Formação

Santa Francisca Romana: a vidente do inferno

Conheça Santa Francisca Romana, uma exemplar mulher italiana que recebeu o dom de ter visões do inferno para salvar almas da condenação.

Santa Francisca Romana: a vidente do inferno
Formação

Santa Francisca Romana: a vidente do inferno

Conheça Santa Francisca Romana, uma exemplar mulher italiana que recebeu o dom de ter visões do inferno para salvar almas da condenação.

Data da Publicação: 29/02/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica
Data da Publicação: 29/02/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica

Mais do que uma mulher pertencente a uma família da alta nobreza e de grande estima, Santa Francisca Romana foi um verdadeiro anjo, foi escolhida por Deus para cuidar do povo de Roma que padecia de tanta pobreza e enfermidades, a ponto de ter recebido o carinhoso e nobre título de advogada da Cidade.

Neste artigo, falaremos sobre a vida de Santa Francisca Romana, que por um lado exerceu o papel de esposa e mãe, e por outro foi escolhida para uma grande missão espiritual, além de receber diferentes dons e visões.

Quem foi Santa Francisca Romana?

Nascida em uma família de nobres romanos no século XIV, Francisca foi criada na tradição cristã. Seu anseio era ser consagrada a Cristo mas o seu pai já havia prometido a moça a um jovem de família nobre, muito honrado. Francisca então viveu a vocação do matrimônio de modo dedicado, gerando três filhos, mas em nenhum momento deixou esfriar suas práticas de piedade, sua vida espiritual era frutífera e ela era conhecida por sua imensa caridade. Ajudou pobres, alimentou famintos, aconselhou os pecadores, acolheu até mesmo pessoas em sua casa. Santa Francisca Romana é para nós um verdadeiro modelo de mulher cristã.

Quando é o dia de Santa Francisca Romana?

A memória de Santa Francisca Romana é celebrada no dia 9 de março, dia em que ela encontrou o descanso na eternidade junto a Deus, após cumprir o seu papel neste mundo.

Os principais episódios da vida de Santa Francisca Romana

Nascimento e infância

Santa Francisca Romana nasceu no ano de 1384, no seio de uma família de patrícios romanos. Sua mãe era muito piedosa e desde cedo a menina a acompanhava nas orações, abstinências, leituras e devoções. Ainda na infância, ela era aconselhada pelo seu diretor espiritual, Frei Antonio di Monte Savello, que a guiava em suas práticas espirituais. Quando tinha em torno de onze anos, Francisca começou a manifestar o seu desejo de tornar-se esposa de Jesus Cristo e consagrar a sua virgindade a Ele.

Casamento e vida familiar

Os pais de Francisca foram contra o desejo da jovem de ser consagrada a Cristo, pois já haviam-na prometido em casamento a um jovem honrado, nobre e possuidor de muitas riquezas, chamado Lourenço Ponziani.

Santa Francisca Romana acatou o desejo de seus pais e compreendeu que estes eram os desígnios de Deus para a sua vida. Por isso, empenhou-se em ser uma boa esposa e mãe, honrava o seu marido vestindo-se como uma verdadeira nobre, mas também honrava a Cristo, aproveitando todos os momentos livres para dedicá-Lo orações e práticas de piedade. Francisca teve ao todo 3 filhos, foi uma exemplar dona de casa e soube priorizar os afazeres domésticos e a educação de seus filhos em detrimento de algumas práticas espirituais. 

Fundação das Oblatas da Santíssima Virgem

Além de exercer bem os seus papéis no lar, Francisca era muito caridosa e quando a fome devastou a cidade, ela ajudava os necessitados generosamente. Certa vez, até mesmo o seu sogro chegou a proibi-la de oferecer ajuda, mas ela não desistiu. 

Francisca foi até um celeiro vazio que ficava no palácio onde ela residia e tentou juntar restos de trigo. Ao todo, conseguiram poucos quilos, mas quando o esposo de Francisca foi até o celeiro de onde ela já havia saído, encontrou quarenta cestos contendo cada uns 100 quilos de trigo.

Com o passar do tempo, ao ver os prodígios que Deus realizava através de Francisca, Lourenço foi dando mais abertura para que ela vivesse o seu apostolado de modo mais intenso. Com isso, Santa Francisca decidiu, com a orientação de seu diretor espiritual, fundar uma associação religiosa a qual chamou de Oblatas da Santíssima Virgem. 

No ano de 1425, a santa e mais nove mulheres ofereceram-se a Deus e à Santíssima Virgem, mas continuaram cada uma vivendo em suas casas, vivendo a caridade do Evangelho e reunindo-se frequentemente para ouvir Francisca em uma paróquia.

Proteção do Anjo contra os ataques do demônio

Após ter ficado gravemente enferma durante um ano, Francisca, ao ter sua saúde restabelecida, decidiu entregar-se a uma vida de caridade e piedade mais profunda. Seu desejo era viver plenamente o Evangelho.

Diante desse propósito, Deus a enviou um Anjo especial para ajudá-la a cumprir tal desejo. Francisca não podia vê-lo, mas os sinais que ela recebia do Anjo manifestavam sua presença e auxílio. Santa Francisca sempre resistia firmemente às tentações do diabo, e este, portanto, passou a atacá-la fisicamente.

Certa vez, ao beber água na beira de um rio, ela foi empurrada para dentro dele, e sua amiga, na tentativa de ajudá-la, também caiu. Ambas estavam sendo levadas pela correnteza, quando de repente, milagrosamente, foram dirigidas às margens do rio. 

Entenda o que são e como funciona a ação dos anjos e demônios na nossa vida.

Visões do inferno e dons sobrenaturais

Santa Francisca Romana recebeu o dom de enxergar os pensamentos das almas, além do discernimento dos espíritos e do aconselhamento dos pecadores para conduzi-los ao Céu.

Ainda, Santa Francisca também teve muitas visões e, dentre elas, as mais impressionantes foram as do inferno. A santa viu detalhadamente os sofrimentos e as agonias às quais as almas condenadas eram submetidas. Também percebeu que as punições variavam de acordo com os pecados cometidos.

A santa viu que os demônios se organizavam de modo semelhante aos Anjos, tinham uma hierarquia e cada um tinha o seu papel na tentativa fazer com que as almas perdessem. Francisca disse que uma alma virtuosa na terra atrapalhava e perturbava a ação dos demônios.

Saiba qual o papel das visões e aparições na fé católica.

Viuvez e vida religiosa

Em 1436, com a morte de seu esposo Lourenço, Francisca finalmente realiza o seu grande desejo de tornar-se uma religiosa. Entrou em sua própria Congregação e foi orientada pelo seu diretor espiritual a se tornar a superiora.

Morte

Santa Francisca Romana permaneceu no convento durante apenas 3 anos, pois o seu filho adoeceu gravemente e ela viu-se no dever de ajudá-lo. Durante esse período em que cuidava do filho, ela também foi acometida por uma doença e não retornou mais ao convento. 

Despediu-se de seu diretor espiritual e de suas filhas espirituais e, após agonizar por uma semana, faleceu em 9 de março, com um belo sorriso no rosto e uma alma pronta para a eternidade com Deus.

Canonização e devoção

Santa Francisca Romana foi canonizada em maio de 1608 pelo Papa Paulo V, que a chamou de “a mais romana de todas as Santas”. 

“A proclamação da santidade de Francisca será de admirável proveito para classes muito diferentes de pessoas: as virgens, as mulheres casadas, as viúvas e as religiosas.” 1

Santa Francisca Romana é um verdadeiro exemplo de conciliação da vida cotidiana com a vida espiritual e mística, ela entregou-se completamente a Deus, desde sua tarefa mais ordinária, até o ato mais piedoso e caridoso.

Oração a Santa Francisca Romana

“Ó Deus, que destes a Santa Francisca Romana a graça de viver o sacramento do matrimônio, a maternidade e a vida religiosa com toda fidelidade e perseverança, dai também a nós a graça de vivermos bem nosso estado de vida (casados, solteiros ou consagrados). Que nossa vida seja abençoada pela intercessão de Santa Francisca Romana e que suas visões do céu nos ajudem a desejar e a procurar de todo o coração pátria celestial. Amém. Santa Francisca Romana, rogai por nós.”

Referências

  1. Cardeal São Roberto Belarmino[]

Redação Minha Biblioteca Católica

O maior clube de leitores católicos do Brasil.

Mais do que uma mulher pertencente a uma família da alta nobreza e de grande estima, Santa Francisca Romana foi um verdadeiro anjo, foi escolhida por Deus para cuidar do povo de Roma que padecia de tanta pobreza e enfermidades, a ponto de ter recebido o carinhoso e nobre título de advogada da Cidade.

Neste artigo, falaremos sobre a vida de Santa Francisca Romana, que por um lado exerceu o papel de esposa e mãe, e por outro foi escolhida para uma grande missão espiritual, além de receber diferentes dons e visões.

Quem foi Santa Francisca Romana?

Nascida em uma família de nobres romanos no século XIV, Francisca foi criada na tradição cristã. Seu anseio era ser consagrada a Cristo mas o seu pai já havia prometido a moça a um jovem de família nobre, muito honrado. Francisca então viveu a vocação do matrimônio de modo dedicado, gerando três filhos, mas em nenhum momento deixou esfriar suas práticas de piedade, sua vida espiritual era frutífera e ela era conhecida por sua imensa caridade. Ajudou pobres, alimentou famintos, aconselhou os pecadores, acolheu até mesmo pessoas em sua casa. Santa Francisca Romana é para nós um verdadeiro modelo de mulher cristã.

Quando é o dia de Santa Francisca Romana?

A memória de Santa Francisca Romana é celebrada no dia 9 de março, dia em que ela encontrou o descanso na eternidade junto a Deus, após cumprir o seu papel neste mundo.

Os principais episódios da vida de Santa Francisca Romana

Nascimento e infância

Santa Francisca Romana nasceu no ano de 1384, no seio de uma família de patrícios romanos. Sua mãe era muito piedosa e desde cedo a menina a acompanhava nas orações, abstinências, leituras e devoções. Ainda na infância, ela era aconselhada pelo seu diretor espiritual, Frei Antonio di Monte Savello, que a guiava em suas práticas espirituais. Quando tinha em torno de onze anos, Francisca começou a manifestar o seu desejo de tornar-se esposa de Jesus Cristo e consagrar a sua virgindade a Ele.

Casamento e vida familiar

Os pais de Francisca foram contra o desejo da jovem de ser consagrada a Cristo, pois já haviam-na prometido em casamento a um jovem honrado, nobre e possuidor de muitas riquezas, chamado Lourenço Ponziani.

Santa Francisca Romana acatou o desejo de seus pais e compreendeu que estes eram os desígnios de Deus para a sua vida. Por isso, empenhou-se em ser uma boa esposa e mãe, honrava o seu marido vestindo-se como uma verdadeira nobre, mas também honrava a Cristo, aproveitando todos os momentos livres para dedicá-Lo orações e práticas de piedade. Francisca teve ao todo 3 filhos, foi uma exemplar dona de casa e soube priorizar os afazeres domésticos e a educação de seus filhos em detrimento de algumas práticas espirituais. 

Fundação das Oblatas da Santíssima Virgem

Além de exercer bem os seus papéis no lar, Francisca era muito caridosa e quando a fome devastou a cidade, ela ajudava os necessitados generosamente. Certa vez, até mesmo o seu sogro chegou a proibi-la de oferecer ajuda, mas ela não desistiu. 

Francisca foi até um celeiro vazio que ficava no palácio onde ela residia e tentou juntar restos de trigo. Ao todo, conseguiram poucos quilos, mas quando o esposo de Francisca foi até o celeiro de onde ela já havia saído, encontrou quarenta cestos contendo cada uns 100 quilos de trigo.

Com o passar do tempo, ao ver os prodígios que Deus realizava através de Francisca, Lourenço foi dando mais abertura para que ela vivesse o seu apostolado de modo mais intenso. Com isso, Santa Francisca decidiu, com a orientação de seu diretor espiritual, fundar uma associação religiosa a qual chamou de Oblatas da Santíssima Virgem. 

No ano de 1425, a santa e mais nove mulheres ofereceram-se a Deus e à Santíssima Virgem, mas continuaram cada uma vivendo em suas casas, vivendo a caridade do Evangelho e reunindo-se frequentemente para ouvir Francisca em uma paróquia.

Proteção do Anjo contra os ataques do demônio

Após ter ficado gravemente enferma durante um ano, Francisca, ao ter sua saúde restabelecida, decidiu entregar-se a uma vida de caridade e piedade mais profunda. Seu desejo era viver plenamente o Evangelho.

Diante desse propósito, Deus a enviou um Anjo especial para ajudá-la a cumprir tal desejo. Francisca não podia vê-lo, mas os sinais que ela recebia do Anjo manifestavam sua presença e auxílio. Santa Francisca sempre resistia firmemente às tentações do diabo, e este, portanto, passou a atacá-la fisicamente.

Certa vez, ao beber água na beira de um rio, ela foi empurrada para dentro dele, e sua amiga, na tentativa de ajudá-la, também caiu. Ambas estavam sendo levadas pela correnteza, quando de repente, milagrosamente, foram dirigidas às margens do rio. 

Entenda o que são e como funciona a ação dos anjos e demônios na nossa vida.

Visões do inferno e dons sobrenaturais

Santa Francisca Romana recebeu o dom de enxergar os pensamentos das almas, além do discernimento dos espíritos e do aconselhamento dos pecadores para conduzi-los ao Céu.

Ainda, Santa Francisca também teve muitas visões e, dentre elas, as mais impressionantes foram as do inferno. A santa viu detalhadamente os sofrimentos e as agonias às quais as almas condenadas eram submetidas. Também percebeu que as punições variavam de acordo com os pecados cometidos.

A santa viu que os demônios se organizavam de modo semelhante aos Anjos, tinham uma hierarquia e cada um tinha o seu papel na tentativa fazer com que as almas perdessem. Francisca disse que uma alma virtuosa na terra atrapalhava e perturbava a ação dos demônios.

Saiba qual o papel das visões e aparições na fé católica.

Viuvez e vida religiosa

Em 1436, com a morte de seu esposo Lourenço, Francisca finalmente realiza o seu grande desejo de tornar-se uma religiosa. Entrou em sua própria Congregação e foi orientada pelo seu diretor espiritual a se tornar a superiora.

Morte

Santa Francisca Romana permaneceu no convento durante apenas 3 anos, pois o seu filho adoeceu gravemente e ela viu-se no dever de ajudá-lo. Durante esse período em que cuidava do filho, ela também foi acometida por uma doença e não retornou mais ao convento. 

Despediu-se de seu diretor espiritual e de suas filhas espirituais e, após agonizar por uma semana, faleceu em 9 de março, com um belo sorriso no rosto e uma alma pronta para a eternidade com Deus.

Canonização e devoção

Santa Francisca Romana foi canonizada em maio de 1608 pelo Papa Paulo V, que a chamou de “a mais romana de todas as Santas”. 

“A proclamação da santidade de Francisca será de admirável proveito para classes muito diferentes de pessoas: as virgens, as mulheres casadas, as viúvas e as religiosas.” 1

Santa Francisca Romana é um verdadeiro exemplo de conciliação da vida cotidiana com a vida espiritual e mística, ela entregou-se completamente a Deus, desde sua tarefa mais ordinária, até o ato mais piedoso e caridoso.

Oração a Santa Francisca Romana

“Ó Deus, que destes a Santa Francisca Romana a graça de viver o sacramento do matrimônio, a maternidade e a vida religiosa com toda fidelidade e perseverança, dai também a nós a graça de vivermos bem nosso estado de vida (casados, solteiros ou consagrados). Que nossa vida seja abençoada pela intercessão de Santa Francisca Romana e que suas visões do céu nos ajudem a desejar e a procurar de todo o coração pátria celestial. Amém. Santa Francisca Romana, rogai por nós.”

Referências

  1. Cardeal São Roberto Belarmino[]

Redação Minha Biblioteca Católica

O maior clube de leitores católicos do Brasil.

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.