Devoção

São José, pai de Jesus

Confira neste artigo detalhes sobre a vida de São José presentes na tradição católica, desde a sua descendência até a sua morte.

São José, pai de Jesus
Devoção

São José, pai de Jesus

Confira neste artigo detalhes sobre a vida de São José presentes na tradição católica, desde a sua descendência até a sua morte.

Data da Publicação: 15/02/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica
Data da Publicação: 15/02/2024
Tempo de leitura:
Autor: Redação Minha Biblioteca Católica

Confira neste artigo detalhes sobre a vida de São José presentes na tradição católica, desde a sua descendência até a sua morte.

As Sagradas Escrituras oferecem poucos detalhes sobre São José, limitando-se a descrevê-lo como carpinteiro, esposo de Maria e pai de Jesus. No entanto, apesar de sua rara menção na Bíblia e da ausência de palavras suas registradas, depois de Maria, nenhum outro santo recebeu tantas graças, esteve tão perto de Jesus ou alcançou tamanha glória.

Neste artigo, vamos apresentar uma visão geral da vida de São José com base não somente nas Escrituras, mas também na Tradição da Igreja. Vamos abordar detalhes sobre várias dimensões da vida desse santo, que é pai de Jesus e Patrono da Igreja Católica, a fim de enriquecer a nossa fé e aumentar a nossa devoção.

Quem foi São José?

As Sagradas Escrituras descrevem São José como um homem justo. 1 Segundo São Jerônimo, essa designação indica que o pai de Jesus possuía todas as virtudes em grau perfeito. 2 Como esposo de Maria e pai de Jesus, era caracterizado por sua humildade, obediência a Deus e profundo amor pela Sagrada Família. Sua importância no plano divino é inegável, pois foi o escolhido por Deus para cuidar do Seu Filho único e de Sua Mãe Santíssima, zelando por eles e protegendo-os em sua vida terrena.

Além disso, São José, como trabalhador dedicado, sustentou sua família com dignidade, ensinando-nos a lição da santidade no cotidiano. O pai de Jesus destaca-se como um verdadeiro exemplo de virtude. Desse modo, a Igreja, confiante naquele a quem Deus confiou a Sagrada Família, o reconhece como patrono, recorrendo à sua intercessão junto a Deus.

Qual era a profissão de São José?

São José era um habilidoso artífice, reconhecido como carpinteiro. Embora a palavra original abranja diversos materiais, como ferro, pedra e até metais preciosos, a tradição mais firme e a crença comumente aceita hoje sugerem que ele, de fato, trabalhava com madeira. 3

No Evangelho de São Mateus, lemos que Jesus era conhecido como o “filho do carpinteiro”. Aliás, um bom artífice, na época, era preferido ao comerciante mais rico, pois as artes eram respeitadas como muito úteis para a sociedade. 4

Além disso, com a sua profissão, José também obedecia a lei. Pois esta exigia que os pais ensinassem aos filhos um ofício, a fim de terem meios honestos de se sustentarem, ainda que depois não precisassem praticá-lo no futuro.

Conheça a oração para pedir emprego a São José Operário.

Quando é o dia de São José?

A Igreja celebra o dia de São José a 19 de março. Nesta data honramos a vida e a missão do esposo de Maria e pai de Jesus, um dos santos mais importantes na tradição cristã. Sendo assim, nesta ocasião, muitas comunidades e paróquias realizam novenas em preparação para a festa de São José. Esses momentos de oração e reflexão proporcionam aos fiéis a graça de conhecer mais sobre a vida e a missão deste grande santo.

O que a Bíblia fala sobre São José?

São José

Genealogia

As Escrituras mencionam a genealogia de São José destacando sua nobreza e importância na linhagem real. Através das 40 gerações registradas por São Mateus 5 e das 74 por São Lucas 6, José se destaca por sua ligação com figuras ilustres, como Abraão, Zorobabel, Davi e Salomão. 7

No Evangelho de São Mateus 8, a genealogia do pai de Jesus apresenta-se desde Abraão até José, destacando-o como descendente de Davi. Já no Evangelho de São Lucas, encontramos esta genealogia de forma ascendente, começando de José até Adão.

Contudo, a verdadeira glória de José não reside apenas em sua linhagem nobre, mas também na honra de encerrar a linhagem ancestral do Messias. Sua casa tornou-se o ponto de encontro entre a genealogia de Jesus e Maria, sendo identificada como a “genealogia de Jesus Cristo, o Filho de Davi”. 9 A relação íntima entre as três genealogias destaca a missão única e honrosa desse justo patriarca na história da Salvação.

Relação com José do Egito

José do Egito e José, pai de Jesus, assemelham-se não somente em nome, mas também na castidade, inocência e graça, sendo o primeiro uma prefiguração em menor escala do segundo, o esposo de Maria. 10 Além disso, a interpretação do nome “José” como “aumento” ou “crescimento” adquire uma dimensão mais profunda com o pai de Jesus, indicando não apenas crescimento em sabedoria, poder e glória pessoal, mas também o aumento dos meios de salvação para nós, seus filhos. 11

O crescimento e grandeza de José do Egito entre os irmãos ecoam na prefiguração de São José, pai de Jesus, que supera em graça todos os anjos e santos, exceto Maria. Enquanto o primeiro recebe de Deus a inteligência para interpretar sonhos, o segundo participa diretamente dos mistérios divinos recebendo a orientação de Deus por meio de sonhos.

A narrativa do primeiro sendo vendido e conduzido como escravo ao Egito encontra paralelos na história do segundo José, obrigado a exilar-se no Egito com Jesus e Maria para fugir da inveja de Herodes.

Além disso, o primeiro José foi constituído pelo Faraó senhor de toda a sua casa e governante de suas posses, e o segundo foi nomeado por Deus como Chefe da Sagrada Família e Patrono da Igreja Católica, por isso

é ainda mais poderoso, mais rico e mais elevado, assim como a Casa de Nazaré e a Igreja Católica são mais nobres e mais sublimes do que o palácio perecível de Mênfis; e mais extenso é o seu domínio, assim como as possessões de Deus em toda a Terra superam em vastidão as do primeiro José na terra do Egito. 12

Esses exemplos ilustram a rica simbologia e a profunda relação espiritual entre essas duas figuras bíblicas, conforme evidenciado na tradição cristã e na interpretação de grandes santos ao longo dos séculos.

Anúncio do nascimento de Jesus

Depois de anunciar a Maria que seria a mãe do Salvador, o anjo também, provavelmente Gabriel, aparece a José, em sonho, e transmite a ele o seu papel no plano divino. 13

“[…] eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: “José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados.” 14

Nesse contexto, frequentemente devido à falta de compreensão da língua, há a tendência de pensar erroneamente que José e Maria ainda não eram casados. Contudo, é importante esclarecer que o casamento já havia ocorrido, e as palavras do anjo serviram para reafirmar que José deveria permanecer ao lado da Virgem Maria, pois ele não estava excluído do plano divino de salvação.

“A palavra do anjo”, diz Bento XIV, “pela qual ordenou a José que não temesse receber Maria como sua esposa, é um modo de expressão hebraico, que não significa o início de um ato, mas a continuação de um ato já iniciado. O significado de seu mandato é este: ‘Retém e mantém a esposa que tomaste, e não a abandones’; e tal é a interpretação daqueles que são versados no idioma hebraico”. 15

A presença e a participação de São José fazem parte do cumprimento da profecia do Messias, que se concretiza na Encarnação do Verbo. Além disso, o anjo designa a ele a missão de colocar o nome no Menino, um ofício particularmente atribuído ao pai naquela época.

Fuga para o Egito

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

José, como chefe da Sagrada Família e também seu guia e protetor, recebe em sonho a ordem de Deus para fugir com o Menino e sua mãe para o Egito.

Depois de sua partida, [isto é, dos magos] um anjo do Senhor apareceu em so­nhos a José e disse: “Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar”. 16

Nesse episódio, contemplamos a obediência de José e sua grande confiança em Deus.

Quantas perguntas José não poderia ter feito! Era uma noite escura: deveria esperar até o amanhecer? Para que parte do Egito ir? […] Sozinhos, sem saber o caminho; expostos ao perigo de feras e ladrões; em pleno inverno; […] Mas José ficou em silêncio. Bastava-lhe ouvir. Então se levantou e fez como o anjo lhe ordenara: tomou o Menino e Sua Mãe durante a noite e fugiu para o Egito. 17

Sem dúvida, a viagem lhe custou muito — esforço, cansaço, sofrimento —, não só fisicamente. Também lhe doía, como esposo, ver a Virgem Santíssima naquelas condições, tendo acabado de dar à luz, e, como pai, ver o menino tão pobre e frágil. Mas, ao mesmo tempo, esta missão era para São José uma honra.

Somente a José caberia a glória de preservar uma vida que, em cada um de seus instantes, era incomparavelmente mais valiosa do que as vidas somadas de todos os seres criados. Todos os homens contribuíram para a morte do Salvador; apenas um o salvou da morte em Sua infância. […] Por isso, São José foi chamado de “salvador do Salvador”, tendo-o salvado da morte por homicídio e por inanição. 18

Você conhece as sete dores e alegrias de São José? Confira aqui.

A morte de São José

A Sagrada Escritura não menciona a morte de São José. A opinião predominante é que ele tenha falecido antes do início da vida pública de Jesus aos trinta anos. Esse consenso sugere que, com o término da vida oculta de Jesus, durante a qual José desempenhou um papel fundamental como pai, esta missão teria alcançado sua plenitude. Embora Maria continuasse a exercer um papel significativo, o propósito para o qual São José foi escolhido parecia ter sido cumprido. 19

Ao envelhecer, supõe-se que o santo tenha enfrentado os desafios associados à idade avançada, incluindo doenças e exaustão. No entanto, uma tradição nas igrejas orientais sugere uma perspectiva diferente, afirmando que São José não experimentou a decadência natural da sua força na velhice. Além disso, alguns santos, como São João Damasceno, acreditam que o pai de Jesus tenha sido assunto aos céus de corpo.

Qual é a importância de São José para a Igreja Católica?

São José ocupa um lugar de destaque na tradição e na devoção católica. Em primeiro lugar, foi designado pelo próprio Deus para ser o guardião da Sagrada Família e, posteriormente, da Igreja de Cristo, como Patrono.

José foi o mais feliz, o mais privilegiado, o mais exaltado e o último dos patriarcas – o último no tempo, e o primeiro em dignidade. 20

De acordo com a doutrina católica, depois de Maria, São José é o mais próximo de Nosso Senhor, superando até mesmo grandes mártires e doutores da Igreja.

[…] se era grande a dignidade da Virgem em ser a Mãe de Deus, grande também era a dignidade de José em ser o esposo daquela de quem nasceu o Filho de Deus 21

A missão confiada por Deus a José revela a necessidade de uma elevada santidade, proporcional à missão recebida. A perfeição deste santo reside em sua submissão à vontade divina, sendo sua vocação intimamente ligada ao mistério da Encarnação redentora. Ao ser reconhecido como patrono da Igreja, São José torna-se não apenas um intercessor, mas também um modelo de virtude para todos os fiéis.

Na Missa, a menção a São José ao lado da Virgem Maria — “[…] com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com São José, seu esposo, os bem-aventurados Apóstolos…” — destaca, portanto, a sua importância na história da salvação, enfatizando seu papel de protetor do Filho de Deus. Dessa forma, a referência a ele na liturgia reforça a confiança na sua intercessão e recorda a todos a dignidade daquele que foi escolhido para ser o pai de Jesus, o Verbo Encarnado.

Que tal iniciar a novena a São José?

Referências

  1. Mt 1, 19[]
  2. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.88[]
  3. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.94[]
  4. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.90[]
  5. Mt 1, 1-18[]
  6. Lc 3, 23-38[]
  7. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.35[]
  8. Mt 1, 1-16[]
  9. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.37[]
  10. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.18[]
  11. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.19[]
  12. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.22[]
  13. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.211[]
  14. Mt 1, 20-21[]
  15. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.212[]
  16. Mt 2, 13[]
  17. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.302[]
  18. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.299[]
  19. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.424[]
  20. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.49[]
  21. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.168[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    O que você vai encontrar neste artigo?

    Confira neste artigo detalhes sobre a vida de São José presentes na tradição católica, desde a sua descendência até a sua morte.

    As Sagradas Escrituras oferecem poucos detalhes sobre São José, limitando-se a descrevê-lo como carpinteiro, esposo de Maria e pai de Jesus. No entanto, apesar de sua rara menção na Bíblia e da ausência de palavras suas registradas, depois de Maria, nenhum outro santo recebeu tantas graças, esteve tão perto de Jesus ou alcançou tamanha glória.

    Neste artigo, vamos apresentar uma visão geral da vida de São José com base não somente nas Escrituras, mas também na Tradição da Igreja. Vamos abordar detalhes sobre várias dimensões da vida desse santo, que é pai de Jesus e Patrono da Igreja Católica, a fim de enriquecer a nossa fé e aumentar a nossa devoção.

    Quem foi São José?

    As Sagradas Escrituras descrevem São José como um homem justo. 1 Segundo São Jerônimo, essa designação indica que o pai de Jesus possuía todas as virtudes em grau perfeito. 2 Como esposo de Maria e pai de Jesus, era caracterizado por sua humildade, obediência a Deus e profundo amor pela Sagrada Família. Sua importância no plano divino é inegável, pois foi o escolhido por Deus para cuidar do Seu Filho único e de Sua Mãe Santíssima, zelando por eles e protegendo-os em sua vida terrena.

    Além disso, São José, como trabalhador dedicado, sustentou sua família com dignidade, ensinando-nos a lição da santidade no cotidiano. O pai de Jesus destaca-se como um verdadeiro exemplo de virtude. Desse modo, a Igreja, confiante naquele a quem Deus confiou a Sagrada Família, o reconhece como patrono, recorrendo à sua intercessão junto a Deus.

    Qual era a profissão de São José?

    São José era um habilidoso artífice, reconhecido como carpinteiro. Embora a palavra original abranja diversos materiais, como ferro, pedra e até metais preciosos, a tradição mais firme e a crença comumente aceita hoje sugerem que ele, de fato, trabalhava com madeira. 3

    No Evangelho de São Mateus, lemos que Jesus era conhecido como o “filho do carpinteiro”. Aliás, um bom artífice, na época, era preferido ao comerciante mais rico, pois as artes eram respeitadas como muito úteis para a sociedade. 4

    Além disso, com a sua profissão, José também obedecia a lei. Pois esta exigia que os pais ensinassem aos filhos um ofício, a fim de terem meios honestos de se sustentarem, ainda que depois não precisassem praticá-lo no futuro.

    Conheça a oração para pedir emprego a São José Operário.

    Quando é o dia de São José?

    A Igreja celebra o dia de São José a 19 de março. Nesta data honramos a vida e a missão do esposo de Maria e pai de Jesus, um dos santos mais importantes na tradição cristã. Sendo assim, nesta ocasião, muitas comunidades e paróquias realizam novenas em preparação para a festa de São José. Esses momentos de oração e reflexão proporcionam aos fiéis a graça de conhecer mais sobre a vida e a missão deste grande santo.

    O que a Bíblia fala sobre São José?

    São José

    Genealogia

    As Escrituras mencionam a genealogia de São José destacando sua nobreza e importância na linhagem real. Através das 40 gerações registradas por São Mateus 5 e das 74 por São Lucas 6, José se destaca por sua ligação com figuras ilustres, como Abraão, Zorobabel, Davi e Salomão. 7

    No Evangelho de São Mateus 8, a genealogia do pai de Jesus apresenta-se desde Abraão até José, destacando-o como descendente de Davi. Já no Evangelho de São Lucas, encontramos esta genealogia de forma ascendente, começando de José até Adão.

    Contudo, a verdadeira glória de José não reside apenas em sua linhagem nobre, mas também na honra de encerrar a linhagem ancestral do Messias. Sua casa tornou-se o ponto de encontro entre a genealogia de Jesus e Maria, sendo identificada como a “genealogia de Jesus Cristo, o Filho de Davi”. 9 A relação íntima entre as três genealogias destaca a missão única e honrosa desse justo patriarca na história da Salvação.

    Relação com José do Egito

    José do Egito e José, pai de Jesus, assemelham-se não somente em nome, mas também na castidade, inocência e graça, sendo o primeiro uma prefiguração em menor escala do segundo, o esposo de Maria. 10 Além disso, a interpretação do nome “José” como “aumento” ou “crescimento” adquire uma dimensão mais profunda com o pai de Jesus, indicando não apenas crescimento em sabedoria, poder e glória pessoal, mas também o aumento dos meios de salvação para nós, seus filhos. 11

    O crescimento e grandeza de José do Egito entre os irmãos ecoam na prefiguração de São José, pai de Jesus, que supera em graça todos os anjos e santos, exceto Maria. Enquanto o primeiro recebe de Deus a inteligência para interpretar sonhos, o segundo participa diretamente dos mistérios divinos recebendo a orientação de Deus por meio de sonhos.

    A narrativa do primeiro sendo vendido e conduzido como escravo ao Egito encontra paralelos na história do segundo José, obrigado a exilar-se no Egito com Jesus e Maria para fugir da inveja de Herodes.

    Além disso, o primeiro José foi constituído pelo Faraó senhor de toda a sua casa e governante de suas posses, e o segundo foi nomeado por Deus como Chefe da Sagrada Família e Patrono da Igreja Católica, por isso

    é ainda mais poderoso, mais rico e mais elevado, assim como a Casa de Nazaré e a Igreja Católica são mais nobres e mais sublimes do que o palácio perecível de Mênfis; e mais extenso é o seu domínio, assim como as possessões de Deus em toda a Terra superam em vastidão as do primeiro José na terra do Egito. 12

    Esses exemplos ilustram a rica simbologia e a profunda relação espiritual entre essas duas figuras bíblicas, conforme evidenciado na tradição cristã e na interpretação de grandes santos ao longo dos séculos.

    Anúncio do nascimento de Jesus

    Depois de anunciar a Maria que seria a mãe do Salvador, o anjo também, provavelmente Gabriel, aparece a José, em sonho, e transmite a ele o seu papel no plano divino. 13

    “[…] eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: “José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados.” 14

    Nesse contexto, frequentemente devido à falta de compreensão da língua, há a tendência de pensar erroneamente que José e Maria ainda não eram casados. Contudo, é importante esclarecer que o casamento já havia ocorrido, e as palavras do anjo serviram para reafirmar que José deveria permanecer ao lado da Virgem Maria, pois ele não estava excluído do plano divino de salvação.

    “A palavra do anjo”, diz Bento XIV, “pela qual ordenou a José que não temesse receber Maria como sua esposa, é um modo de expressão hebraico, que não significa o início de um ato, mas a continuação de um ato já iniciado. O significado de seu mandato é este: ‘Retém e mantém a esposa que tomaste, e não a abandones’; e tal é a interpretação daqueles que são versados no idioma hebraico”. 15

    A presença e a participação de São José fazem parte do cumprimento da profecia do Messias, que se concretiza na Encarnação do Verbo. Além disso, o anjo designa a ele a missão de colocar o nome no Menino, um ofício particularmente atribuído ao pai naquela época.

    Fuga para o Egito

    OLYMPUS DIGITAL CAMERA

    José, como chefe da Sagrada Família e também seu guia e protetor, recebe em sonho a ordem de Deus para fugir com o Menino e sua mãe para o Egito.

    Depois de sua partida, [isto é, dos magos] um anjo do Senhor apareceu em so­nhos a José e disse: “Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar”. 16

    Nesse episódio, contemplamos a obediência de José e sua grande confiança em Deus.

    Quantas perguntas José não poderia ter feito! Era uma noite escura: deveria esperar até o amanhecer? Para que parte do Egito ir? […] Sozinhos, sem saber o caminho; expostos ao perigo de feras e ladrões; em pleno inverno; […] Mas José ficou em silêncio. Bastava-lhe ouvir. Então se levantou e fez como o anjo lhe ordenara: tomou o Menino e Sua Mãe durante a noite e fugiu para o Egito. 17

    Sem dúvida, a viagem lhe custou muito — esforço, cansaço, sofrimento —, não só fisicamente. Também lhe doía, como esposo, ver a Virgem Santíssima naquelas condições, tendo acabado de dar à luz, e, como pai, ver o menino tão pobre e frágil. Mas, ao mesmo tempo, esta missão era para São José uma honra.

    Somente a José caberia a glória de preservar uma vida que, em cada um de seus instantes, era incomparavelmente mais valiosa do que as vidas somadas de todos os seres criados. Todos os homens contribuíram para a morte do Salvador; apenas um o salvou da morte em Sua infância. […] Por isso, São José foi chamado de “salvador do Salvador”, tendo-o salvado da morte por homicídio e por inanição. 18

    Você conhece as sete dores e alegrias de São José? Confira aqui.

    A morte de São José

    A Sagrada Escritura não menciona a morte de São José. A opinião predominante é que ele tenha falecido antes do início da vida pública de Jesus aos trinta anos. Esse consenso sugere que, com o término da vida oculta de Jesus, durante a qual José desempenhou um papel fundamental como pai, esta missão teria alcançado sua plenitude. Embora Maria continuasse a exercer um papel significativo, o propósito para o qual São José foi escolhido parecia ter sido cumprido. 19

    Ao envelhecer, supõe-se que o santo tenha enfrentado os desafios associados à idade avançada, incluindo doenças e exaustão. No entanto, uma tradição nas igrejas orientais sugere uma perspectiva diferente, afirmando que São José não experimentou a decadência natural da sua força na velhice. Além disso, alguns santos, como São João Damasceno, acreditam que o pai de Jesus tenha sido assunto aos céus de corpo.

    Qual é a importância de São José para a Igreja Católica?

    São José ocupa um lugar de destaque na tradição e na devoção católica. Em primeiro lugar, foi designado pelo próprio Deus para ser o guardião da Sagrada Família e, posteriormente, da Igreja de Cristo, como Patrono.

    José foi o mais feliz, o mais privilegiado, o mais exaltado e o último dos patriarcas – o último no tempo, e o primeiro em dignidade. 20

    De acordo com a doutrina católica, depois de Maria, São José é o mais próximo de Nosso Senhor, superando até mesmo grandes mártires e doutores da Igreja.

    […] se era grande a dignidade da Virgem em ser a Mãe de Deus, grande também era a dignidade de José em ser o esposo daquela de quem nasceu o Filho de Deus 21

    A missão confiada por Deus a José revela a necessidade de uma elevada santidade, proporcional à missão recebida. A perfeição deste santo reside em sua submissão à vontade divina, sendo sua vocação intimamente ligada ao mistério da Encarnação redentora. Ao ser reconhecido como patrono da Igreja, São José torna-se não apenas um intercessor, mas também um modelo de virtude para todos os fiéis.

    Na Missa, a menção a São José ao lado da Virgem Maria — “[…] com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com São José, seu esposo, os bem-aventurados Apóstolos…” — destaca, portanto, a sua importância na história da salvação, enfatizando seu papel de protetor do Filho de Deus. Dessa forma, a referência a ele na liturgia reforça a confiança na sua intercessão e recorda a todos a dignidade daquele que foi escolhido para ser o pai de Jesus, o Verbo Encarnado.

    Que tal iniciar a novena a São José?

    Referências

    1. Mt 1, 19[]
    2. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.88[]
    3. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.94[]
    4. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.90[]
    5. Mt 1, 1-18[]
    6. Lc 3, 23-38[]
    7. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.35[]
    8. Mt 1, 1-16[]
    9. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.37[]
    10. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.18[]
    11. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.19[]
    12. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.22[]
    13. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.211[]
    14. Mt 1, 20-21[]
    15. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.212[]
    16. Mt 2, 13[]
    17. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.302[]
    18. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.299[]
    19. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.424[]
    20. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.49[]
    21. Thompson, Edward Healy, Vida e Glórias de São José. Tradução: Adriel Teixeira, Gabriel Ceroni Lied. — Dois Irmãos, RS : Minha Biblioteca Católica, 2021, p.168[]

    Redação Minha Biblioteca Católica

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.