição de pensamentos impuros que nos afastariam dos mandamentos divinos. 7 Além disso, a oração desempenha um papel fundamental nessa luta, reconhecendo que a continência depende da graça de Deus. 7

O pudor também é parte integrante da temperança e preserva a dignidade pessoal, orientando nossos olhares e atitudes. Ele protege o mistério da pessoa e do amor, promovendo a moderação e a paciência nas relações amorosas. 8

Ademais, a pureza cristã exige uma purificação do ambiente social e uma educação respeitosa da verdade e da dignidade humana, combatendo a permissividade dos costumes. A boa nova de Cristo renova constantemente a moralidade e a cultura, purificando e elevando a humanidade em sua caminhada de fé rumo à eternidade. 9

Santo Tomás de Aquino sobre o mandamento Não desejar a mulher do próximo

Santo Tomás de Aquino aborda o nono mandamento, “Não desejar a mulher do próximo,” de maneira profunda. Ele diferencia a lei divina da lei mundana, observando que a primeira julga não apenas atos e palavras, mas também pensamentos, pois vem de Deus, que vê não somente o exterior, mas o interior.

Santo Tomás explica que a vontade de Deus é que não apenas evitemos roubar os bens do próximo, mas também não desejemos esses bens. Ele argumenta que a concupiscência é infinita, e o desejo constante por mais bens é inquietante e insaciável.

Além disso, destaca que o desejo desordenado dos bens alheios diminui a tranquilidade, torna as riquezas inúteis, perverte a justiça, mata a caridade e é a causa de muitos males, incluindo homicídios e furtos. Santo Tomás enfatiza, por fim, que a avareza é um pecado mortal quando desejamos os bens do próximo sem razão.

Leia mais sobre a vida e o legado de Santo Tomás.

Como se aprofundar no estudo dos 10 Mandamentos?

Se você se interessou pelo tema dos 10 Mandamentos e gostaria de se aprofundar nele, Santo Tomás de Aquino deu algumas catequeses sobre cada um dos mandamentos. A obra Catequeses de Santo Tomás reúne não só essas catequeses, como também sermões do santo sobre o Pai Nosso, a Ave Maria, os Sacramentos e o Credo. Para saber como adquirir essa obra, acesse: Catequeses de Santo Tomás.

Referências

  1. Ex 20, 17a[]
  2. Dt 5, 21a[]
  3. Mt, 5, 27-28[]
  4. CIC, 2517[][]
  5. CIC, 2518[][][][][]
  6. CIC, 2519[][][]
  7. CIC, 2520[][][][]
  8. CIC, 2521[]
  9. CIC, 2525-2527[]
Avatar

Redação MBC

O nono mandamento vai além da proibição do ato de desejar os bens do próximo. Ele nos convida a refletir sobre a concupiscência, a forte inclinação do desejo humano e sua relação com a moralidade. “Não desejar a mulher do próximo” nos faz lembrar da luta entre o “espírito” e a “carne” que existe dentro de cada um de nós — uma tensão que faz parte da experiência humana.

Sendo assim, para compreender de forma mais ampla o nono mandamento e seu significado na tradição católica, convidamos você a ler este artigo completo. Por fim, abordaremos também a visão de Santo Tomás de Aquino sobre este tema nas suas catequeses.

Os 10 mandamentos

Os 10 mandamentos são princípios divinos que não apenas orientam o comportamento humano na terra, mas também apontam para o verdadeiro Bem na eternidade. O Decálogo está, na verdade, gravado em nossos corações, porém o pecado obscurece a nossa capacidade de acessá-los por meio da razão.

Sendo assim, Deus também os deixou registrados em tábuas de pedra, conhecidas como Tábuas da Aliança, conforme narrado nos livros do Êxodo e do Deuteronômio. Essa representação física nos oferece uma compreensão mais tangível da vontade de Deus, ajudando-nos a discernir as ações necessárias para vivermos uma vida livre do domínio do pecado.

Conheça os 10 mandamentos desde a sua origem.

Não desejar a mulher do próximo nas Escrituras

O mandamento “Não desejar a mulher do próximo” é uma instrução moral fundamental deixada por Deus nas Tábuas da Lei. Por isso, podemos encontrá-la nos livros do Êxodo e do Deuteronômio.

Na versão do Êxodo, lemos “Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo […]” 1 Esta é parte dos Dez Mandamentos dados a Moisés no Monte Sinai.

No Deuteronômio, encontramos uma formulação semelhante: “Não cobiçarás a mulher do teu próximo […]” 2 Nesta versão, o mandamento é reiterado como parte da reafirmação da Lei, mas agora no contexto que antecede a entrada na Terra Prometida.

Quanto ao Novo Testamento, o ensinamento de Jesus expande a compreensão desse mandamento. No Evangelho de Mateus, Jesus diz: “Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério.’ Mas eu vos digo que qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no seu coração, já cometeu adultério com ela.” 3 Aqui, Jesus enfatiza que o desejo impuro também é uma transgressão do mandamento, mostrando a importância de cuidar não apenas das ações externas, mas também das intenções do coração.

Desse modo, Cristo dá sentido pleno à Lei. Ele enfatiza a importância da pureza de coração e do respeito com relacionamentos alheios — valores que ecoam ao longo das Escrituras

O que a Igreja ensina sobre Não desejar a mulher do próximo

A purificação do coração

A Igreja ensina que o mandamento “Não desejar a mulher do próximo” vai além da mera proibição de um ato físico. Ele também exige a purificação do coração e a prática da temperança. 4 O coração é reconhecido como a sede da personalidade moral e é dele que procedem as más intenções e desejos impuros. 4

A sexta bem-aventurança, proclamada por Jesus, afirma que os “puros de coração” serão abençoados por ver a Deus. 5 Ser puro de coração significa alinhar nossa inteligência e vontade com as exigências da santidade de Deus, sobretudo no que diz respeito à caridade, castidade e fé. 5 A pureza do coração está intrinsecamente ligada à castidade ou retidão sexual, bem como à caridade e à conformidade da fé. 5

Crer nos artigos do Credo é fundamental, pois a fé leva à obediência a Deus, que, por sua vez, conduz a uma vida purificada. 5 A pureza do coração capacita os fiéis a compreenderem mais profundamente aquilo em que creem. 5 Desse modo, percebemos que há uma conexão entre a pureza do coração, do corpo e da fé.

Aos “puros de coração,” é prometido o privilégio de ver a Deus face a face e tornarem-se semelhantes a Ele. 6. A pureza do coração é, portanto, uma condição prévia para essa visão. 6 Além disso, tal pureza nos permite ver os outros como próximos, além aceitar e respeitar o corpo humano como um templo do Espírito Santo e uma manifestação da beleza divina. 6

O combate pela pureza

A Igreja ensina que o mandamento “Não desejar a mulher do próximo” requer um contínuo combate pela pureza, mesmo após o Batismo, que concede a graça da purificação dos pecados. 7 Este combate inclui a virtude da castidade, que possibilita amar com um coração íntegro e sem divisões. Além disso, exige a pureza de intenção, que nos orienta a buscar a vontade de Deus em todas as coisas. 7

A pureza do olhar, tanto externa quanto internamente, é fundamental. Ela envolve a disciplina dos sentidos e da imaginação, bem como a rejeição de pensamentos impuros que nos afastariam dos mandamentos divinos. 7 Além disso, a oração desempenha um papel fundamental nessa luta, reconhecendo que a continência depende da graça de Deus. 7

O pudor também é parte integrante da temperança e preserva a dignidade pessoal, orientando nossos olhares e atitudes. Ele protege o mistério da pessoa e do amor, promovendo a moderação e a paciência nas relações amorosas. 8

Ademais, a pureza cristã exige uma purificação do ambiente social e uma educação respeitosa da verdade e da dignidade humana, combatendo a permissividade dos costumes. A boa nova de Cristo renova constantemente a moralidade e a cultura, purificando e elevando a humanidade em sua caminhada de fé rumo à eternidade. 9

Santo Tomás de Aquino sobre o mandamento Não desejar a mulher do próximo

Santo Tomás de Aquino aborda o nono mandamento, “Não desejar a mulher do próximo,” de maneira profunda. Ele diferencia a lei divina da lei mundana, observando que a primeira julga não apenas atos e palavras, mas também pensamentos, pois vem de Deus, que vê não somente o exterior, mas o interior.

Santo Tomás explica que a vontade de Deus é que não apenas evitemos roubar os bens do próximo, mas também não desejemos esses bens. Ele argumenta que a concupiscência é infinita, e o desejo constante por mais bens é inquietante e insaciável.

Além disso, destaca que o desejo desordenado dos bens alheios diminui a tranquilidade, torna as riquezas inúteis, perverte a justiça, mata a caridade e é a causa de muitos males, incluindo homicídios e furtos. Santo Tomás enfatiza, por fim, que a avareza é um pecado mortal quando desejamos os bens do próximo sem razão.

Leia mais sobre a vida e o legado de Santo Tomás.

Como se aprofundar no estudo dos 10 Mandamentos?

Se você se interessou pelo tema dos 10 Mandamentos e gostaria de se aprofundar nele, Santo Tomás de Aquino deu algumas catequeses sobre cada um dos mandamentos. A obra Catequeses de Santo Tomás reúne não só essas catequeses, como também sermões do santo sobre o Pai Nosso, a Ave Maria, os Sacramentos e o Credo. Para saber como adquirir essa obra, acesse: Catequeses de Santo Tomás.

Referências

  1. Ex 20, 17a[]
  2. Dt 5, 21a[]
  3. Mt, 5, 27-28[]
  4. CIC, 2517[][]
  5. CIC, 2518[][][][][]
  6. CIC, 2519[][][]
  7. CIC, 2520[][][][]
  8. CIC, 2521[]
  9. CIC, 2525-2527[]
Avatar

Redação MBC

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.