Destaque, Formação

Quinto domingo da Quaresma: liturgia e ensinamentos

Confira, neste artigo, o que as leituras e a liturgia deste quinto domingo da Quaresma nos inspiram a viver.

Quinto domingo da Quaresma: liturgia e ensinamentos
Destaque, Formação

Quinto domingo da Quaresma: liturgia e ensinamentos

Confira, neste artigo, o que as leituras e a liturgia deste quinto domingo da Quaresma nos inspiram a viver.

Data da Publicação: 14/03/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica
Data da Publicação: 14/03/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica

Estamos já no quinto domingo da Quaresma. Um bom percurso já foi feito. Mas ainda precisamos avançar um pouco mais para que a Páscoa – que se aproxima – seja uma verdadeira passagem.

Confira, neste artigo, o que as leituras e a liturgia deste domingo nos inspiram a viver.

O que celebramos no quinto domingo da Quaresma?

Com a proximidade da Páscoa, a liturgia deste quinto domingo da Quaresma vai nos impulsionar de modo mais efetivo a ir ao encontro da nova e eterna Aliança de Cristo, que se instaura a partir da sua cruz.

Deus insiste em nos indicar um caminho que seja de vida nova. Jesus, como Filho amado do Pai, enviado para redimir a humanidade, ao se fazer obediente até a morte, e morte de Cruz, oferece-nos um mapa preciso deste caminho que leva ao Pai.

Quais são as leituras do quinto domingo da Quaresma?

Primeira Leitura

A primeira leitura do quinto domingo da Quaresma é extraída do livro de Jeremias 1. 

De modo conciso, o profeta Jeremias anuncia, lá no Antigo Testamento, que Deus irá fazer para com Israel uma nova Aliança. Essa Aliança será tão definitiva que ficará gravada nos corações, a ponto de que todos os sentimentos e inspirações sejam de acordo com a Aliança selada. Na verdade, a leitura toda possui um paralelo muito belo com o que celebramos na Paixão, morte e ressurreição de Jesus.

Deus, que se recorda da Aliança no Sinai feita com os nossos pais na fé, agora, nessa nova Aliança, irá realizá-la de tal forma que a lei ficará impressa nas almas e nos corações de todo povo. Essa Aliança será tão forte que apagará os pecados e Deus não se recordará mais de nossas faltas. Todos conhecerão o Senhor! 

Mais do que uma lei externa gravada em pedras, que não foi interiorizada pelos judeus, o Senhor anuncia uma Aliança íntima, vinculada ao coração, que é a sede de todo o ser de um homem.

Salmo

O Salmo 50 (51) responde à primeira leitura, pois canta um pedido a Deus de que conceda-nos um coração puro, um espírito reto e decidido.

O coração, para a cultura judaica, mais do que a sede dos sentimentos (que é a percepção moderna e ocidental), é a sede de todo o ser do homem. Nele, o homem projeta, tem suas inspirações e decisões mais profundas. É o lugar do encontro! Encontro consigo mesmo e com suas responsabilidades.

O salmo e as leituras nos convidam para a percepção de que a Aliança que Deus firma conosco deve ser interior a tal ponto que nossas ações sejam, todas, pautadas pela lógica divina.

“Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.” 2

Segunda Leitura

A segunda leitura do quinto domingo da Quaresma é da Carta aos Hebreus 3. Essa carta tem por finalidade justamente apresentar a Jesus como sendo sumo e eterno sacerdote dessa nova Aliança já prefigurada no Antigo Testamento. 

Jesus não só se solidariza para com os homens, mas aponta e inaugura um caminho de salvação que Ele mesmo trilha. Na verdade, Ele é a Nova Aliança. O caminho é precisamente o mesmo que Jesus trilhou: obediência irrestrita ao plano de Deus, mesmo que no sofrimento. 

Jesus,

“Apesar de ser Filho, aprendeu a obediência no sofrimento e, tendo atingido a sua plenitude, tornou-Se para todos os que Lhe obedecem causa de salvação eterna.” 4

Eis o caminho da nova Aliança!

Evangelho

Para coroar a liturgia deste domingo temos, por óbvio, o Evangelho como centro das leituras. O Evangelho faz, no trecho de João 12, 20-33, um convite a olharmos para Jesus como caminho que conduz ao cumprimento da vontade do Pai. A cruz parece, de fato, caminho de fracasso e de morte, quando é, na verdade, caminho único de doação e de Vida eterna.

Na cena do Evangelho percebemos alguns detalhes importantes. O contexto da cena está em Jerusalém, nos dias da festa. Um pouco antes, Jesus havia entrado solenemente na Cidade Santa e sido aclamado como Rei e Messias 5. Importante notar esse detalhe: a liturgia de hoje se situa entre essa aclamação triunfal e a iminência da cruz! Por isso que Jesus fala já de que a sua “hora” se aproxima.

“Chegou a hora em que o Filho do homem vai ser glorificado. Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto.” 6

Os gregos apresentados no Evangelho significam que eram não-judeus convertidos ou simpatizantes do judaísmo. Querem ver Jesus talvez por terem visto Seus sinais. Jesus, ao saber disso, aponta para a necessidade de fazer em tudo a vontade do Pai. O Evangelho todo é um convite a dirigir o olhar já para o Calvário como único caminho que leva a Deus!

Jesus conclui com uma das muitas frases mais belas do Evangelho:

“E quando Eu for elevado da terra, atrairei todos a Mim”. 7

Leia mais: Por que chamamos Jesus de Cordeiro de Deus?

O que o quinto domingo da Quaresma nos ensina?

Já na iminência da Semana Santa, é a hora de renovar o compromisso para com Deus nesses últimos dias do tempo quaresmal. A liturgia deste quinto domingo da Quaresma nos inspira a isso: buscar a Aliança de Deus Pai! 

E onde Deus quer firmar essa Aliança? Na junção destes dois “lugares”: na obediência ao plano de Deus, que se dá na Cruz de Cristo e no íntimo dos corações dos homens. No Altar da Cruz e no Altar do coração do homem é que se sela a nova e eterna Aliança. 

A Cruz de Jesus é a glória da humanidade! A Cruz de Jesus é a glorificação do coração humano! Coração humano que bate no seio da Trindade desde a encarnação de Cristo. A liturgia deste domingo nos convida a sermos atraídos, mais e mais, ao Pai através do Filho. Com efeito, a Cruz possui o poder de atrair a si toda a humanidade. É Cristo que nos atrai. 

Assim como os gregos, que foram a Jerusalém para adorar a Deus no Templo, mas ficaram desejosos de ver a Jesus, façamos essa experiência também: do desejo de ver a Deus possamos, através da liturgia dos dias que se aproximam, fazer uma experiência autêntica de Aliança com Deus, selada em nosso mais profundo ser.

Você sabia que a cruz é um sacramental? Entenda porque devemos ter um crucifixo em casa.


Confira também os artigos sobre a liturgia dos domingos anteriores:

1º domingo da Quaresma

2º domingo da Quaresma

3º domingo da Quaresma

4º domingo da Quaresma | Domingo Laetare

Referências

  1. Jeremias 31, 31-34[]
  2. Salmo 50 (51[]
  3. Hebreus 5, 7-9[]
  4. Hebreus 5, 8-9[]
  5. cf. Jo 12, 12-19[]
  6. João 12, 20-33[]
  7. João 12, 33[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Estamos já no quinto domingo da Quaresma. Um bom percurso já foi feito. Mas ainda precisamos avançar um pouco mais para que a Páscoa – que se aproxima – seja uma verdadeira passagem.

    Confira, neste artigo, o que as leituras e a liturgia deste domingo nos inspiram a viver.

    O que celebramos no quinto domingo da Quaresma?

    Com a proximidade da Páscoa, a liturgia deste quinto domingo da Quaresma vai nos impulsionar de modo mais efetivo a ir ao encontro da nova e eterna Aliança de Cristo, que se instaura a partir da sua cruz.

    Deus insiste em nos indicar um caminho que seja de vida nova. Jesus, como Filho amado do Pai, enviado para redimir a humanidade, ao se fazer obediente até a morte, e morte de Cruz, oferece-nos um mapa preciso deste caminho que leva ao Pai.

    Quais são as leituras do quinto domingo da Quaresma?

    Primeira Leitura

    A primeira leitura do quinto domingo da Quaresma é extraída do livro de Jeremias 1. 

    De modo conciso, o profeta Jeremias anuncia, lá no Antigo Testamento, que Deus irá fazer para com Israel uma nova Aliança. Essa Aliança será tão definitiva que ficará gravada nos corações, a ponto de que todos os sentimentos e inspirações sejam de acordo com a Aliança selada. Na verdade, a leitura toda possui um paralelo muito belo com o que celebramos na Paixão, morte e ressurreição de Jesus.

    Deus, que se recorda da Aliança no Sinai feita com os nossos pais na fé, agora, nessa nova Aliança, irá realizá-la de tal forma que a lei ficará impressa nas almas e nos corações de todo povo. Essa Aliança será tão forte que apagará os pecados e Deus não se recordará mais de nossas faltas. Todos conhecerão o Senhor! 

    Mais do que uma lei externa gravada em pedras, que não foi interiorizada pelos judeus, o Senhor anuncia uma Aliança íntima, vinculada ao coração, que é a sede de todo o ser de um homem.

    Salmo

    O Salmo 50 (51) responde à primeira leitura, pois canta um pedido a Deus de que conceda-nos um coração puro, um espírito reto e decidido.

    O coração, para a cultura judaica, mais do que a sede dos sentimentos (que é a percepção moderna e ocidental), é a sede de todo o ser do homem. Nele, o homem projeta, tem suas inspirações e decisões mais profundas. É o lugar do encontro! Encontro consigo mesmo e com suas responsabilidades.

    O salmo e as leituras nos convidam para a percepção de que a Aliança que Deus firma conosco deve ser interior a tal ponto que nossas ações sejam, todas, pautadas pela lógica divina.

    “Criai em mim, ó Deus, um coração puro
    e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
    Não queirais repelir-me da vossa presença
    e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.” 2

    Segunda Leitura

    A segunda leitura do quinto domingo da Quaresma é da Carta aos Hebreus 3. Essa carta tem por finalidade justamente apresentar a Jesus como sendo sumo e eterno sacerdote dessa nova Aliança já prefigurada no Antigo Testamento. 

    Jesus não só se solidariza para com os homens, mas aponta e inaugura um caminho de salvação que Ele mesmo trilha. Na verdade, Ele é a Nova Aliança. O caminho é precisamente o mesmo que Jesus trilhou: obediência irrestrita ao plano de Deus, mesmo que no sofrimento. 

    Jesus,

    “Apesar de ser Filho, aprendeu a obediência no sofrimento e, tendo atingido a sua plenitude, tornou-Se para todos os que Lhe obedecem causa de salvação eterna.” 4

    Eis o caminho da nova Aliança!

    Evangelho

    Para coroar a liturgia deste domingo temos, por óbvio, o Evangelho como centro das leituras. O Evangelho faz, no trecho de João 12, 20-33, um convite a olharmos para Jesus como caminho que conduz ao cumprimento da vontade do Pai. A cruz parece, de fato, caminho de fracasso e de morte, quando é, na verdade, caminho único de doação e de Vida eterna.

    Na cena do Evangelho percebemos alguns detalhes importantes. O contexto da cena está em Jerusalém, nos dias da festa. Um pouco antes, Jesus havia entrado solenemente na Cidade Santa e sido aclamado como Rei e Messias 5. Importante notar esse detalhe: a liturgia de hoje se situa entre essa aclamação triunfal e a iminência da cruz! Por isso que Jesus fala já de que a sua “hora” se aproxima.

    “Chegou a hora em que o Filho do homem vai ser glorificado. Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto.” 6

    Os gregos apresentados no Evangelho significam que eram não-judeus convertidos ou simpatizantes do judaísmo. Querem ver Jesus talvez por terem visto Seus sinais. Jesus, ao saber disso, aponta para a necessidade de fazer em tudo a vontade do Pai. O Evangelho todo é um convite a dirigir o olhar já para o Calvário como único caminho que leva a Deus!

    Jesus conclui com uma das muitas frases mais belas do Evangelho:

    “E quando Eu for elevado da terra, atrairei todos a Mim”. 7

    Leia mais: Por que chamamos Jesus de Cordeiro de Deus?

    O que o quinto domingo da Quaresma nos ensina?

    Já na iminência da Semana Santa, é a hora de renovar o compromisso para com Deus nesses últimos dias do tempo quaresmal. A liturgia deste quinto domingo da Quaresma nos inspira a isso: buscar a Aliança de Deus Pai! 

    E onde Deus quer firmar essa Aliança? Na junção destes dois “lugares”: na obediência ao plano de Deus, que se dá na Cruz de Cristo e no íntimo dos corações dos homens. No Altar da Cruz e no Altar do coração do homem é que se sela a nova e eterna Aliança. 

    A Cruz de Jesus é a glória da humanidade! A Cruz de Jesus é a glorificação do coração humano! Coração humano que bate no seio da Trindade desde a encarnação de Cristo. A liturgia deste domingo nos convida a sermos atraídos, mais e mais, ao Pai através do Filho. Com efeito, a Cruz possui o poder de atrair a si toda a humanidade. É Cristo que nos atrai. 

    Assim como os gregos, que foram a Jerusalém para adorar a Deus no Templo, mas ficaram desejosos de ver a Jesus, façamos essa experiência também: do desejo de ver a Deus possamos, através da liturgia dos dias que se aproximam, fazer uma experiência autêntica de Aliança com Deus, selada em nosso mais profundo ser.

    Você sabia que a cruz é um sacramental? Entenda porque devemos ter um crucifixo em casa.


    Confira também os artigos sobre a liturgia dos domingos anteriores:

    1º domingo da Quaresma

    2º domingo da Quaresma

    3º domingo da Quaresma

    4º domingo da Quaresma | Domingo Laetare

    Referências

    1. Jeremias 31, 31-34[]
    2. Salmo 50 (51[]
    3. Hebreus 5, 7-9[]
    4. Hebreus 5, 8-9[]
    5. cf. Jo 12, 12-19[]
    6. João 12, 20-33[]
    7. João 12, 33[]

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.