Espiritualidade

Direção espiritual: qual é o seu papel na nossa fé?

Você tem alguma dúvida sobre direção espiritual? Confira tudo o que precisa saber para encontrar um bom diretor e uma boa direção espiritual.

Direção espiritual: qual é o seu papel na nossa fé?
Espiritualidade

Direção espiritual: qual é o seu papel na nossa fé?

Você tem alguma dúvida sobre direção espiritual? Confira tudo o que precisa saber para encontrar um bom diretor e uma boa direção espiritual.

Data da Publicação: 03/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 03/01/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz, Santo Inácio de Loyola, São João de Ávila, São Francisco de Sales, Santo Afonso Maria de Ligório. Sabe o que esses grandes santos dos séculos XVI-XVII têm em comum? Foram responsáveis por popularizar a direção espiritual.

Não que não existisse nos séculos anteriores, não que Nosso Senhor não estivesse próximo dos seus apóstolos aconselhando-os e instruindo-os, mas foram esses santos que praticavam — seja como diretores, sejam como dirigidos — e incentivavam essa prática espiritual.

Os sacerdotes estão intimamente ligados à vida espiritual dos fiéis de três grandes formas: como ministros da eucaristia, sem eles não recebemos o corpo de Cristo; como dispensadores da misericórdia divina no sacramento da penitência; e como consoladores das almas, guias de todos os fiéis nas dificuldades da vida.

A terceira grande forma é encabeçada pela prática da direção espiritual.

Frutos de uma direção espiritual santa

São Francisco de Sales e Santa Joana de Chantal, que tinha direção espiritual com ele.
São Francisco de Sales e uma de suas dirigidas, Santa Joana de Chantal


São João Paulo II exortava o redescobrimento desta tradição, pois conhecia seus frutos: é preciso redescobrir a grande tradição do acompanhamento espiritual pessoal, que sempre deu tantos e tão preciosos frutos, na vida da Igreja. 1

O fruto de uma boa e madura direção espiritual não pode ser outro senão a santidade. Diretores santos tendem a formar dirigidos santos

Quando canonizado, São Pedro de Alcântara é recordado como grande diretor espiritual de Santa Teresa d’Ávila e o principal promotor de sua reforma no Carmelo.

Recentemente publicamos na nossa loja a autobiografia de Santa Margarida Alacoque, a vidente do Sagrado Coração de Jesus, responsável por propagar a devoção. Lá encontramos a figura de seu diretor espiritual, incentivador da devoção e também santo, São Cláudio Colombiere.

“Antes morrer que pecar”, era o lema de vida de São Domingos Sávio, muito graças ao seu santo diretor espiritual, São João Bosco, nosso querido Dom Bosco.

Como escolher um bom diretor espiritual?


O documento da Congregação para o Clero “O Sacerdote Ministro da Misericórdia Divina: subsídio para confessores e diretores espirituais” apresenta qualidades do diretor espiritual.

Entre as suas qualidades, estão o espírito de acolhida e escuta. Ninguém se abre, nem se torna sensível aos conselhos, se não sentir-se acolhido, ouvido, recebendo a devida atenção. Sem caras fechadas, sem rispidez. 

Devem ser responsáveis, pois trata-se do cuidado de uma alma. A salvação ou a danação eterna estão em jogo. Devem ser disponíveis. Disponibilidade não quer dizer responder mensagem de WhatsApp a qualquer momento, mas manter uma frequência razoável de acompanhamento.

Dom Bosco, a quem São Domingos Sávio recorria para ter direção espiritual.
Dom Bosco, a quem São Domingos Sávio recorria para ter direção espiritual.

Não deixe de rezar a Novena a Dom Bosco, grande diretor espiritual.

Deve haver um sentimento de paternidade em torno da figura do diretor, um amor fraterno e uma amizade respeitosa. Além, é claro, de um bom humor que, quando autêntico, é sempre respeitoso e contribui para redimensionar muitos problemas artificiosos e a viver mais serenamente. Por outro lado, deve-se evitar o autoritarismo, o personalismo e o paternalismo, além do que a dependência afetiva, a pressa e a perda de tempo em questões secundárias.2

Posso ter mais de um diretor espiritual? Posso trocar de diretor espiritual?


Geralmente, o diretor ou conselheiro espiritual (escolhido, proposto ou indicado) é apenas um, com o objetivo de assegurar a continuidade. Na vida de alguns santos pode-se observar uma grande liberdade em consultar outros e em mudar de diretor quando se constata que é melhor para a vida espiritual. A eventual mudança de diretor deve ser sempre possível e livre, quando existem motivações válidas para um maior crescimento espiritual.”3

Direção Espiritual: O que fazer quando não encontro um diretor espiritual?


Grande é a messe, mas poucos são os operários.”4 Infelizmente poucos sacerdotes se dispõe a um acompanhamento personalizado como a direção espiritual requer e os que se dispõe não conseguem atender toda a demanda, limitando o número de dirigidos.

Mesmo os que já têm seus diretores, nem sempre podem tê-lo à disposição para sanar dúvidas e orientar questões pontuais. A leitura de bons livros de vida interior, com conselhos práticos de homens de virtude conhecida, em especial, santos, surge como uma opção paliativa.

A leitura dos livros espirituais foi útil aos santos, não só no começo de sua conversão, mas também durante toda a sua vida, para se manterem e aproveitarem cada vez mais no caminho da perfeição.”5

Confira no vídeo abaixo alguns livros que indicamos para crescer na vida espiritual:

Referências

  1. Exortação Apostólica Pastores dabo vobis, 40[]
  2. O Sacerdote Ministro da Misericórdia Divina, 101.[]
  3. Idem, 102[]
  4. Lc 10, 2[]
  5. Santo Afonso de Ligório, A Verdadeira Esposa de Cristo.[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação MBC

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Garanta seu box

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz, Santo Inácio de Loyola, São João de Ávila, São Francisco de Sales, Santo Afonso Maria de Ligório. Sabe o que esses grandes santos dos séculos XVI-XVII têm em comum? Foram responsáveis por popularizar a direção espiritual.

    Não que não existisse nos séculos anteriores, não que Nosso Senhor não estivesse próximo dos seus apóstolos aconselhando-os e instruindo-os, mas foram esses santos que praticavam — seja como diretores, sejam como dirigidos — e incentivavam essa prática espiritual.

    Os sacerdotes estão intimamente ligados à vida espiritual dos fiéis de três grandes formas: como ministros da eucaristia, sem eles não recebemos o corpo de Cristo; como dispensadores da misericórdia divina no sacramento da penitência; e como consoladores das almas, guias de todos os fiéis nas dificuldades da vida.

    A terceira grande forma é encabeçada pela prática da direção espiritual.

    Frutos de uma direção espiritual santa

    São Francisco de Sales e Santa Joana de Chantal, que tinha direção espiritual com ele.
    São Francisco de Sales e uma de suas dirigidas, Santa Joana de Chantal


    São João Paulo II exortava o redescobrimento desta tradição, pois conhecia seus frutos: é preciso redescobrir a grande tradição do acompanhamento espiritual pessoal, que sempre deu tantos e tão preciosos frutos, na vida da Igreja. 1

    O fruto de uma boa e madura direção espiritual não pode ser outro senão a santidade. Diretores santos tendem a formar dirigidos santos

    Quando canonizado, São Pedro de Alcântara é recordado como grande diretor espiritual de Santa Teresa d’Ávila e o principal promotor de sua reforma no Carmelo.

    Recentemente publicamos na nossa loja a autobiografia de Santa Margarida Alacoque, a vidente do Sagrado Coração de Jesus, responsável por propagar a devoção. Lá encontramos a figura de seu diretor espiritual, incentivador da devoção e também santo, São Cláudio Colombiere.

    “Antes morrer que pecar”, era o lema de vida de São Domingos Sávio, muito graças ao seu santo diretor espiritual, São João Bosco, nosso querido Dom Bosco.

    Como escolher um bom diretor espiritual?


    O documento da Congregação para o Clero “O Sacerdote Ministro da Misericórdia Divina: subsídio para confessores e diretores espirituais” apresenta qualidades do diretor espiritual.

    Entre as suas qualidades, estão o espírito de acolhida e escuta. Ninguém se abre, nem se torna sensível aos conselhos, se não sentir-se acolhido, ouvido, recebendo a devida atenção. Sem caras fechadas, sem rispidez. 

    Devem ser responsáveis, pois trata-se do cuidado de uma alma. A salvação ou a danação eterna estão em jogo. Devem ser disponíveis. Disponibilidade não quer dizer responder mensagem de WhatsApp a qualquer momento, mas manter uma frequência razoável de acompanhamento.

    Dom Bosco, a quem São Domingos Sávio recorria para ter direção espiritual.
    Dom Bosco, a quem São Domingos Sávio recorria para ter direção espiritual.

    Não deixe de rezar a Novena a Dom Bosco, grande diretor espiritual.

    Deve haver um sentimento de paternidade em torno da figura do diretor, um amor fraterno e uma amizade respeitosa. Além, é claro, de um bom humor que, quando autêntico, é sempre respeitoso e contribui para redimensionar muitos problemas artificiosos e a viver mais serenamente. Por outro lado, deve-se evitar o autoritarismo, o personalismo e o paternalismo, além do que a dependência afetiva, a pressa e a perda de tempo em questões secundárias.2

    Posso ter mais de um diretor espiritual? Posso trocar de diretor espiritual?


    Geralmente, o diretor ou conselheiro espiritual (escolhido, proposto ou indicado) é apenas um, com o objetivo de assegurar a continuidade. Na vida de alguns santos pode-se observar uma grande liberdade em consultar outros e em mudar de diretor quando se constata que é melhor para a vida espiritual. A eventual mudança de diretor deve ser sempre possível e livre, quando existem motivações válidas para um maior crescimento espiritual.”3

    Direção Espiritual: O que fazer quando não encontro um diretor espiritual?


    Grande é a messe, mas poucos são os operários.”4 Infelizmente poucos sacerdotes se dispõe a um acompanhamento personalizado como a direção espiritual requer e os que se dispõe não conseguem atender toda a demanda, limitando o número de dirigidos.

    Mesmo os que já têm seus diretores, nem sempre podem tê-lo à disposição para sanar dúvidas e orientar questões pontuais. A leitura de bons livros de vida interior, com conselhos práticos de homens de virtude conhecida, em especial, santos, surge como uma opção paliativa.

    A leitura dos livros espirituais foi útil aos santos, não só no começo de sua conversão, mas também durante toda a sua vida, para se manterem e aproveitarem cada vez mais no caminho da perfeição.”5

    Confira no vídeo abaixo alguns livros que indicamos para crescer na vida espiritual:

    Referências

    1. Exortação Apostólica Pastores dabo vobis, 40[]
    2. O Sacerdote Ministro da Misericórdia Divina, 101.[]
    3. Idem, 102[]
    4. Lc 10, 2[]
    5. Santo Afonso de Ligório, A Verdadeira Esposa de Cristo.[]

    Redação MBC

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.