Formação

Natal do Senhor: a festa do nascimento de Cristo

Conheça o verdadeiro sentido do Natal do Senhor, explorando a narrativa bíblica deste acontecimento e os símbolos que o permeiam.

Natal do Senhor: a festa do nascimento de Cristo
Formação

Natal do Senhor: a festa do nascimento de Cristo

Conheça o verdadeiro sentido do Natal do Senhor, explorando a narrativa bíblica deste acontecimento e os símbolos que o permeiam.

Data da Publicação: 22/12/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC
Data da Publicação: 22/12/2023
Tempo de leitura:
Autor: Redação MBC

Conheça o verdadeiro sentido do Natal do Senhor, explorando a narrativa bíblica deste acontecimento e os símbolos que o permeiam.

O Natal, marcado pelo fim do ano civil, envolve-nos em intensos preparativos. Organizamos nossas casas, preparamos refeições, compramos presentes — afazeres que fazem parte de nossa vida terrena. No entanto, em meio a esse movimento, não podemos perder de vista o verdadeiro significado deste tempo, assim como o encanto, a beleza e a grandeza que residem na simplicidade do presépio.

Será que estamos vivendo o Natal como a festa do nascimento de Cristo? O Natal é a festa que antecede nossa salvação! Refletindo sobre a noite em que São José e a Virgem Maria, sem encontrar abrigo, testemunharam o nascimento do Senhor em uma manjedoura simples, entre palhas e animais, somos convidados a compreender profundamente o que celebramos neste tempo feliz. Confira neste artigo o verdadeiro significado do Natal, a narrativa bíblica desse episódio e como viver o Natal do Senhor em nossas vidas.

O que exatamente nós comemoramos no Natal do Senhor?

No Natal, celebramos a extraordinária manifestação do amor divino: o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. O Verbo se fez carne para nos tornar participantes da sua natureza divina. 1 Nesta festa sagrada, contemplamos o mistério da humildade divina, onde o Rei dos céus desce até nós, nascendo em uma simples manjedoura. Por nós, para nós, homens pecadores, foi que Cristo veio!

O nascimento de uma criança é sempre uma alegria, a ternura infantil toma conta dos nossos corações. Imagine, então, a grandiosidade desse momento quando se trata do próprio Deus, que deixando seu trono, assume a nossa condição humana — exceto no pecado — para a nossa salvação. No Natal, celebramos, portanto, o dia que representa para nós “a nova redenção, a antiga preparação, a felicidade eterna.” 2

Prepare-se para o Natal com as meditações de Santo Afonso.

Por que celebrar o Natal do Senhor?

O Natal é a celebração profunda do amor divino revelado no nascimento de Jesus Cristo. Como nos orienta o tempo do Advento, toda a preparação e expectativa culminam neste evento extraordinário. No entanto, este período nos recorda não apenas a memória do acontecimento histórico do nascimento de Cristo, mas também a viva esperança da Sua vinda definitiva. Ao contemplarmos a manjedoura, não relembramos somente o momento em que Deus se fez homem, mas também antecipamos a promessa de Sua volta gloriosa.

Assim, para bem celebrar o Natal precisamos nutrir em nós a esperança, aguardando a consumação da redenção prometida no fim dos tempos. O Natal é uma celebração que transcende o tempo, unindo passado, presente e futuro na promessa eterna de salvação. Desse modo, encontramos significado não só na recordação do nascimento de Cristo, mas também na esperança ardente de Sua segunda vinda.

A vigilância e a oração antecedem o tempo do Natal justamente com o objetivo de nos despertar para o sentido deste tempo. Celebrar o Natal é, portanto, recordar à nossa alma que Cristo veio e virá novamente, e os nossos corações precisam estar preparados para que este grande encontro seja para nós a felicidade eterna ao lado do Senhor.

Descubra o que todo católico deve saber sobre o tempo do Advento.

Narrativa Bíblica do Natal do Senhor

Cada Evangelho, narra os episódios da vida de Cristo de uma maneira única, tendo em vista a perspectiva, a experiência e o estilo de cada evangelista. Em relação ao nascimento de Jesus, Mateus, atento à genealogia real e ao cumprimento de profecias, destaca a realeza de Cristo. Enquanto isso, Lucas revela a simplicidade e a universalidade do evento, mergulhando na ternura dos momentos mais íntimos.

Então, vamos explorar ambas as narrativas, a fim de enriquecer a nossa compreensão a respeito do evento que marcou a história da humanidade.

Conheça as principais curiosidades sobre a Bíblia.

Natal segundo o Evangelho de Mateus

O Evangelho de São Mateus apresenta o Natal com uma ênfase especial na genealogia de Jesus, destacando sua conexão com a linhagem de Davi. O relato começa com a genealogia 3 que traça a ascendência de Jesus desde Abraão até José, o esposo de Maria. Em seguida, ele conta como foi a origem de Jesus:

A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, comprometida em casamento com José, antes que coabitassem, achou-se grávida pelo Espírito Santo. […] 4

Depois disso, Mateus destaca a fidelidade de José ao receber a notícia do anjo a respeito do nascimento de Jesus e do que deveria fazer: 5

José, ao despertar do sono, agiu conforme o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu em casa sua mulher. Mas não a conheceu até o dia em que ela deu à luz um filho. E ele o chamou com o nome de Jesus. 6

Este Evangelho também ressalta a natureza real do Messias, por meio da visita dos Magos, que reconhecem Sua realeza e O adoram com presentes simbólicos. 7

Ao entrar na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o homenagearam. Em seguida, abriram seus cofres e ofereceram-lhe presentes: ouro, incenso e mirra. 8

Além disso, a narrativa de Mateus enfatiza a chegada do Salvador como o cumprimento das profecias messiânicas. Em diversos momentos ele afirma que tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que está nas Escrituras ou o que foi dito pelos profetas — como em Mt 1, 22-23 e Mt 2, 15.

Natal segundo o Evangelho de Lucas

O Evangelho de São Lucas oferece uma perspectiva mais detalhada sobre os eventos que cercam o nascimento de Jesus. O relato começa com o anúncio do nascimento de João Batista aos pais Zacarias e Isabel, estabelecendo um paralelo entre os dois nascimentos milagrosos.

A narrativa de São Lucas sobre o nascimento de Jesus transporta-nos para Belém, onde o recenseamento leva Maria e José a buscar abrigo em um estábulo. É neste cenário humilde que Jesus nasce e é colocado na manjedoura. 9 Lucas enfatiza a simplicidade do local contrastada com a grandeza do evento.

Em seguida, a cena é complementada pela anunciação dos anjos aos pastores, que, maravilhados, correm para adorar o recém-nascido Salvador. Esses pastores representam os humildes, destacando a universalidade da mensagem divina.

Enquanto lá estavam, completaram-se os dias para o parto, e ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura, porque não havia um lugar para eles na sala. Na mesma região havia uns pastores que estavam nos campos e que durante as vigílias da noite montavam guarda a seu rebanho. O Anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor envolveu-os de luz; e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, disse-lhes: “Não temais! Eis que eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Nasceu-vos hoje um Salvador, que é o Cristo-Senhor, na cidade de Davi. […] Foram então às pressas, e encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura. 10

Logo depois, a narrativa da Apresentação de Jesus no Templo também traz, nas palavras de Simeão, o sentido do Natal:

Agora, Soberano Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque meus olhos viram tua salvação […] 11.

A liturgia do Natal do Senhor

Papa Francisco celebrando a Missa do Galo por ocasião do Natal do Senhor
Tradicional Missa do Galo, celebrada pelo Santo Padre na Basílica de São Pedro. | Foto divulgação: Vatican News.

A Solenidade de Natal é uma festa, a única, que pode ser celebrada com quatro missas. São quatro liturgias para uma festa, e os textos são os mesmos para os três anos litúrgicos. Cada uma dessas celebrações apresenta uma perspectiva única do nascimento do Salvador, enriquecendo a compreensão do mistério divino que envolve o Natal: um Deus que se fez homem.

A Missa da Vigília, com o Evangelho de São Mateus, leva-nos às raízes que moldaram o caminho para a vinda do Senhor, ao explorar a genealogia de Jesus ligando-o às promessas antigas. 12 Já na Missa da Noite, somos conduzidos ao ambiente humilde de Belém, testemunhando o alegre anúncio dos anjos aos pastores pelo Evangelho de São Lucas. 13

Ao romper da Manhã, a Missa do Alvorecer destaca a singela e imediata adoração dos pastores que, com fé, caminharam até o recém-nascido. 14 Por fim, na Missa do Dia de Natal, mergulhamos nas palavras do prólogo de São João 15, que nos leva à profundeza teológica da encarnação.

Além dessas quatro celebrações, a Oitava de Natal estende a alegria e a reflexão deste tempo, proporcionando uma semana de contemplação sobre o grande evento que é o nascimento de Jesus. Durante esses dias, a Igreja oferece aos fiéis a oportunidade de se aprofundarem ainda mais no mistério do Natal, fortalecendo a sua fé, sobretudo por meio da liturgia e da participação na Eucaristia.

Saiba mais sobre esse período que estende a alegria e a reverência do Natal para além do dia 25 de dezembro: O que é a Oitava de Natal?

Os símbolos do Natal do Senhor

O presépio

O presépio, que tem o Cristo como centro, vai além de uma simples função decorativa, carregando consigo um profundo sentido espiritual e catequético. Originado pela inspiração de São Francisco, seu propósito é nutrir a devoção interior e fomentar a oração pessoal. Desse modo, a preparação do presépio convida os católicos a acompanharem, com piedade, as cenas que antecederam a vinda de Nosso Senhor. Cada figura, cuidadosamente colocada, conta a história da encarnação, chamando-nos a contemplar a grandeza do mistério do Deus Encarnado, em meio a este pobre cenário.

Presépio, um dos mais tradicionais símbolos do Natal do Senhor

Os magos

“Andaram as gentes na tua luz e os reis no esplendor do teu nascimento.” 16

Os magos, guiados pela estrela, foram adorar Jesus. Eles representam a salvação trazida a todos os povos, não somente para os judeus, uma vez que foram os primeiros gentios a acreditarem em Jesus, o Messias. Suas oferendas de ouro, incenso e mirra transcendem a generosidade material, simbolizando a realeza, a divindade e o sacrifício de Jesus.

Entenda quem foram os Reis Magos e conheça o simbolismo do Natal.

A Virgem Maria

A Virgem Maria tem um papel singular na história da Redenção. Desde a sua concepção, foi preparada para ser a mãe do Verbo Encarnado, o qual traria a salvação à humanidade. O seu fiat, seu sim generoso, foi o ponto de partida para a realização da promessa messiânica. Nossa Senhora personifica, desse modo, a entrega total e a confiança em Deus, aceitando plenamente a Sua vontade. Enquanto Eva contribuiu para a queda da humanidade, Maria, por sua cooperação no plano divino, tornou-se um instrumento fundamental na obra de salvação, colaborando para a restauração da comunhão entre Deus e os homens. Contemplar Maria no Natal nos convida, portanto, a cultivar uma disposição de coração que acolhe a graça divina.

Você conhece os dogmas marianos?

São José

A presença de São José no presépio não é meramente secundária; ao contrário, ele se destaca como o guardião zeloso e o protetor da Sagrada Família. O olhar de São José, permeado pela fé, testemunha silenciosamente o milagre do nascimento de Cristo. A sua figura personifica a obediência e a responsabilidade. Em sua proteção a Maria e Jesus, São José representa a importância da paternidade espiritual e do cuidado atencioso no desenvolvimento da divina missão. Sua disposição para aceitar o plano divino, mesmo sem compreender completamente, coloca-o como um modelo de confiança em Deus. Portanto, São José é para nós o símbolo da fé silenciosa e da obediência amorosa.

Os sinos

Antigamente, os sinos anunciavam a hora do Angelus e, atualmente, ainda tocam antes das Missas em algumas paróquias, além de serem utilizados também no momento que antecede a consagração, na Santa Missa. Desse modo, percebemos que eles convocam os fiéis a se prepararem espiritualmente, simbolizando um chamado divino. O toque dos sinos ressoa como um convite a nos voltarmos à presença de Deus, recordando-nos do incessante chamado para nos aproximarmos do Salvador. Sendo assim, durante o Natal, especialmente, os sinos se tornam um eco emocionante do anúncio mais extraordinário: a chegada do Redentor ao mundo.

Os pastores

No presépio, os pastores simbolizam a resposta imediata à notícia do nascimento de Jesus. A simplicidade de suas vidas e a natureza humilde de seu trabalho destacam a universalidade do convite divino. Ao receberem a mensagem dos anjos, os pastores não hesitaram em ir ao encontro do Salvador, tornando-se os primeiros a testemunhar o milagre da Encarnação. Sua prontidão em ir ao encontro do Messias ilustra a disposição que todos devemos ter em buscar a presença de Cristo em nossas vidas. Além disso, a imagem dos pastores no presépio destaca a preferência divina pelos humildes e simples de coração.

As velas

Em sua essência, as velas simbolizam a luz de Cristo que veio ao mundo. Ao acendê-las durante o Natal, somos chamados a contemplar a luz divina que dissipa as trevas espirituais. As velas não apenas iluminam, mas também orientam, simbolizando a direção espiritual que encontramos em Cristo. Além disso, o gesto de acender velas torna-se uma expressão simbólica de nossa disposição interior. Quando iluminamos o ambiente, estamos convidando a luz de Cristo a penetrar nossos corações e dissipar as sombras da indiferença e do pecado.

Conheça também o significado da Coroa do Advento.

O Natal do Senhor nas nossas vidas

O Natal do Senhor se revela como o evento que nos trouxe o Salvador, marcando uma importância tão grandiosa que a Igreja se prepara para este momento anualmente, com o tempo do Advento. À medida que revisitamos a cena do presépio, somos convidados a contemplar não apenas um evento histórico, mas também a presença viva de Cristo em nosso dia a dia.

Por isso, pedir que o Menino Jesus habite em nossos corações exige que cultivemos uma vida de oração, uma vida interior e comprometida com o Senhor, pois só assim aprenderemos a desejá-lo de verdade, sem colocar outras coisas na frente da nossa salvação. Na noite de Natal, é fácil perder-se em distrações, mas é necessário mantermos os nossos olhos em Jesus — a alegria habitava o coração de Maria e de José mesmo naquele cenário rude, pois o mais importante estava diante de seus olhos.

E nós também temos diariamente o mais importante diante de nós, em cada Igreja, o Natal antecipado: Jesus na Eucaristia. O Natal do Senhor em nossas vidas está intimamente ligado à experiência eucarística, que exige de nós um coração contrito e humilde. Se soubermos nutrir a constante expectativa da vinda do Senhor, mantendo viva a espera diária do Seu retorno glorioso — trilhando o caminho da vigilância e da oração — experimentaremos, de fato, o que foi o nascimento do Cristo para nós.

Você já conhece a novena da Epifania do Senhor?

Referências

  1. CIC, 460[]
  2. PAPA BENTO XVI, Audiência Geral, 21 de dezembro de 2011[]
  3. Mt 1, 17[]
  4. Mt 1, 18[]
  5. Mt 1, 19-25[]
  6. Mt 1, 24-25[]
  7. Mt 2, 1-11[]
  8. Mt 2, 11[]
  9. Lc 2,1-7[]
  10. Lc 2, 6-11.16[]
  11. Lucas 2,29-30[]
  12. Mt 1, 1-25[]
  13. Lucas 2,1-14[]
  14. Lucas 1,15-20[]
  15. 1,1-18[]
  16. Is 60, 3[]

Redação MBC

Garanta seu box

Conheça o verdadeiro sentido do Natal do Senhor, explorando a narrativa bíblica deste acontecimento e os símbolos que o permeiam.

O Natal, marcado pelo fim do ano civil, envolve-nos em intensos preparativos. Organizamos nossas casas, preparamos refeições, compramos presentes — afazeres que fazem parte de nossa vida terrena. No entanto, em meio a esse movimento, não podemos perder de vista o verdadeiro significado deste tempo, assim como o encanto, a beleza e a grandeza que residem na simplicidade do presépio.

Será que estamos vivendo o Natal como a festa do nascimento de Cristo? O Natal é a festa que antecede nossa salvação! Refletindo sobre a noite em que São José e a Virgem Maria, sem encontrar abrigo, testemunharam o nascimento do Senhor em uma manjedoura simples, entre palhas e animais, somos convidados a compreender profundamente o que celebramos neste tempo feliz. Confira neste artigo o verdadeiro significado do Natal, a narrativa bíblica desse episódio e como viver o Natal do Senhor em nossas vidas.

O que exatamente nós comemoramos no Natal do Senhor?

No Natal, celebramos a extraordinária manifestação do amor divino: o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. O Verbo se fez carne para nos tornar participantes da sua natureza divina. 1 Nesta festa sagrada, contemplamos o mistério da humildade divina, onde o Rei dos céus desce até nós, nascendo em uma simples manjedoura. Por nós, para nós, homens pecadores, foi que Cristo veio!

O nascimento de uma criança é sempre uma alegria, a ternura infantil toma conta dos nossos corações. Imagine, então, a grandiosidade desse momento quando se trata do próprio Deus, que deixando seu trono, assume a nossa condição humana — exceto no pecado — para a nossa salvação. No Natal, celebramos, portanto, o dia que representa para nós “a nova redenção, a antiga preparação, a felicidade eterna.” 2

Prepare-se para o Natal com as meditações de Santo Afonso.

Por que celebrar o Natal do Senhor?

O Natal é a celebração profunda do amor divino revelado no nascimento de Jesus Cristo. Como nos orienta o tempo do Advento, toda a preparação e expectativa culminam neste evento extraordinário. No entanto, este período nos recorda não apenas a memória do acontecimento histórico do nascimento de Cristo, mas também a viva esperança da Sua vinda definitiva. Ao contemplarmos a manjedoura, não relembramos somente o momento em que Deus se fez homem, mas também antecipamos a promessa de Sua volta gloriosa.

Assim, para bem celebrar o Natal precisamos nutrir em nós a esperança, aguardando a consumação da redenção prometida no fim dos tempos. O Natal é uma celebração que transcende o tempo, unindo passado, presente e futuro na promessa eterna de salvação. Desse modo, encontramos significado não só na recordação do nascimento de Cristo, mas também na esperança ardente de Sua segunda vinda.

A vigilância e a oração antecedem o tempo do Natal justamente com o objetivo de nos despertar para o sentido deste tempo. Celebrar o Natal é, portanto, recordar à nossa alma que Cristo veio e virá novamente, e os nossos corações precisam estar preparados para que este grande encontro seja para nós a felicidade eterna ao lado do Senhor.

Descubra o que todo católico deve saber sobre o tempo do Advento.

Narrativa Bíblica do Natal do Senhor

Cada Evangelho, narra os episódios da vida de Cristo de uma maneira única, tendo em vista a perspectiva, a experiência e o estilo de cada evangelista. Em relação ao nascimento de Jesus, Mateus, atento à genealogia real e ao cumprimento de profecias, destaca a realeza de Cristo. Enquanto isso, Lucas revela a simplicidade e a universalidade do evento, mergulhando na ternura dos momentos mais íntimos.

Então, vamos explorar ambas as narrativas, a fim de enriquecer a nossa compreensão a respeito do evento que marcou a história da humanidade.

Conheça as principais curiosidades sobre a Bíblia.

Natal segundo o Evangelho de Mateus

O Evangelho de São Mateus apresenta o Natal com uma ênfase especial na genealogia de Jesus, destacando sua conexão com a linhagem de Davi. O relato começa com a genealogia 3 que traça a ascendência de Jesus desde Abraão até José, o esposo de Maria. Em seguida, ele conta como foi a origem de Jesus:

A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, comprometida em casamento com José, antes que coabitassem, achou-se grávida pelo Espírito Santo. […] 4

Depois disso, Mateus destaca a fidelidade de José ao receber a notícia do anjo a respeito do nascimento de Jesus e do que deveria fazer: 5

José, ao despertar do sono, agiu conforme o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu em casa sua mulher. Mas não a conheceu até o dia em que ela deu à luz um filho. E ele o chamou com o nome de Jesus. 6

Este Evangelho também ressalta a natureza real do Messias, por meio da visita dos Magos, que reconhecem Sua realeza e O adoram com presentes simbólicos. 7

Ao entrar na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o homenagearam. Em seguida, abriram seus cofres e ofereceram-lhe presentes: ouro, incenso e mirra. 8

Além disso, a narrativa de Mateus enfatiza a chegada do Salvador como o cumprimento das profecias messiânicas. Em diversos momentos ele afirma que tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que está nas Escrituras ou o que foi dito pelos profetas — como em Mt 1, 22-23 e Mt 2, 15.

Natal segundo o Evangelho de Lucas

O Evangelho de São Lucas oferece uma perspectiva mais detalhada sobre os eventos que cercam o nascimento de Jesus. O relato começa com o anúncio do nascimento de João Batista aos pais Zacarias e Isabel, estabelecendo um paralelo entre os dois nascimentos milagrosos.

A narrativa de São Lucas sobre o nascimento de Jesus transporta-nos para Belém, onde o recenseamento leva Maria e José a buscar abrigo em um estábulo. É neste cenário humilde que Jesus nasce e é colocado na manjedoura. 9 Lucas enfatiza a simplicidade do local contrastada com a grandeza do evento.

Em seguida, a cena é complementada pela anunciação dos anjos aos pastores, que, maravilhados, correm para adorar o recém-nascido Salvador. Esses pastores representam os humildes, destacando a universalidade da mensagem divina.

Enquanto lá estavam, completaram-se os dias para o parto, e ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura, porque não havia um lugar para eles na sala. Na mesma região havia uns pastores que estavam nos campos e que durante as vigílias da noite montavam guarda a seu rebanho. O Anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor envolveu-os de luz; e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, disse-lhes: “Não temais! Eis que eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Nasceu-vos hoje um Salvador, que é o Cristo-Senhor, na cidade de Davi. […] Foram então às pressas, e encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura. 10

Logo depois, a narrativa da Apresentação de Jesus no Templo também traz, nas palavras de Simeão, o sentido do Natal:

Agora, Soberano Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque meus olhos viram tua salvação […] 11.

A liturgia do Natal do Senhor

Papa Francisco celebrando a Missa do Galo por ocasião do Natal do Senhor
Tradicional Missa do Galo, celebrada pelo Santo Padre na Basílica de São Pedro. | Foto divulgação: Vatican News.

A Solenidade de Natal é uma festa, a única, que pode ser celebrada com quatro missas. São quatro liturgias para uma festa, e os textos são os mesmos para os três anos litúrgicos. Cada uma dessas celebrações apresenta uma perspectiva única do nascimento do Salvador, enriquecendo a compreensão do mistério divino que envolve o Natal: um Deus que se fez homem.

A Missa da Vigília, com o Evangelho de São Mateus, leva-nos às raízes que moldaram o caminho para a vinda do Senhor, ao explorar a genealogia de Jesus ligando-o às promessas antigas. 12 Já na Missa da Noite, somos conduzidos ao ambiente humilde de Belém, testemunhando o alegre anúncio dos anjos aos pastores pelo Evangelho de São Lucas. 13

Ao romper da Manhã, a Missa do Alvorecer destaca a singela e imediata adoração dos pastores que, com fé, caminharam até o recém-nascido. 14 Por fim, na Missa do Dia de Natal, mergulhamos nas palavras do prólogo de São João 15, que nos leva à profundeza teológica da encarnação.

Além dessas quatro celebrações, a Oitava de Natal estende a alegria e a reflexão deste tempo, proporcionando uma semana de contemplação sobre o grande evento que é o nascimento de Jesus. Durante esses dias, a Igreja oferece aos fiéis a oportunidade de se aprofundarem ainda mais no mistério do Natal, fortalecendo a sua fé, sobretudo por meio da liturgia e da participação na Eucaristia.

Saiba mais sobre esse período que estende a alegria e a reverência do Natal para além do dia 25 de dezembro: O que é a Oitava de Natal?

Os símbolos do Natal do Senhor

O presépio

O presépio, que tem o Cristo como centro, vai além de uma simples função decorativa, carregando consigo um profundo sentido espiritual e catequético. Originado pela inspiração de São Francisco, seu propósito é nutrir a devoção interior e fomentar a oração pessoal. Desse modo, a preparação do presépio convida os católicos a acompanharem, com piedade, as cenas que antecederam a vinda de Nosso Senhor. Cada figura, cuidadosamente colocada, conta a história da encarnação, chamando-nos a contemplar a grandeza do mistério do Deus Encarnado, em meio a este pobre cenário.

Presépio, um dos mais tradicionais símbolos do Natal do Senhor

Os magos

“Andaram as gentes na tua luz e os reis no esplendor do teu nascimento.” 16

Os magos, guiados pela estrela, foram adorar Jesus. Eles representam a salvação trazida a todos os povos, não somente para os judeus, uma vez que foram os primeiros gentios a acreditarem em Jesus, o Messias. Suas oferendas de ouro, incenso e mirra transcendem a generosidade material, simbolizando a realeza, a divindade e o sacrifício de Jesus.

Entenda quem foram os Reis Magos e conheça o simbolismo do Natal.

A Virgem Maria

A Virgem Maria tem um papel singular na história da Redenção. Desde a sua concepção, foi preparada para ser a mãe do Verbo Encarnado, o qual traria a salvação à humanidade. O seu fiat, seu sim generoso, foi o ponto de partida para a realização da promessa messiânica. Nossa Senhora personifica, desse modo, a entrega total e a confiança em Deus, aceitando plenamente a Sua vontade. Enquanto Eva contribuiu para a queda da humanidade, Maria, por sua cooperação no plano divino, tornou-se um instrumento fundamental na obra de salvação, colaborando para a restauração da comunhão entre Deus e os homens. Contemplar Maria no Natal nos convida, portanto, a cultivar uma disposição de coração que acolhe a graça divina.

Você conhece os dogmas marianos?

São José

A presença de São José no presépio não é meramente secundária; ao contrário, ele se destaca como o guardião zeloso e o protetor da Sagrada Família. O olhar de São José, permeado pela fé, testemunha silenciosamente o milagre do nascimento de Cristo. A sua figura personifica a obediência e a responsabilidade. Em sua proteção a Maria e Jesus, São José representa a importância da paternidade espiritual e do cuidado atencioso no desenvolvimento da divina missão. Sua disposição para aceitar o plano divino, mesmo sem compreender completamente, coloca-o como um modelo de confiança em Deus. Portanto, São José é para nós o símbolo da fé silenciosa e da obediência amorosa.

Os sinos

Antigamente, os sinos anunciavam a hora do Angelus e, atualmente, ainda tocam antes das Missas em algumas paróquias, além de serem utilizados também no momento que antecede a consagração, na Santa Missa. Desse modo, percebemos que eles convocam os fiéis a se prepararem espiritualmente, simbolizando um chamado divino. O toque dos sinos ressoa como um convite a nos voltarmos à presença de Deus, recordando-nos do incessante chamado para nos aproximarmos do Salvador. Sendo assim, durante o Natal, especialmente, os sinos se tornam um eco emocionante do anúncio mais extraordinário: a chegada do Redentor ao mundo.

Os pastores

No presépio, os pastores simbolizam a resposta imediata à notícia do nascimento de Jesus. A simplicidade de suas vidas e a natureza humilde de seu trabalho destacam a universalidade do convite divino. Ao receberem a mensagem dos anjos, os pastores não hesitaram em ir ao encontro do Salvador, tornando-se os primeiros a testemunhar o milagre da Encarnação. Sua prontidão em ir ao encontro do Messias ilustra a disposição que todos devemos ter em buscar a presença de Cristo em nossas vidas. Além disso, a imagem dos pastores no presépio destaca a preferência divina pelos humildes e simples de coração.

As velas

Em sua essência, as velas simbolizam a luz de Cristo que veio ao mundo. Ao acendê-las durante o Natal, somos chamados a contemplar a luz divina que dissipa as trevas espirituais. As velas não apenas iluminam, mas também orientam, simbolizando a direção espiritual que encontramos em Cristo. Além disso, o gesto de acender velas torna-se uma expressão simbólica de nossa disposição interior. Quando iluminamos o ambiente, estamos convidando a luz de Cristo a penetrar nossos corações e dissipar as sombras da indiferença e do pecado.

Conheça também o significado da Coroa do Advento.

O Natal do Senhor nas nossas vidas

O Natal do Senhor se revela como o evento que nos trouxe o Salvador, marcando uma importância tão grandiosa que a Igreja se prepara para este momento anualmente, com o tempo do Advento. À medida que revisitamos a cena do presépio, somos convidados a contemplar não apenas um evento histórico, mas também a presença viva de Cristo em nosso dia a dia.

Por isso, pedir que o Menino Jesus habite em nossos corações exige que cultivemos uma vida de oração, uma vida interior e comprometida com o Senhor, pois só assim aprenderemos a desejá-lo de verdade, sem colocar outras coisas na frente da nossa salvação. Na noite de Natal, é fácil perder-se em distrações, mas é necessário mantermos os nossos olhos em Jesus — a alegria habitava o coração de Maria e de José mesmo naquele cenário rude, pois o mais importante estava diante de seus olhos.

E nós também temos diariamente o mais importante diante de nós, em cada Igreja, o Natal antecipado: Jesus na Eucaristia. O Natal do Senhor em nossas vidas está intimamente ligado à experiência eucarística, que exige de nós um coração contrito e humilde. Se soubermos nutrir a constante expectativa da vinda do Senhor, mantendo viva a espera diária do Seu retorno glorioso — trilhando o caminho da vigilância e da oração — experimentaremos, de fato, o que foi o nascimento do Cristo para nós.

Você já conhece a novena da Epifania do Senhor?

Referências

  1. CIC, 460[]
  2. PAPA BENTO XVI, Audiência Geral, 21 de dezembro de 2011[]
  3. Mt 1, 17[]
  4. Mt 1, 18[]
  5. Mt 1, 19-25[]
  6. Mt 1, 24-25[]
  7. Mt 2, 1-11[]
  8. Mt 2, 11[]
  9. Lc 2,1-7[]
  10. Lc 2, 6-11.16[]
  11. Lucas 2,29-30[]
  12. Mt 1, 1-25[]
  13. Lucas 2,1-14[]
  14. Lucas 1,15-20[]
  15. 1,1-18[]
  16. Is 60, 3[]

Redação MBC

Assine nossa newsletter com conteúdos exclusivos

    Ao clicar em quero assinar você declara aceita receber conteúdos em seu email e concorda com a nossa política de privacidade.