Formação

O que são os Sacramentos?

Entenda o que são os sacramentos, qual sua origem e natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

O que são os Sacramentos?
Formação

O que são os Sacramentos?

Entenda o que são os sacramentos, qual sua origem e natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

Data da Publicação: 23/08/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 23/08/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

Entenda o que são os sacramentos, qual sua origem e natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

Através dos sacramentos, a Igreja realiza a sua missão santificadora. 1 A nossa vida de fé em Cristo precisa dos sacramentos, dos quais a Igreja é a fonte.  Aliás, toda a vida litúrgica da Igreja gravita em torno do sacrifício eucarístico e dos sacramentos. 2 No entanto, por vezes, negligenciamos nosso batismo ou adiamos buscar o perdão divino.

Isso muitas vezes ocorre porque não compreendemos plenamente a essência dos sacramentos e como eles nos ligam a Deus e são meios, deixados pelo próprio Cristo, para chegarmos um dia à Sua presença na glória celeste. Por isso, neste artigo, vamos abordar a origem dos sacramentos, sua natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

Os sacramentos

“Os sacramentos são sinais eficazes da graça” 3, isto é, eles não são ritos vazios, são meios eficazes pelos quais Deus nos transmite a Sua graça. Pense neles como canais que nos conectam diretamente à vida divina. Através deles recebemos a graça de Deus, que nos fortalece para viver de acordo com a Sua vontade, bem como para crescer espiritualmente. 

Jesus Cristo instituiu esses sacramentos e confiou à Igreja a responsabilidade de celebrá-los por meio de rituais visíveis que “significam e realizam as graças próprias de cada sacramento.” 3  No Batismo, não apenas somos limpos do pecado original, mas também nos tornamos membros do Corpo de Cristo — ou seja, passamos a fazer parte da Igreja. 

Matrimônio, um dos 7 Sacramentos.
Matrimônio, um dos 7 Sacramentos.

Os sacramentos têm um propósito central: a nossa salvação. Sendo assim, servem para instruir e fortalecer os fiéis, bem como levá-los a prestar culto a Deus. Eles também são chamados “sacramentos da fé” porque não apenas exigem fé, mas também a alimentam, a fortalecem e a expressam.

É importante lembrar que se o sacramento é celebrado de acordo com a intenção da Igreja, o poder de Cristo e do Espírito Santo opera através dele: “é o próprio Cristo que opera: é Ele que baptiza, é Ele que age nos sacramentos para comunicar a graça que o sacramento significa. ” 4. Sendo assim, a sua eficácia não depende da santidade pessoal do ministro que os administra; diferente dos seus frutos, os quais dependem de nossas próprias disposições, ou seja, de quão abertos estamos para receber a graça de Deus. 5

A natureza dos Sacramentos

Os sacramentos são sinais sensíveis constituídos por palavras e ações que são acessíveis à nossa realidade. Sendo assim, realizam a graça que representam, em virtude da ação de Cristo e pelo poder do Espírito Santo, que é o “sinal invisível” presente no sacramento. 6

A parte sensível dos sacramentos é composta por dois elementos distintos: a matéria e a forma. A matéria é a parte tangível, o que vemos e tocamos durante a celebração do sacramento. Ela varia de acordo com cada sacramento, como a água no Batismo ou o pão e o vinho na Eucaristia. Por outro lado, a forma é a frase específica proferida pelo ministro ao realizar o sacramento. É através dessas palavras — específicas de cada sacramento — que a graça é comunicada. 

Já a parte invisível dos sacramentos é a graça sacramental, a ação divina que transforma nossas vidas. É ela que confere significado e eficácia aos ritos visíveis e às palavras pronunciadas. Embora não possamos ver ou tocar a graça, ela é a ação divina que atua em nossa alma, a fim de transformá-la e aproximá-la de Deus. 

Dessa forma, a parte sensível dos sacramentos, ou seja, a matéria e a forma, atua como um elo entre o mundo visível e a graça invisível.

Os sete sacramentos

Bebê recebendo o sacramento do batismo, um dos 7 sacramentos.
Bebê recebendo o sacramento do batismo.

A Igreja, orientada pelo Espírito — que a guia à verdade completa — reconheceu gradualmente o tesouro dado por Cristo. Assim, ela foi cuidadosamente esclarecendo o modo de administrar os sacramentos, da mesma maneira que fez com as Escrituras Sagradas e os ensinamentos da fé. Ao longo do tempo, a Igreja percebeu que, entre suas celebrações litúrgicas, há sete que são, de fato, sacramentos  instituídos pelo próprio Cristo. 7 

  1. Batismo: é o princípio da vida nova; ao sermos batizados, nascemos para a vida cristã, somos livres do pecado original e incorporados à Igreja. 8
  1. Confirmação: confirma e completa a unção batismal, por isso recebemos o Espírito Santo e somos fortalecidos para testemunhar nossa fé. 9
  1. Eucaristia: alimenta o fiel; comungamos o próprio Cristo, Seu Corpo e Sangue, a fim de sermos transformados nele. 8
  1. Penitência: perdoa os pecados cometidos depois do Baptismo; ao confessarmos os nossos pecados ao sacerdote, encontramos perdão e reconciliação, renovando nosso relacionamento com Deus. 10
  1. Unção dos Enfermos: confere uma graça especial ao cristão que enfrenta as dificuldades ligadas ao estado de doença grave ou de velhice — podemos receber de Deus a cura física ou espiritual. 11
  1. Ordem: com este sacramento os homens chamados ao ministério sacerdotal servem, em nome e na pessoa de Cristo-Cabeça, no meio da comunidade. 12
  1. Matrimônio: ao se casarem, um homem e uma mulher constituem entre si uma comunidade íntima de vida e de amor; o sacramento destina-se ao bem dos cônjuges, bem como à procriação e educação dos filhos. 13

Podemos perceber semelhanças entre as fases da vida natural e as da vida espiritual, uma vez que os sete sacramentos abarcam todas as partes importantes da vida de um cristão. Eles marcam o nascimento, o crescimento, a cura e a vida de fé. 14 

Origem

A Última Ceia de Leonardo da Vinci, onde Cristo institui o Sacramento da Eucaristia.

A origem dos sacramentos está enraizada na vida e ministério de Jesus Cristo. Ele instituiu os sacramentos, a fim de proporcionar meios concretos pelos quais a graça divina pudesse ser comunicada a nós. Através da Sagrada Escritura, das tradições apostólicas e do consenso dos santos Padres, a Igreja professa que todos os sacramentos da nova Lei foram instituídos por Jesus Cristo. 15

Desde os seus dias de vida oculta até o seu ministério público, as palavras e ações de Jesus já continham um poder salvífico. Elas não apenas antecipavam o seu mistério pascal, mas também preparavam o caminho para a futura oferta à Igreja. A vida de Cristo é o alicerce sobre o qual os sacramentos se erguem. 16

Os sacramentos são canais ativos das forças do Espírito Santo, os quais fluem do corpo vivo de Cristo, a Igreja. Dessa forma, são o meio pelo qual a Igreja, por meio dos seus ministros, continua a dispensar as graças de Cristo, incorporando os mistérios da Sua vida em ritos sagrados, a fim de nos salvar — e, mais que isso, santificar-nos.

Os Sacramentos são necessários para a nossa salvação

Os sacramentos são necessários para a nossa salvação 17, pois são os meios estabelecidos por Cristo para nos ligar à Sua graça e à Sua obra redentora. Através dos sacramentos, recebemos a graça do Espírito Santo, que nos transforma interiormente, perdoa nossos pecados e nos capacita a viver de acordo com a vontade de Deus.

Papa Francisco ministrando a Unção dos Enfermos.

Cada sacramento tem um propósito específico na nossa vida de fé. O Batismo nos purifica do pecado original e nos introduz na Igreja, a Confirmação fortalece a nossa fé e nos concede os dons do Espírito Santo, a  Eucaristia nos alimenta com o corpo e o sangue de Cristo, a fim de nos transformar nele, e assim por diante.

Dessa forma, os sacramentos estão intimamente ligados à Igreja, eles são “da Igreja” porque existem, em primeiro lugar, por meio dela. A Igreja é o local onde a ação redentora de Cristo se desdobra através do Espírito Santo, é o canal vivo por meio do qual os sacramentos fluem. 18 Além disso, os sacramentos estão “para a Igreja”. Eles desempenham um papel fundamental na sua construção e manutenção, a fim de que ela cresça e se manifeste como uma comunidade de fé. 

Os sacramentos — sobretudo a Eucaristia — revelam e transmitem o profundo mistério da unidade trinitária de Deus, que é amor. Sendo assim, a vida da Igreja — a nossa vida, afinal, — se realiza nos Sacramentos, uma vez que Cristo age através deles, a fim de nos conduzir ao caminho da graça e da vida eterna. 

A nossa vida sacramental é, portanto, uma vida ativa, uma vez que a graça de Cristo atua em nós e exige de nós uma disposição, uma resposta. “O sacramento consiste em “manifestar” aquele mistério num sinal que serve não só para proclamar o mistério, mas também para actuá-lo no homem.” 1

Referências

  1. Papa João Paulo II, Audiência Geral, setembro de 1982[][]
  2. CIC, 1113[]
  3. CIC, 1131[][]
  4. CIC, 1127[]
  5. CIC, 1128[]
  6. CIC, 1084[]
  7. CIC, 1117[]
  8. CIC, 1275[][]
  9. CIC,  1242[]
  10. CIC, 1486[]
  11. CIC, 1527[]
  12. CIC, 1591[]
  13. CIC, 1660[]
  14. CIC, 1210[]
  15. CIC, 1114[]
  16. CIC, 1115[]
  17. CIC, 1129[]
  18. CIC, 1118[]

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.

    Redação MBC

    Redação MBC

    O maior clube de leitores católicos do Brasil.

    Garanta seu box

    Entenda o que são os sacramentos, qual sua origem e natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

    Através dos sacramentos, a Igreja realiza a sua missão santificadora. 1 A nossa vida de fé em Cristo precisa dos sacramentos, dos quais a Igreja é a fonte.  Aliás, toda a vida litúrgica da Igreja gravita em torno do sacrifício eucarístico e dos sacramentos. 2 No entanto, por vezes, negligenciamos nosso batismo ou adiamos buscar o perdão divino.

    Isso muitas vezes ocorre porque não compreendemos plenamente a essência dos sacramentos e como eles nos ligam a Deus e são meios, deixados pelo próprio Cristo, para chegarmos um dia à Sua presença na glória celeste. Por isso, neste artigo, vamos abordar a origem dos sacramentos, sua natureza e por que eles são necessários para a nossa salvação.

    Os sacramentos

    “Os sacramentos são sinais eficazes da graça” 3, isto é, eles não são ritos vazios, são meios eficazes pelos quais Deus nos transmite a Sua graça. Pense neles como canais que nos conectam diretamente à vida divina. Através deles recebemos a graça de Deus, que nos fortalece para viver de acordo com a Sua vontade, bem como para crescer espiritualmente. 

    Jesus Cristo instituiu esses sacramentos e confiou à Igreja a responsabilidade de celebrá-los por meio de rituais visíveis que “significam e realizam as graças próprias de cada sacramento.” 3  No Batismo, não apenas somos limpos do pecado original, mas também nos tornamos membros do Corpo de Cristo — ou seja, passamos a fazer parte da Igreja. 

    Matrimônio, um dos 7 Sacramentos.
    Matrimônio, um dos 7 Sacramentos.

    Os sacramentos têm um propósito central: a nossa salvação. Sendo assim, servem para instruir e fortalecer os fiéis, bem como levá-los a prestar culto a Deus. Eles também são chamados “sacramentos da fé” porque não apenas exigem fé, mas também a alimentam, a fortalecem e a expressam.

    É importante lembrar que se o sacramento é celebrado de acordo com a intenção da Igreja, o poder de Cristo e do Espírito Santo opera através dele: “é o próprio Cristo que opera: é Ele que baptiza, é Ele que age nos sacramentos para comunicar a graça que o sacramento significa. ” 4. Sendo assim, a sua eficácia não depende da santidade pessoal do ministro que os administra; diferente dos seus frutos, os quais dependem de nossas próprias disposições, ou seja, de quão abertos estamos para receber a graça de Deus. 5

    A natureza dos Sacramentos

    Os sacramentos são sinais sensíveis constituídos por palavras e ações que são acessíveis à nossa realidade. Sendo assim, realizam a graça que representam, em virtude da ação de Cristo e pelo poder do Espírito Santo, que é o “sinal invisível” presente no sacramento. 6

    A parte sensível dos sacramentos é composta por dois elementos distintos: a matéria e a forma. A matéria é a parte tangível, o que vemos e tocamos durante a celebração do sacramento. Ela varia de acordo com cada sacramento, como a água no Batismo ou o pão e o vinho na Eucaristia. Por outro lado, a forma é a frase específica proferida pelo ministro ao realizar o sacramento. É através dessas palavras — específicas de cada sacramento — que a graça é comunicada. 

    Já a parte invisível dos sacramentos é a graça sacramental, a ação divina que transforma nossas vidas. É ela que confere significado e eficácia aos ritos visíveis e às palavras pronunciadas. Embora não possamos ver ou tocar a graça, ela é a ação divina que atua em nossa alma, a fim de transformá-la e aproximá-la de Deus. 

    Dessa forma, a parte sensível dos sacramentos, ou seja, a matéria e a forma, atua como um elo entre o mundo visível e a graça invisível.

    Os sete sacramentos

    Bebê recebendo o sacramento do batismo, um dos 7 sacramentos.
    Bebê recebendo o sacramento do batismo.

    A Igreja, orientada pelo Espírito — que a guia à verdade completa — reconheceu gradualmente o tesouro dado por Cristo. Assim, ela foi cuidadosamente esclarecendo o modo de administrar os sacramentos, da mesma maneira que fez com as Escrituras Sagradas e os ensinamentos da fé. Ao longo do tempo, a Igreja percebeu que, entre suas celebrações litúrgicas, há sete que são, de fato, sacramentos  instituídos pelo próprio Cristo. 7 

    1. Batismo: é o princípio da vida nova; ao sermos batizados, nascemos para a vida cristã, somos livres do pecado original e incorporados à Igreja. 8
    1. Confirmação: confirma e completa a unção batismal, por isso recebemos o Espírito Santo e somos fortalecidos para testemunhar nossa fé. 9
    1. Eucaristia: alimenta o fiel; comungamos o próprio Cristo, Seu Corpo e Sangue, a fim de sermos transformados nele. 8
    1. Penitência: perdoa os pecados cometidos depois do Baptismo; ao confessarmos os nossos pecados ao sacerdote, encontramos perdão e reconciliação, renovando nosso relacionamento com Deus. 10
    1. Unção dos Enfermos: confere uma graça especial ao cristão que enfrenta as dificuldades ligadas ao estado de doença grave ou de velhice — podemos receber de Deus a cura física ou espiritual. 11
    1. Ordem: com este sacramento os homens chamados ao ministério sacerdotal servem, em nome e na pessoa de Cristo-Cabeça, no meio da comunidade. 12
    1. Matrimônio: ao se casarem, um homem e uma mulher constituem entre si uma comunidade íntima de vida e de amor; o sacramento destina-se ao bem dos cônjuges, bem como à procriação e educação dos filhos. 13

    Podemos perceber semelhanças entre as fases da vida natural e as da vida espiritual, uma vez que os sete sacramentos abarcam todas as partes importantes da vida de um cristão. Eles marcam o nascimento, o crescimento, a cura e a vida de fé. 14 

    Origem

    A Última Ceia de Leonardo da Vinci, onde Cristo institui o Sacramento da Eucaristia.

    A origem dos sacramentos está enraizada na vida e ministério de Jesus Cristo. Ele instituiu os sacramentos, a fim de proporcionar meios concretos pelos quais a graça divina pudesse ser comunicada a nós. Através da Sagrada Escritura, das tradições apostólicas e do consenso dos santos Padres, a Igreja professa que todos os sacramentos da nova Lei foram instituídos por Jesus Cristo. 15

    Desde os seus dias de vida oculta até o seu ministério público, as palavras e ações de Jesus já continham um poder salvífico. Elas não apenas antecipavam o seu mistério pascal, mas também preparavam o caminho para a futura oferta à Igreja. A vida de Cristo é o alicerce sobre o qual os sacramentos se erguem. 16

    Os sacramentos são canais ativos das forças do Espírito Santo, os quais fluem do corpo vivo de Cristo, a Igreja. Dessa forma, são o meio pelo qual a Igreja, por meio dos seus ministros, continua a dispensar as graças de Cristo, incorporando os mistérios da Sua vida em ritos sagrados, a fim de nos salvar — e, mais que isso, santificar-nos.

    Os Sacramentos são necessários para a nossa salvação

    Os sacramentos são necessários para a nossa salvação 17, pois são os meios estabelecidos por Cristo para nos ligar à Sua graça e à Sua obra redentora. Através dos sacramentos, recebemos a graça do Espírito Santo, que nos transforma interiormente, perdoa nossos pecados e nos capacita a viver de acordo com a vontade de Deus.

    Papa Francisco ministrando a Unção dos Enfermos.

    Cada sacramento tem um propósito específico na nossa vida de fé. O Batismo nos purifica do pecado original e nos introduz na Igreja, a Confirmação fortalece a nossa fé e nos concede os dons do Espírito Santo, a  Eucaristia nos alimenta com o corpo e o sangue de Cristo, a fim de nos transformar nele, e assim por diante.

    Dessa forma, os sacramentos estão intimamente ligados à Igreja, eles são “da Igreja” porque existem, em primeiro lugar, por meio dela. A Igreja é o local onde a ação redentora de Cristo se desdobra através do Espírito Santo, é o canal vivo por meio do qual os sacramentos fluem. 18 Além disso, os sacramentos estão “para a Igreja”. Eles desempenham um papel fundamental na sua construção e manutenção, a fim de que ela cresça e se manifeste como uma comunidade de fé. 

    Os sacramentos — sobretudo a Eucaristia — revelam e transmitem o profundo mistério da unidade trinitária de Deus, que é amor. Sendo assim, a vida da Igreja — a nossa vida, afinal, — se realiza nos Sacramentos, uma vez que Cristo age através deles, a fim de nos conduzir ao caminho da graça e da vida eterna. 

    A nossa vida sacramental é, portanto, uma vida ativa, uma vez que a graça de Cristo atua em nós e exige de nós uma disposição, uma resposta. “O sacramento consiste em “manifestar” aquele mistério num sinal que serve não só para proclamar o mistério, mas também para actuá-lo no homem.” 1

    Referências

    1. Papa João Paulo II, Audiência Geral, setembro de 1982[][]
    2. CIC, 1113[]
    3. CIC, 1131[][]
    4. CIC, 1127[]
    5. CIC, 1128[]
    6. CIC, 1084[]
    7. CIC, 1117[]
    8. CIC, 1275[][]
    9. CIC,  1242[]
    10. CIC, 1486[]
    11. CIC, 1527[]
    12. CIC, 1591[]
    13. CIC, 1660[]
    14. CIC, 1210[]
    15. CIC, 1114[]
    16. CIC, 1115[]
    17. CIC, 1129[]
    18. CIC, 1118[]

    Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

      Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.